Advogada confirma à CPI que a Prevent Senior fez pacto com “gabinete paralelo”

Bruna Morato, Luciano e Regina Hang

Mãe de Hang teve atestado de óbito alterado, diz advogada

Tainá Andrade
Correio Braziliense

A advogada Bruna Morato, que está representando os médicos denunciantes da Prevent Senior na CPI da Covid, esclareceu à comissão sobre a relação da Prevent Senior com o chamado “gabinete paralelo”, para evitar o lockdown e manter a economia funcionando.

Segundo ela, um diretor clínico explicou que Pedro Batista Júnior, diretor executivo da Prevent Senior, estava preocupado com as críticas que o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta fazia direcionadas à operadora de saúde. Por esse motivo, tentou se aproximar do Ministério da Saúde por meio de um parente da autoridade, mas sem sucesso.

SEM LOCKDOWN – Ao tentar outra via de acesso, foi informado de que “havia um conjunto de médicos que estava assessorando diretamente o governo federal e que esse conjunto estava de acordo com os interesses do Ministério da Economia”.

“O que me explicaram foi o seguinte: existe um interesse do Ministério da Economia para que o país não pare. Se nós entrarmos nesse sistema de lockdown, nós teremos um abalo econômico muito grande”, disse a advogada.

Portanto, de acordo com ela, existia um plano para que os brasileiros pudessem sair às ruas sem medo.

ALINHAMENTO IDEOLÓGICO – Por meio do toxicologista Antony Wong; da imunologista Nise Yamagushi; e do virologista Paulo Zanoto, o coronavírus seria tratado com menos contundência. A Prevent Senior seria usada para colaborar com as informações amplamente divulgadas por esses especialistas. A advogada informa que essa era uma estratégia de “alinhamento ideológico” e configura como uma “denúncia de pacto”.

“Em nenhum momento ouvi falar da pessoa do ministro da Economia. O que eu ouvia falar era de um “alinhamento ideológico”. O que eles tinham que fazer era conceder esperança para que essas pessoas saíssem às ruas. A esperança era a hidroxicloroquina.

A colaboração da Prevent Senior com o governo era na produção de informações que convergissem com essa teoria.

FALSA PREVENÇÃO – “Ou seja, que é possível você utilizar um determinado tratamento como proteção. A população, em geral, quando escuta a palavra ‘prevenção’ se encoraja a sair e fazendo isso se expõe ao vírus. Ainda que doentes, as pessoas teriam a esperança de que não iriam falecer daquilo”, destacou.

A advogada Bruna Morato, que representa 12 médicos da Prevent Senior, afirmou a certidão de óbito da mãe do empresário Luciano Hang, foi alterada.

De acordo com ela, Regina Hang, mãe do empresário bolsonarista, foi submetida ao uso do ‘kit Covid’. O dossiê entregue por ela à CPI aponta que a operadora de planos de saúde ocultava mortes em um estudo com medicamentos sem eficácia contra o coronavírus, como a hidroxicloroquina.

5 thoughts on “Advogada confirma à CPI que a Prevent Senior fez pacto com “gabinete paralelo”

  1. CorrupTasso fora das paradas de sucesso, e o Arthur do Cartão Corporativo faz companhia….
    Tudo caminhando para a vitória “do Futuro do Brasil”, como disse o Todo Poderoso Chefão FHcorrupto…..

    eh!eh!eh

    Demais da conta…

  2. Lancinante esse depoimento. 70 mortes de idosos, que foram tratados com kit Covid, para os contaminados com o vírus, principalmente a porcaria da Cloroquina.
    Uma série de crimes praticados pela direção do Hospital da Prevent Senior. Tinha até um Hino que os médicos eram obrigados a cantar, antes de começar os plantões.
    O lema no hospital era: Lealdade e Obediência.
    Vários idosos tu irmã a óbito com tratamento paliativo, que consistia em retirar os antibióticos e a hemodiálise.
    Atitude como essas, só foram experimentadas no Nazismo, com o carrasco doutor Mengele.
    Ministério da Saúde, ANS e Conselho Federal de Medicina, quedaram-se inertes. Alguém tem que pagar por esses crimes, por ação e omissao para quem tinha o dever de fiscalizar.
    Fiquei horrorizado com o depoimento da advogada dos médicos que se rebelaram. Parabéns a advogada Bruna, pela coragem. O escritório dela em São Paulo foi invadido.
    Papelão dos senadores Marcos Rogério, Eduardo Girão e Henzi, respectivamente de Rondônia, Ceará e Rio Grande do Sul. Terríveis.

  3. Taí uma que era esperada: Senadores americanos pedem a Biden ‘sérias consequências’ se Bolsonaro causar ruptura.

    É evidente que os americanos não querem mais uma republiqueta banana com um segundo Maduro – déspota teimoso e burro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *