Adriana deve voltar à cadeia por resgatar R$ 1,2 milhão de conta bloqueada

Adriana Ancelmo contou boas piadas ao juiz Bretas

Juliana Castro
O Globo

A ex-primeira-dama Adriana Ancelmo resgatou R$ 1,2 milhão da previdência privada enquanto estava presa na ala feminina de Bangu 8. O questionamento sobre a movimentação do dinheiro foi feito nesta quarta-feira pelo Ministério Público Federal (MPF) durante depoimento da ex-primeira-dama ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, no processo da Operação Calicute. De acordo com a ex-primeira-dama, o investimento era para os filhos dela, e o resgate foi solicitado, a seu pedido, pela secretária que cuida das suas contas pessoais.

Nem a Justiça e nem o MPF tinham conhecimento da movimentação. O procurador da República Rodrigo Timóteo pediu que o banco fosse acionado para explicar o que aconteceu e quem solicitou o resgate e disse que será investigado se houve uma quebra, por parte de Adriana, de uma decisão da Justiça, já que ela está com os investimentos bloqueados. Caso isso seja constatado, o MPF pode pedir a volta dela para a cadeia. A ex-primeira-dama foi presa em dezembro do ano passado e foi levada para Bangu 8, mas, desde março deste ano, está em prisão domiciliar.

QUEBRA DO BLOQUEIO – “Vamos ter que saber como foi feito isso. Vamos solicitar informação ao banco Itaú, o banco vai esclarecer para nós como tomou essa decisão, quem deu essa ordem e, a partir disso, vamos ter que decidir a respeito. Pode ser que tenha uma quebra a uma ordem judicial de bloqueio e, se houve esse desrespeito, vamos tomar as providências necessárias para tentar resgatar esse dinheiro, ver para quem foi. Isso precisa ser investigado – afirmou o procurador. – Vamos analisar, mas pode ser que seja solicitado o regresso dela (para a prisão) – completou Timóteo.

Adriana disse no depoimento que o dinheiro foi resgatado e enviado para sua conta pessoal. Depois, foi usado para pagar honorários advocatícios, dívidas com funcionários e outras despesas. Agora, não resta nenhuma parte desse dinheiro na conta, segundo ela informou.

ALEGAÇÃO DE ADRIANA – “O meu gerente disse que não estava sujeito a bloqueio as previdências dos meus filhos. No primeiro momento, eu precisava me manter. Não tenho dinheiro em qualquer outro lugar, baixei a aplicação da previdência no meu filho, esse valor entrou na minha conta. (A previdência) estava no meu nome, e eles eram os beneficiários – afirmou Adriana. – Isso (o resgate) foi solicitado pela minha secretária. Só tinha ela para realizar os pagamentos, eu estava presa.

A ex-primeira-dama é ré no processo da Calicute e é acusada de usar seu escritório de advocacia para lavar dinheiro do esquema de corrupção.

DINHEIRO LÍCITO – Durante o depoimento, Adriana disse que as joias apreendidas em sua casa foram compradas por ela com dinheiro lícito ou foram presentes de seu marido, o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), que está preso desde novembro do ano passado. No depoimento, a ex-primeira-dama reconheceu que, em 2009, ganhou um anel do empreiteiro Fernando Cavendish, que à época tinha diversos contratos com o governo do estado, e que não sabe o valor da joia, que era de aproximadamente R$ 800 mil.

“Ali, naquela situação específica, recebi o presente do Cavendish, que era um amigo. Ali, na situação, não era um empreiteiro, mas um amigo” – afirmou.

A ex-primeira-dama afirmou ainda que nunca recebeu dinheiro em seu escritório de advocacia. “A mim, nunca foi entregue nenhum centavo” – declarou Adriana.

SECRETÁRIA DESMENTE – Michelle Tomaz Pinto trabalhou no escritório de Adriana Ancelmo como assistente administrativa e secretária executiva, de 2005 a 2015, quando foi demitida. Em depoimentos ao MPF, ela contou que Luiz Carlos Bezerra – apontado pelos procuradores como operador financeiro de Cabral – ia ao escritório de Adriana Ancelmo para efetuar entregas de quantias entre R$ 200 mil e R$ 300 mil em espécie. Michelle contou que o dinheiro era usado para pagar funcionários e contas pessoais de Adriana.

A ex-funcionária de Adriana acrescentou que participava da contagem dos valores, que chegavam em uma mochila, junto com Thiago Aragão, ex-sócio de Adriana, que foi preso durante a Operação Eficiência.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Preocupada com a concorrência de Lula, Gilmar Mendes e do próprio marido Sérgio Cabral, a ex-primeira-dama vai com tudo em busca do troféu da Piada do Ano. E apresenta várias anedotas ao mesmo tempo. As melhores são o “dinheiro lícito” e o presente da jóia de R$ 800 mil por um amigo, que por acaso era empreiteiro. Pena que não foi em “standup comedy”, porque a depoente estava sentada. De volta à prisão domiciliar, ela pode ir novamente preparando a mochila, porque logo os federais estarão de vota para reconduzi-la a Bangu, de onde não deveria ter saído, embora tente passar a imagem de mãe extremada (que nunca foi), recatada e do lar. (C.N.)

11 thoughts on “Adriana deve voltar à cadeia por resgatar R$ 1,2 milhão de conta bloqueada

  1. A grana estava bloqueada no Banco itaú. Então, a responsabilidade pelo desbloqueio é daquela instituição, tão criminosa quanto a Sra. Cabral.

    • Também penso que a culpa é única e exclusiva do Banco. Afinal, quem tem a chave do cofre é o Banco. Tente, qualquer um, sacar dinheiro de onde não tem (ou não esteja autorizado a sacar). Conseguirá ?

  2. Bom dia,
    Gostaria de sugerir que fosse feito uma
    materia com o Dr. Rene Dotti,
    sobre o comportamento dos advogados
    do Lula na audiencia do dia 10/mai/2017.

  3. Uma pessoa de classe média deve juntar durante toda a vida a importância que a excelentíssima senhora resgatou para despesas caseiras com os seus filhos. Quem pode pode.

  4. A madame Cabral, deveria receber como troféu, uma daquelas “carrancas” dos barcos do rio São Francisco, devido a sua tremenda cara de pau.
    Quando confrontada com o fato do marido receber como salário 20 mil mensais e gastar 1 milhão, parte inclusive gasta por ela,não se fez de rogada e disse que achava que o dinheiro era lícito e nunca questionou o marido.
    Uma advogada carioca, que trabalhava num escritório conceituado e conhecedora dos segredos mais secretos da vida política do estado, vir com uma história desta? Até a mulher do zé do brejo, morador la no fundo da grota, se notar que o marido anda gastando mais do que recebe, logo vai saber que ele esta roubando, mas a Adriana Ancelmo, nem desconfiava. E nós somo obrigados a ouvir estas coisas e ainda conceder aos ladrões a tal presunção de inocência, até que a cega justiça, depois muitos anos diga que são culpados.

  5. Estão sendo muito duro com a senhora Cabral …como vai viver sem uns trocados para comprar um podrão, da esquina pra se manter ?e precisa de pagar as contas de internet da casa para poder usar, pedir ao Pezão não da porque está sem receber salário , o governador não paga !

  6. Gostaria de saber quem vai ressarcir R$ 1,2 milhão que Adriana Ancelmo resgatou do banco. Se o Itaú ou a dona Adriana. Um dos dois tem de repor este dinheiro.

  7. É de um cinismo, mentira, dissimulação, que não condiz com teve a concessão de prisão domiliar, pois já era previsto, continua movimentar recursos que deveria estarem bloqueados, como estão, mas alega que o gerente informou que aquela conta da previdência particular não estava bloqueado, mas mesmo que não tivesse, não deveria usá-lo, isto demonstra como esta cambada funciona, o MPF deve ser rigoroso, isto tem que mudar neste país, deve voltar a cadeia, agora estão tentando conceder prisão domiciliar a todas detentas com filhos até 12 anos, mas antes quem cuidava dos filhos destas detentas, a ver meu ninguém, nem ela mesma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *