Advogado acusa Jungmann de crimes contra quem denunciou fraude nas urnas

Jugmann não apura denúncias e ameaça o eleitor

Jorge Béja

Sem convicção, sem certeza e cheio de desconfiança, mesmo assim adotemos como verdadeira a afirmação de que “a urna eletrônica é segura, não permite fraudes e é inviolável”. Ainda assim, se o eleitor a denuncia com provas que conseguiu obter –e não uma denúncia vazia e oportunista – neste caso as autoridades estão obrigadas a instaurar procedimento, no mínimo investigativo, com a convocação do eleitor (ou eleitores) para comprovar a denúncia.

O fato é gravíssimo e as autoridades não podem cruzar os braços. E tratando-se do pior e mais hediondo e abominável crime eleitoral, por ludibriar a boa-fé e a inocência de todo o povo brasileiro e de mais de 147 milhões de eleitores, as autoridades têm o indeclinável dever de acolher o(s) denunciante(s), tratá-los condignamente, por sua coragem, por seu civismo e por seu patriotismo de se expor(em) por uma causa justa e que precisa, inegavelmente, de imediata apuração.

MAS NA PRÁTICA… – Mas parece que as coisas não são assim. Circula na internet um vídeo de pouco mais de 5 minutos, em que o advogado Adão Paiani, com voz firme e demonstrando segurança, convicção e lastreamento fático e jurídico no que está afirmando, anuncia ele que deu entrada no dia 11 de outubro com uma representação criminal na Procuradoria-Geral da República contra o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, pela prática dos crimes de prevaricação, constrangimento ilegal, ameaça e abuso de autoridade.

Isto porque, segundo o advogado, o ministro vem intimidando os cidadãos que denunciam irregularidades que comprometem a lisura da urna eletrônica, como ficou constatado no primeiro turno, diz o advogado. No final deste breve artigo, o endereço do vídeo para ser acessado e ver e ouvir o que fala o doutor Paiane.

TEM TODA RAZÃO – Não conheço o referido advogado. Mas como cidadão, eleitor e também advogado, dou razão ao doutor Adão PaianI. Se há denúncia de irregularidade, a postura da autoridade pública não pode ser a de ameaçar o(s) denunciante(s), e sim chamá-lo(s) e ouvi-lo(s), formalmente, para que traga(m) as provas, e sempre e sempre com a presença do Ministério Público Eleitoral, facultado ao denunciante, arguente ou queixoso – não importa o nome jurídico que lhe seja emprestado – a ampla defesa, o mais transparente e abrangente contraditório e a produção de todas as provas, que conseguiu obter e as que faltam produzir, visto tratar-se de tema intrincado, complexo, e sujeito a todo tipo de trapaça, como ocorre com tudo aquilo que diz respeito à informática e a modernidade do mundo virtual. Afinal de contas, é a Democracia que está em causa. E se procedente a denúncia, somos mais de 200 milhões de vitimados.

SEM IMPUTAÇÃO – E se a denúncia ou queixa não proceder, os eleitores (o eleitor) que reclamaram, se queixaram e se sentiram enganados pelo que, solitariamente, constataram na cabine diante daquela pequena telinha da urna eletrônica, a eles nenhuma imputação criminal pode ser feita. Mas não seria, em tese, denunciação caluniosa? Claro que não.

Ainda que não reste comprovada a denúncia, a denunciação foi corajosa e jamais caluniosa, mesmo porque inexiste sujeito passivo para tal eventual imputação, que seria desarrazoada. Amedrontadora é a posição do ministro contra quem o referido advogado representou criminalmente pelos crimes de constrangimento ilegal, prevaricação, ameaça e abuso de autoridade. Em todas as eleições, gerais ou não, a festa é do povo. E só ao povo pertence. Povo-eleitor.

E se parte do destinatário da festa denúncia de irregularidade (no caso, gravíssima), a denúncia é tão importante quanto o voto. E se muitas são as denúncias de igual sentido, como anuncia o doutor Adão Paiani, aí mesmo é que a gravidade se agiganta e compromete toda a Democracia e a confiança do eleitor. E assim estaremos diante de uma desgraça nacional.

16 thoughts on “Advogado acusa Jungmann de crimes contra quem denunciou fraude nas urnas

  1. O que temos de mais precioso é a nossa democracia e liberdade.

    Se perdermos isso não nos restará mais nada.

    “Para a mal triunfar, basta que o bem não faça nada.”

  2. Criaram uma espécie de seita fanática que defende com unhas e dentes a sacralidade das urnas eletrônicas.

    Por outro lado, a maior parte da população não confia nessas urnas.

    Os apóstolos da “seita do santo byte” (como denominou um advogado que defende o voto impresso) juntaram sua arrogância tecnológica com a prepotência da velha elite que despreza a opinião do povo.

    Depois surgem os Bolsonaros e a elite bocó fica sem entender…

  3. Boa tarde a todos.
    Conclamo aos eleitores da TI, votarem no abaixo assinado de Osmar B. Souza Junior, pedindo ao congresso nacional, para que aprovem voto impresso em regime de urgencia.
    O que é possivel ainda.
    https://chn.ge/2IUc4io

  4. Só fico mais tranquilo porque não há fraude que possa tirar diferença de mais de 15 milhões de votos(no minimo)
    Se fosse como em 2014 em que a diferença acabou sendo de menos de 1,5 milhão de votos aí a coisa seria realmente preocupante.

  5. Creio já ter exposto razões suficientes para não votar em Haddad em posts anteriores, porém, reforço o que já foi escrito com uma questão: para além de todos os problemas que colocam a legitimidade de uma possível eleição de Haddad em causa, e da certeza da instabilidade que atingiria um governo PT desde o primeiro dia da governação, que impacto teria um tal cenário nos Estados do Sul, do Sudeste e do Centro-Oeste, tendo em mente a divisão regional dos votos e considerando que os EUA atacarão a Venezuela, com ou sem o consentimento do Brasil, e um governo PT fará de tudo para blindar a politicamente o regime de Maduro, a começar pela instrumentalização do Mercosul?

    http://libertoprometheo.blogspot.com/2018/10/uma-ulitma-observacao-sobre-candidatura.html

  6. As eleições do dia 07 passado foram acompanhadas por vários representantes da OEA, da ONU, e da imprensa nacional e internacional e presidida por uma personalidade das mais respeitáveis do cenário brasileiro, a ministra Rosa Weber. Não foi anotado nenhuma ocorrência consequente e verossímil acerca de irregularidades. De outro lado, a desconfiança é grande e vale lembrar as palavras do ditador Joseph Stálin que observara : Não importa em que se vota, mas quem conta os votos. Com a visão postas em eleições mundo afora, parece que Stálin tinha razão, diante de tantas fraudes. Por aqui, ficamos entre a “cruz e a espada” ! O melhor será a adoção de um sistema que assegure mais segurança.

  7. Dr.Jorge Beija,disse tudo na linguagem simples.
    Dr. Leonel de Moura Brizola,sempre contestou as urnas eletrónicas.
    Brizola dizia. Não podemos ficar pendente da lisura do programador das urnas.
    Externou sua preocupação à época ao M.Jobim .

    • Mas em se tratando de vídeos denunciando fraudes, o que vi foram muitos casos bizarros onde o eleitor confundia a tela de governador/presidente.
      Deveriam colocar quantidade de números diferentes governador/presidente.

    • Enéas também denunciou… Mas Bolsonaro, na época, sequer se importava com isso.

      Sou contrário às urnas eletrônicas e acho estranho somente esse país adotar tal modelo.
      Mas considerando a adoção delas pelo nosso sistema, ao menos poderiam ter adotado a sugestão de que ela emitisse o voto impresso, caindo em urna acoplada, para conferência e validação do resultado, posteriormente, e, ainda, o comprovante de votação, este último para o eleitor.

  8. Dr. Béja, aqui neste Blog, comentei que o Presidente da firma construtora das urnas, declarou que as urnas são fraudáveis, a Imprensa mundial, escandalizou, a nossa infelizmente não publicou uma linha. Brizola foi o 1º a denunciar. alem disso a apuração secreta que o sinistro Toffoli, elegeu Dª Dilma, que os próprios ministros do TSE não puderam acompanhar. Parabéns a esse Advogado, em mostrar a verdade, Dr. Béja, o Sr. tem nos dado lições de Cidadania atuante em defesa de seus Direitos, usurpados pelos criminosos hediondos da caneta, escorado em uma Constituição com 106 emendas espúrias de auto proteção. A Hora é essa, de mudança de água para o vinho, oremos a Deus que ilumine nosso povo humilde e sofredor, com um território rico pela sua natureza, sem igual no Mundo. Que Deus-pai nos ajude para o Brasil voltar a ser sério.

  9. O Dr. Hugo Hoeschl está fazendo um estudo usando a Lei de Benford, e na 1a análise por Estados, já foi encontrado inconsistências. Agora o estudo vai para a 2a fase onde vai se pesquisar pelas cidades e zonas eleitorais. Em relação às eleições de 2014 usando esta lei matemáticae chegou-se a 76% de probabilidade de que houve manipulação de dados.
    Na deste ano postei vários vídeos onde até policiais de Brasília faziam denúncias de problemas nas urnas. Em Ouro Preto há um vídeo onde a delegacia estava cheia de pessoas fazendo ocorrências sobre problemas nas urnas. E notem que não são problemas na urna, e sim no software, no programa. Mas se o programa é um só enviado para todas as urnas, como houve problema só em algumas delas e em vários lugares?
    PS: Este estudo do Dr. Hugo Hoeschl pode ser acompanhado na página Brasil Paralelo. (Operação Antifraude)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *