Advogado de Lula diz que bloqueio de R$ 237 milhões busca enfraquecê-lo na Lava Jato

Moro induziu Judiciário ao erro”, afirma advogado de Lula | VEJA

Zanin é um “fenômeno” maior até do que o filho de Lula

Paulo Roberto Netto
Estadão

O criminalista Cristiano Zanin Martins, defensor do ex-presidente Lula (PT), afirmou que o bloqueio de R$ 237,3 milhões em bens imposto pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, é ‘mirabolante’ e uma ‘clara tentativa’ de enfraquecê-lo nos processos da Lava Jato. A decisão foi proferida pelo magistrado no dia 1º de setembro e tornada pública neste sábado, 19.

Zanin é investigado na Operação E$quema S, que apura tráfico de influência e desvios milionários das seções fluminenses do Serviço Social do Comércio (Sesc RJ), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac RJ) e Federação do Comércio (Fecomércio RJ). Advogados renomados no meio político são investigados no caso e tiveram endereços profissionais e residenciais vasculhados no último dia 9.

ADVOCACIA PRIVADA – Em nota, Zanin nega ter o valor bloqueado por Bretas em conta, ‘embora pudesse ter, já que a minha atuação sempre foi na advocacia privada’.

“Na desesperada tentativa de criar manchetes e produzir efeitos políticos, o juiz fixou o valor do bloqueio mediante uma descabida somatória de valores de diferentes escritórios de advocacia e ainda adicionou exorbitante valor a título de ‘dano moral’, que ele mesmo estipulou, o que mostra um absurdo sem precedentes”, afirmou Zanin.

O criminalista alega que o sequestro de bens é uma ‘clara tentativa de me enfraquecer em processos decisivos que estão sob a minha condução e que contestam a legalidade da própria Operação Lava Jato, em especial, aquele que trata da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro’.

DISSE O JUIZ BRETAS – Na decisão que autorizou o bloqueio de R$ 237,3 milhões, Bretas afirmou que o escritório de Zanin e seu associado, Roberto Teixeira, teria sido ‘o precursor no recebimento de honorários advocatícios exorbitantes pagos pela Fecomércio/RJ em prol de interesses particulares de Orlando Diniz’, ex-presidente da federação e hoje delator.

“Prática que, em tese foi replicada pelos demais escritórios ora investigados, formando um verdadeiro grupo criminoso voltado supostamente para o cometimento dos delitos de peculato, corrupção ativa, tráfico de influência e exploração de prestígio, tudo sob o manto do exercício da advocacia”, afirmou Bretas.

O juiz da Lava Jato Rio disse que Zanin e Teixeira participaram de uma reunião com Orlando Diniz no início de 2012, no Copacabana Palace, no Rio, e que, segundo o delator, ‘ficou claro que tais advogados iriam garantir’ sua permanência à frente do Sesc Rio enquanto se burlava fiscalizações de conselheiros fiscais e do Tribunal de Contas da União (TCU).

PAGOS PELA FECOMÉRCIO – “Os advogados tinham ciência, a princípio, de que estavam sendo pagos pela Fecomércio e, posteriormente, com verba pública das entidades paraestatais para atuar em favor de Orlando Diniz”, apontou Bretas.

Zanin rebateu as acusações e disse que os serviços prestados à Fecomercio-RJ estão ‘amplamente documentados, registrados nos nossos sistemas internos e mostram mais de 12 mil horas de trabalho prestadas por 77 profissionais da área jurídica’.

“Todo esse material já foi examinado por auditoria externa, que atestou a plena regularidade da contratação, do recebimento dos honorários e, ainda, que nenhum valor foi sacado ou transferido em favor de terceiros”, afirmou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É claro que, para ter R$ 237,3 milhões bloqueados, Zanin e seu sogro Roberto Teixeira exploraram ao máximo sua amizade com o então presidente Lula, digamos assim. Não se pode acreditar que o juiz Marcelo Bretas tenha estipulado aleatoriamente esse fabuloso valor. Ou seja, trata-se de verdadeiros ladrões de casaca, como no filme de Hitchcock. (C.N.)

9 thoughts on “Advogado de Lula diz que bloqueio de R$ 237 milhões busca enfraquecê-lo na Lava Jato

  1. Quem vê esta figura travestida de advogado pavoneando e defendendo o ladrão do Lula, até poderia pensar que se tratava de um profissional idôneo e competente…
    Ta aí…
    Demorou até muito, para mostrar o lado podre que este sem caráter e sem vergonha na cara carrega consigo…
    Vá para o inferno ladrão engomadinho.
    Cadeia para este larápio…

  2. Cacilda !!!

    Nos tempos em que a capital do Brasil era no Rio de Janeiro os advogados criminalistas tinham vida modesta, nenhum era milionário, pois eram raros os crimes de “colarinho branco”.

    Com a capital em Brasília os afortunados da profissão de advogados são os criminalistas e os que defendem a “elite” dos ladrões do dinheiro do povo são milionários, alugam até castelos na Europa para dar festa de aniversário.

    Quem garante essa impunidade ?

    Pelo que a mídia diariamente publica, os ministros “garantistas” do Supremo Tribunal Federal.

    Brasília é o túmulo do Brasil decente.

  3. Isso está cheirando a uma jogada do juiz Bretas. Ele estipulou uma quantia de até 237 milhões com base em quê?
    Também nesse caso, qual a acusação? Tráfico de influência? Quem do judiciário “cedeu” é que deveria pagar.

  4. A impunidade e a bagunça judiciária que vemos é culpa do STF por ter protegido bandidos de estimação com a negação da prisão em segunda instância.
    Acredito que tenha sido a possiblidade de apelar indefinidamente que levou o Bolsonaro a agir como um traidor e remover o Moro da Jutiça- as rachadinhas vão enrugar e secar e os garotos do Idiota vão permanecer livres.

Deixe uma resposta para Ricardo Lemos - Belo Horizonte. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *