Advogado tenta recolocar Dirceu em prisão domiciliar

Advogado de Dirceu vai recorrer ao Tribunal Regional Federal

Deu em O Tempo

Roberto Podval, advogado de José Dirceu, afirmou que o ex-ministro está tranquilo na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Dirceu foi preso em sua casa de Brasília, na segunda-feira (3), em caráter preventivo, pela 17ª fase da Operação Lava Jato. O ex-ministro, que já cumpria prisão em regime domiciliar por condenado por corrupção ativa, no caso do Mensalão, deverá ser denunciado e submetido a novo processo, mas desta vez não será mais julgado no Supremo Tribunal Federal, por ter perdido o mandato de deputado e o chamado foro privilegiado. Agora, ele será julgado na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, pelo juiz Sérgio Moro.

A defesa deve pedir revogação da ordem de prisão preventiva, emitida pelo juiz federal Sérgio Moro, que comanda as ações da Operação Lava Jato. Segundo informações do jornal ‘Estadão’, os advogados de Dirceu tem até sexta-feira para apelar ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), sediado em Porto Alegre. Em caso de insucesso, o advogado Roberto Podval pretende levar o caso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGO advogado deve alegar não há necessidade de prisão preventiva, sob argumento de que Dirceu não oferece risco à ordem pública nem pode se evadir, porque usa tornozeleira eletrônica e pode ser interrogado em Brasília. (C.N.)

15 thoughts on “Advogado tenta recolocar Dirceu em prisão domiciliar

  1. Não sou advogado, mas e esse negócio de não ser mais réu primário ?
    O cara estava preso e continuou com o esquema.
    Acho que é o caso, inclusive, de revogar a prisão domiciliar.
    É só lógica, não sei o que as leis dizem.

      • Dá para entender essa justiça brasileira? Um cara matou a própria tia, esquarteijou-a, enterrou uma parte do cadáver a outra guardou na geladeira. Já tinha sido condenado por assassinato (que a tia testemunhou e disse à policia), mas como ia dizendo, fora condenado a 15 anos de prisão por assassinato. Recorreu, e o juiz determinou que ele poderia responder em liberdade, foi quando assassinou a própria tia. Pois bem, Zé Dirceu está encarcerado. Eu jamais teria medo de me encontrar com ele pelas ruas, enquanto, o cara que matou a tia e outros bandidos, a gente tem medo de ficar em casa e sair na rua. Ao Dirceu e cia seria o caso de devolverem o dinheiro e aplicar serviços à comunidade e ser impedido de se candidatar até para síndico de prédio, servente de um clube, etc.
        Não entendo essa justiça. Prende os que não não matam, não sequestram, não esfaqueam e deixam soltos caras como o que citei acima e outros como um daqui de MG que enquanto a mulher desceu do carro, avançaram dois bandidos quebraram o vidro do carro, colocaram-lhe duas armas uma no ouvido outra na cabeça, pedindo-lhe o cartão e a senha do banco. Foram logo avisando que ele desse a senha errada, seria morto. Dá para entender?

        • Vá a um hospital público que você verá que o roubo do dinheiro público é um genocídio silencioso. A Caneta pode ser a mais letal das armas.

        • Carmen,
          a falha da justiça em tirar da rua o assassino condenado que depois matou a tia não justifica não prender os corruptos. Não se conserta um erro com outro.
          O Dirceu, sem se candidatar nem ocupar cargo público nenhum depois que saiu da Casa Civil, continuou (aliás, foi quando ele fez mais) com o tráfico de influência e com o desvio de dinheiro através dos esquemas montados. Condenado pelo julgamento do Mensalão, continuou continuando (se se pode dizer assim). Suspender seus direitos políticos e impedi-lo de ocupar cargos não evita que ele continue a roubar enquanto seus cúmplices e comparsas continuarem tendo poder e ele continuar a ter influência sobre eles. Devolver o dinheiro roubado (ainda que conseguissem reavê-lo todo com os juros) não pagaria nunca o mal que a falta desse dinheiro fez ao povo brasileiro, como o Tamberlini apontou. Dinheiro roubado do governo, seja por quem for, é dinheiro de sangue, morre gente pela falta dos serviços que esse dinheiro poderia pagar. E não morre no varejo, morre no atacado. Serviços à comunidade é o que ele deveria ter feito enquanto era político, para isso são eleitos, para servir e não para explorar a comunidade brasileira. Então tem que pegar cadeia mesmo (ele e os outros), e isso ainda é pouco pelo mal que fez. A corrupção rouba mais do que o dinheiro, rouba a esperança do povo que ela prejudica. Há ofensas, Carmen, para as quais não basta pedir desculpas.

  2. A gente tem que corrigir o que está errado. Não o inverso.
    Sei que existem leis mas as penas no Brasil são frouxas. Esse juiz deveria ser responsabilizado. O judiciário está cheio de gente “progressista” que acha que assassino e estuprador “são vitimas da sociedade”. Infelizmente.
    Quando agem de maneira diferente, os ‘intelequituais’ de esquerda caem de pau no juiz. Um caso, há pouco tempo, um meliante foi julgado e condenado por vários crimes e o juiz deu a pena máxima para todos os crimes em que fora condenado. Adivinha a grita dos sociólogos de entrevista, imprensa e demais intelequituais ‘progresseiros’.
    De mais a mais, Dirceu está longe de ser um bom moço. Não sei se eu ficaria a vontade perto desse cidadão.
    História, só um pouquinho da história de Dirceu:
    https://www.facebook.com/flaviomorg/posts/503961919779292:0

  3. Advogados gostam de propor absurdos para aparecerem nos factoides. É o fim da picada. O bandido, reincidente, em prisão domiciliar e o aparato de justiça ter que se mobilizar até Brasília para entrevistá-lo. É dar muita importância a bandidos. Este vigarista deve ficar à disposição da justiça onde o processo ocorre e ponto final. Sem regalias e sem pressa.

  4. Amigos e amigas
    Tudo que cada um relata e questiona já faz parte do nosso cotidiano, de nossas vidas.
    As leis são frouxas e algumas muito mal feitas. As mal feitas por querer ou por incapacidade mental.
    Urge uma revisão gradual, geral e irrestrita. Mas não são apenas as leis. Temos de incluir as instituições, os equipamentos, as filosofias, os objetivos e as pessoas. Quando mexem em apenas alguma destas coisinhas, nada muda e gasta-se mais.
    Alguns crimes precisam ser punidos, exemplarmente, com a perda total da liberdade. Outros, com perdas financeiras que não deixem esquecer que, na próxima, serão maiores. E alguns outros com trabalhos forçados à comunidade.
    Mas é preciso os “equipamentos” (presídios) em condições de não deixar fugir (os de crimes hediondos) e reeducar aqueles que assim desejarem. Tribunais ágeis, cumprimento de prazos e servidores capacitados – dos juízes aos serventes.
    Do jeito que está, estamos pagando por mais um péssimo serviço.
    Quanto a José Dirceu, não nos esqueçamos que ele cometeu crime contra a nação e seu povo. Se isto é pouquinho…

  5. Cruzes, o homem continuou com suas chantagens até enquanto estava preso em regime fechado. Esse aí é para ser preso e o carcereiro perder a chave da cela.

  6. JUIZ SÉRGIO MORO ILUMINE O JOSE DIRCEU PARA SAIR LOGO DA PAPUDA PARA OS BRAÇOS DA FAMÍLIA

    Tony Orlando & Dawn – “Tie a Yellow Ribbon”

    I’m comin’ home, I’ve done my time
    Now I’ve got to know what is and isn’t mine
    If you received my letter telin’ you I’d soon be free
    Then you’ll know just what to do if you still want me
    If you still want me

    CHORUS:
    Tie a yellow ribbon ‘round the old oak tree
    It’s been three long years
    Do you still want me?
    If I don’t see a yellow ribbon round the old oak tree
    I’ll stay on the bus
    Forget about us
    Put the blame on me
    If I don’t see a yellow ribbon round the old oak tree

    Bus driver, please look for me
    ‘Cause I couldn’t bear to see what I might see
    I’m really still in prison, and my love she holds the key
    A simple yellow ribbon’s what I need to set me free
    I wrote and told her please:

    REPEAT CHORUS
    Now the whole damned bus is cheerin’
    And I can’t believe I see
    A hundred yellow ribbons ‘round the old oak tree
    (Tie a ribbon ‘round the old oak tree)
    (Tie a ribbon ‘round the old oak tree)
    (Tie a ribbon ‘round the old oak tree)
    (Tie a ribbon ‘round the old oak tree)

    Amarre Uma Fita Amarela Em Torno da Arvore de Carvalho

    Eu estou voltando para casa, cumpri minha pena
    Agora eu preciso saber se você ainda me quer
    Se você recebeu a minha carta dizendo que eu iria ser libertado em breve.
    Então você saberá exatamente o que fazer se você ainda me quer.
    Se você ainda me quer

    Refrão:
    Oh! Amarre uma fita amarela em volta do velho carvalho.
    Já faz três longos anos de separação.
    Você ainda me quer?
    Se eu não avistar uma fita em volta do velho carvalho.
    Vou ficar no ônibus.
    Esquecerei tudo sobre nós.
    Pois a culpa foi toda minha.
    Se eu não avistar uma fita amarela envolta do velho carvalho

    Motorista, por favor, olha para mim.
    Eu não suportaria não poder vê-la novamente. Eu ainda estou preso.
    E só o meu amor tem a chave da porta.
    Uma simples fita amarela é tudo que eu preciso para me sentir livre.
    Eu escrevi e pedi e lhe supliquei

    Repetir o refrão
    Agora todos no velho ônibus estão aplaudindo.
    E eu não posso acreditar que eu vejo.
    Mais de cem fitas amarelas.
    Em volta do velho carvalho. Eu estou voltando para casa

  7. ” Burrismo ” seria uma mistura de burrice com cinismo ?
    ” Eduardo de Oliveira e Silva, irmão de José Dirceu, admitiu à Polícia Federal que recebia pagamentos mensais de R$ 30 mil em dinheiro, em espécie, do lobista Milton Pascowitch. Ele afirmou, porém, que desconhecia a origem do dinheiro ou o motivo dos pagamentos, conforme o despacho.

    “Também admitiu aparentemente que pagamentos efetuados por empreiteiras após a condenação de José Dirceu não teriam sido efetuados a título de consultoria, como anteriormente afirmava a empresa JD em sua defesa, mas a título de “auxílio”.”, cita o juiz.

    Roberto Marques, que foi assessor de Dirceu, também admitiu à PF que recebia R$ 30 mil por mês, em espécie, do escritório de José Dirceu. Os pagamentos eram feitos a título de “ajuda financeira”, segundo o depoimento, e duraram 35 meses. Ele negou relação com os crimes.
    ( Fonte G1 )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *