Adeus, renovação política

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Resultado de imagem para reforma politica charges

Charge do Sinovaldo, reproduzida do Jornal VS

Carlos Chagas

Feito o lobisomem que aparece nas noites de lua cheia, caiu no Congresso, mais uma vez, a proposta da eleição de deputados em lista fechada, na discussão da reforma política. O eleitor não votaria no candidato de sua preferência, mas na sigla de um partido cujos caciques comporiam a relação dos companheiros dignos de receber os votos. Imagine-se quem os dirigentes partidários colocariam nos primeiros lugares: eles mesmos, ainda que se fosse para ser votados individualmente, ficariam na rabeira.

Trata-se de mais uma vigarice dos mesmos de sempre.

Fica estranho que depois de a Câmara dos Deputados haver rejeitado a sugestão, tempos atrás, ela retorne impávida pela manobra dos mesmos de sempre. Quem puxa a fila, agora, é o presidente do Congresso, Eunício Oliveira, por sinal o senador mais votado no Ceará.

A reforma política segue os passos da vaca: vai para o brejo, ainda que se tenha a certeza de sua rejeição pelo bom senso.

A reforma política ressurge em meio à crise gerada pela tentativa de aceitação do caixa dois, outra agressão abominável. Suas Excelências imaginam que uma das duas excrescências acabará aprovada, coisa que lhes basta para continuar boiando no esgoto.

Nada de novo acontece sob o sol. Porventura aprovada a lista fechada, seria inócuo o desvio de recursos ilícitos do caixa dois para a preservação dos mandatos dos controladores dos partidos. Garantiriam seus lugares, verdadeiramente o que lhes interessa. A renovação ficaria para as calendas, em todas as legendas.

 

One thought on “Adeus, renovação política

  1. Kkkkkkkk… kkkkkkkkkkkkkkk… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…, DEDE, DIDI, MUSSUM E ZACARIAS FARIAM MUITO MELHOR, E ERAM MUITO MAIS DIVERTIDOS, e não nos custavam dinheiro algum, ao contrário dessa turma que nos custa os olhos da cara e não valem sequer o caviar que comem as custas do nosso sangue, suor e lágrimas. As mudanças delle$, não passam de piada pronta, requentada e de mau gosto, para inglês ver, como de costume, à velha moda por fora bela viola e por dentro tudo continua pão bolorento, não passam de manobras diversionistas. Os partidos e seus dirigentes revelaram-se as bestas do apocalipse eleitoral. E em assim sendo, como de fato é, sob a égide dos ditos cujos, com prazo de validade vencido há muito tempo, lista fechada ou aberta, voto distrital, parlamentarismo, etc. e tal, tanto faz como tanto fez, continuará tudo como dante$ no velho quartel de Abrante$, nestes quadrante$. Tarde demais para sofismas . Chega dos me$mo$. Fora todo$. Democracia direta com meritocracia eleitoral já, porque evoluir é preciso. https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2017/03/15/debate-nao-busca-apagar-o-passado-mas-olhar-com-resolucao-para-o-futuro-dizem-presidentes.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *