Aécio diz no Senado que PSDB tem direito à auditoria do TSE

Aclamado no Congresso, Aécio se emocionou ao cantar o Hino Nacional

Maria Lima e Júnia Gama
O Globo

Ao chegar ao Senado aclamado por militantes e servidores tucanos, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teve dificuldades para ir até o plenário da Casa pela quantidade de pessoas que o cercavam, gritando seu nome. Antes de entrar, afirmou que a mobilização por melhorias não terminou com o resultado da eleição. Devido ao tumulto, o senador adiou um pronunciamento que faria hoje na tribuna da Casa para esta quarta-feira.

– Agora sendo recebido desta forma no Congresso Nacional, o Brasil despertou, o Brasil hoje é um Brasil diferente do Brasil antes da eleição. Emergiu um Brasil que quer ser protagonista da construção do seu próprio futuro. As pessoas não deixaram de estar mobilizadas a partir do resultado da eleição. O que eu percebo é o contrário. Pessoas continuam emocionadas, continuando querendo construir um futuro melhor para suas famílias e para seus filhos. Essa é uma mobilização inédita na nossa história contemporânea.

— O departamento jurídico do PSDB entendeu que era legitimo entrar com o pedido de auditoria nas urnas e nos boletins de apuração, pela forma como foi feita a totalização dos resultados. Não queremos mudar o resultado da eleição. Mas é legítimo ter acesso a totalização e boletins de urnas. É um direito de todos. Até porque se fosse o PT o derrotado, também ia pedir. É uma contribuição que estamos dando á transparência do processo no TSE — disse Aécio, que cantou o Hino Nacional junto com os militantes que o recepcionavam.

 

 

18 thoughts on “Aécio diz no Senado que PSDB tem direito à auditoria do TSE

  1. BEM VINDOS OS NOVOS CRÍTICOS DAS URNAS ELETRÔNICAS

    Há quase 20 anos desde que o sistema eletrônico de votação foi implantado, em 1996, o Pdt de Leonel Brizola vem denunciando a vulnerabilidade das urnas e até projetos de lei apresentou propondo impressão dos votos para possibilitar auditagens dos resultados eleitorais. Poucos ou quase ninguém, além de técnicos especializados da área ou mesmo acadêmicos e professores da Universidade de Brasília, davam ouvidos à tese de que as urnas eletrônicas são efetivamente inseguras.

    Depois de proclamados os resultados não há previsibilidade de recursos e mesmo os que forem protocolados morrem no âmbito da própria Justiça Eleitoral, isto vale para as eleições presidenciais (dois turnos) ou de quaisquer outras (governadores, senadores e deputados). As cúpulas do PSDB sabem disso e foram coniventes endossando esse sistema contra o qual agora se voltam com pretensão direcionada a tumultuar o campo político depreciando a reeleição de Dilma Rousseff. Por quê não falam da reeleição de Geraldo Alckmin e outros?

    Se há estudos concluídos por especialistas em informática afirmando que o sistema é falho e uma vez proclamados os resultados, por outro lado, não há previsão legal para recontagem dos votos, que afinal tanto podem ter beneficiado petistas quanto tucanos assim como favorecido ou prejudicado outras legendas na disputa, seria bem mais coerente rever essas regras impostas, denunciando-as ao mundo! Do contrário, da forma como agem, a coisa não passa do terreno das especulações e do oportunismo político e tudo seguirá como antes.

  2. O Aécio está perdendo uma oportunidade histórica concomitantemente com esse pedido de auditagem de totalização do resultado das urnas, batalhar pela supressão imediata do nosso sistema de urna eletrônica, por um mais moderno que acate o voto impresso para deposição em urna. Agindo assim, visando as eleições futuras, estaria fazendo um bem danado para o Brasil.
    No entanto, mesmo sabendo que não vai dar em nada, ele insiste no pedido de auditagem. Não vai prosperar simplesmente por suas eminências do Justiça Eleitoral vão dizer que a legislação não acolhe tal pedido. Acorda, Aécio, apoie ou tome a iniciativo de apresentar um abaixo assinado de um projeto de lei, que acabe de vez com essa urna eletrônica, desmoralizada no mundo inteiro, isso sim, pois a Índia que adotava o sistema brasileiro, o rechaçou. Lá tal feito foi realizado pela Alta Corte daquele país, aqui é simplesmente impensável fazê-lo pela simples razão de que todos os partidos se cevam do sistema.

  3. O comentário acima, de “net”, envia uma idéia para Aécio e à oposição muito interessante e válida:
    A extinção da urna eletrônica.
    A frágil oposição não deveria se dedicar à auditoria do pleito último passado, pois não encontrará guarida no TSE.
    No entanto, se der início no Senado ou Câmara para ser abolido esse sistema que gera tanta desconfiança no eleitor, que se fortaleça ao lutar para que seja modificada esta prática atual.
    Ótima idéia, “net”.

  4. Como é que o Aécio ou o PSDB vão querer suspender a votação pelas urnas eletrônicas, se em São Paulo com toda a falta de água o PSDB venceu com as mesmas urnas e já está no poder a trocentos anos, desde que foram instaladas as atuais urnas?
    O Aécio está jogando para a platéia, os “comandantes” do PSDB são contra esse choro de perdedor. Querer discutir sobre as urnas eletrônicas eu acho até válido, pois, o Brizola já questionava isso a anos e nunca vi uma linha de nenhum membro do PSDB ser a seu favor, mas, fazer disso uma desculpa por ter perdido, é feio

  5. O ótimo cartunista Latuff publicou uma charge bem significativa no site do PCB: um bilionário sentado no alto de um trono. E a estrelinha do PT e o Tucano do PSDB engraxando os sapatos do milionário, enquanto este declara: “Calma garotos não briguem… preciso dos dois”. Tanto a estrelinha quanto a ave, cara de raiva, concorrem para saber quem serve melhor ao grande capital.

  6. Fernando Henrique Cardoso foi presidente por dois mandatos consecutivos,de 1995 a 1998, e de 1999 a 2002. As urnas eletrônicas começaram a funcionar em 1996. Então a reeleição de FHC foi a primeira eleição para presidente em que as urnas eletrônicas foram utilizadas. Veja você. Foi também a primeira eleição que passou a valer a reeleição.
    Motivo para os tucanos não mexer com urna eletrônica é porque o primeiro presidente eleito pela urna eletrônica foi FHC. Mira. Urna eletrônica e reeleição. FHC e tucanos. Aí tem . Desculpe o termo ,mas os espertíssimos tucanos não vão querer mexer em cocô seco.

  7. É muito suspeito a coincidência, urna eletrônica e reeleição na mesma eleição. FHC pode ter tramado para ficar mais 4 anos para consolidar a entrega do patrimônio público, e nas agencias reguladoras, fortalecer a fórmula do fiscalizado indicar o fiscalizador.

  8. Vou acrescentar uma parte do discurso do Aécio, hoje no senado, que obviamente O Globo esconde:

    “O tucano, derrotado nas urnas, rejeitou qualquer iniciativa antidemocrática ou tentativa de impeachment da presidente. “Respeito a democracia e qualquer utilização dessas manifestações no sentido de qualquer tipo de retrocesso à democracia terá a nossa mais veemente oposição. Fui o candidato da liberdade, da democracia”, declarou Aécio já dentro do Senado.”

    • Caro Gilson, muito bem lembrada esta declaração do senador mineiro, diga-se de passagem muito elogiosa. Os propagadores do golpismo devem ter ficado ainda mais enfurecidos ao constatarem que seu ex-candidato discorda deles. Vale destacar que o governador Geraldo Alkimin foi o primeiro a declarar também seu repudio a esta iniciativa anti-democrática.

  9. Nossa, o Corruptola do Metrô foi trabalhar hoje no Senado..???
    Por isso que voltaram ás chuvas em São Paulo…..
    E continuas como bom franco-tucanalha-suiço a vomitar mentiras.
    eh!eh!eh

  10. Realmente ao ver o Aécio tive certeza o mesmo estava no delírio extremo,parecia que estava no Leblon.Desculpe, líder tem que ter carisma e o Aécio não tem nenhum.Ele tem que entender que mais da metade do eleitorado não queria ele de jeito nenhum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *