Acredite se quiser! Renan Calheiros agora defende extinção do foro privilegiado

Resultado de imagem para renan calheiros charges

O mutante Renan virou personagem de cordel

Deu em O Tempo

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), defendeu nesta quarta-feira (30) o fim do foro privilegiado, mas ponderou que a proposta deve valer para todas as autoridades. “Essa questão da prerrogativa é muito complicada, temos 23 mil pessoas com essa prerrogativa, temos que revisar e acabar com isso, mas tem que valer para todos”, disse.

Para Renan, restringir o fim da prerrogativa apenas para agentes com mandato eletivo seria “criminalizar” a classe política. “Não se pode fazer isso”, afirmou.

Nesta quarta, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou a Proposta de Emenda Constitucional que estabelece o fim do foro para autoridades em crime comuns. A PEC seguirá para o plenário. De acordo com o relatório aprovado, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), perderão a prerrogativa de foro cerca de 22 mil autoridades.

As novas regras se estendem inclusive ao presidente da República, ministros de Estado, congressistas e ministros do Supremo Tribunal Federal.

JULGAMENTO NO STF – Renan Calheiros evitou comentar sobre o seu julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), previsto para acontecer nesta quinta-feira (1º). Caso os ministros aceitem a denúncia, o senador se tornará réu no Supremo.

Questionado sobre se estava preocupado com o resultado, o peemedebista se limitou a dizer que é preciso “exercitar a separação dos poderes”. “É muito importante que cada um cumpra a sua parte”, declarou. Renan é investigado em pelo menos outros 11 processos na Corte.

Renan também não quis comentar sobre os confrontos entre manifestantes e a polícia militar durante protesto em frente ao Congresso contra a Proposta de Emenda Constitucional que estabelece limite para gastos públicos. “Ontem fui de dedicação absoluta ao que estava acontecendo no plenário”, desconversou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGMudou o Natal? Ao que parece, quem mudou foi Renan Calheiros, que está encerrando seu mandato de presidente do Senado com uma boa iniciativa, a investigação sobre os supersalários. Como ensina Jorge Benjor, se malandro soubesse como é bom ser honesto, seria honesto honesto só por malandragem, caramba!. (C.N.) 

15 thoughts on “Acredite se quiser! Renan Calheiros agora defende extinção do foro privilegiado

  1. Perdão, mas discordo que Renan Calheiros devesse fazer parte da extraordinária literatura de cordel, uma das culturas populares mais autênticas que o Brasil possui.

    O presidente do senado faz jus a frequentar os “livrinhos” de Carlos Zéfiro – os mais velhos lembram! -, pois a sua única função tem sido f… com o Brasil e povo!

    • Quem conhece o Renan sabe que ele está falando uma coisa e tramando outra. Vejam a coletiva do domingo. Os três bandidos só apareceram porque sabiam da reportagem do Fantástico. Prometeram uma coisa e aconteceu outra. O Presidente Princesinha vai vetar ou aprovar na íntegra?

  2. Temer, fora o caixa 2, ficou em cima do muro, porque foi taxativo de vetar o caixa 2, e deixou em duvida, quase certeza, que não vetaria, a safadeza do senado e câmara. Os sinistros do stf, julgam, para serem Ministros, e voltar a ser STF, devem por em Pauta urgentes os privilegiados denunciados por corrupção, Essa Lei do Renan, mas, a deturpação da proposta na Câmara dos de puta dos, afronta, a Cidadania.
    Deus, S.O.S, a moral e honra, está indo ao fundo deste oceano de lama, nos ajude!!.

  3. Mais Cabraladas…

    30/11/2016 18h27 – Atualizado em 30/11/2016 18h51
    Em acordo de leniência, empreiteira revela cartel para fraudar obras no Rio
    Andrade Gutierrez assinou acordo com Cade sobre obras do PAC Favelas.
    Integrantes de cartel, segundo empreiteira, eram doadores de campanhas.

    Vladimir Netto e Marcelo ParreiraDa TV Globo, em Brasília

    Acordo de leniência assinado entre a construtora Andrade Gutierrez e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) revela que especificações técnicas foram introduzidas no edital de licitação das obras do PAC Favelas, no Rio de Janeiro, com o objetivo de determinar que um cartel de dez empresas vencesse a concorrência.

    As obras desse edital do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal, nas favelas do Rio eram as do teleférico do Complexo do Alemão, do plano inclinado da Rocinha e da elevação da linha férrea de Manguinhos, no Rio de Janeiro.

    Com base nas informações prestadas pela Andrade Gutierrez, o Cade abriu um processo administrativo que envolve todos os citados, e os acusados agora vão apresentar a defesa. Se as empresas forem consideradas culpadas, o Cade pode impor multas de até 20% do faturamento. As pessoas envolvidas podem ser punidas com multas que variam de R$ 50 mil a R$ 2 bilhões.

    Entre os documentos apresentados pela Andrade Gutierrez para o Cade a fim de comprovar as informações e firmar o acordo de leniência (uma espécie de delação premiada de empresas) estão marcações de reuniões, e-mails e documentos do processo de licitação.
    Cartel
    De acordo com o documento, o cartel para as obras começou a ser criado em maio de 2007, em uma reunião no Palácio da Guanabara.

    Ali, o superintendente comercial da Andrade Gutierrez e Wilson Carlos Carvalho, então secretário de governo do estado do Rio de Janeiro, se reuniram para discutir o assunto.

    Carvalho teria informado ao executivo da empreiteira quais seriam as construtoras que ficariam responsáveis pelos lotes da obra.
    A distribuição, diz o acordo, foi estabelecida a partir de doações eleitorais feitas no ano anterior. Wilson Carlos foi preso recentemente pela Operação Lava Jato, no mesmo dia em que o ex-governador Sérgio Cabral foi levado para a cadeia. Os dois estão presos desde o último dia 18.

    “A escolha dessas empresas pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro se deu em razão dos valores das contribuições por elas realizadas para a campanha do Governador do Estado do Rio de Janeiro, o qual havia sido eleito em 2006”, explica o documento assinado pelos advogados que representam a Andrade Gutierrez.

    Entre as empreiteiras participantes do esquema, afirma a Andrade Gutierrez, estavam a Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Delta e Carioca Engenharia. A Camargo Correia, que teria participado no começo do processo, acabou desistindo por não concordar com o percentual definido para a empresa na distribuição das obras. A produção da TV Globo busca contato com as empresas.

  4. A real….

    RENAN TENTA VOTAR URGÊNCIA DO PROJETO SALVA-ORCRIM
    Brasil 30.11.16 19:06
    O Antagonista avisou há pouco que Renan Calheiros articulava uma reação à Lava Jato. Pois ele tenta, agora, aprovar requerimento de urgência para apreciação do projeto anticorrupção (rebatizado de salva-Orcrim).

    Renan, mais cedo, disse que não votaria o projeto este ano. Agora, tenta atropelar o regimento interno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *