Aécio Neves vendeu uma rádio à irmã e seu patrimônio triplicou depois de 2014

Resultado de imagem para aécio e andrea

Por causa de Aécio, Andréa já foi parar na prisão

Reynaldo Turollo Jr. e Rubens Valente
Folha

Documentos da Receita Federal revelam que o patrimônio declarado do senador Aécio Neves (PSDB-MG) triplicou após a eleição de 2014, quando foi derrotado por Dilma Rousseff (PT). O salto foi de R$ 2,5 milhões em 2015 para R$ 8 milhões em 2016.  O crescimento é resultado de uma operação financeira entre Aécio e sua irmã Andrea Neves envolvendo cotas que o senador detinha em uma rádio, a Arco Íris, da qual foi sócio durante seis anos.

A quebra do sigilo fiscal do tucano foi ordenada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em uma ação cautelar que corre paralelamente ao inquérito que investiga o parlamentar por ter pedido R$ 2 milhões ao dono da empresa de carnes JBS, Joesley Batista. A Folha teve acesso aos documentos da investigação.

DÍVIDA COM A MÃE – Metade dos recursos foi rastreada pela Operação Patmos, um desdobramento da Lava Jato no STF, que levou à prisão de Andrea, braço direito de Aécio quando ele governou Minas Gerais (2003-2010). Ela foi solta em junho.

Nas eleições de 2014, Aécio declarou ao TSE que suas cotas na Arco Íris, afiliada da Jovem Pan, valiam R$ 700 mil, na forma de uma dívida que mantinha com a antiga dona, sua mãe. Por dois anos, em 2014 e 2015, o tucano também declarou à Receita R$ 700 mil, conforme as cópias das declarações de Imposto de Renda agora em poder do STF.

Em setembro de 2016, Aécio decidiu vender suas cotas à outra sócia na rádio, Andrea. Ao realizar a operação, o senador declarou ao Fisco que elas valiam R$ 6,6 milhões, quase dez vezes mais do que um ano antes.

DÍVIDA PERDOADA – Ao mesmo tempo, a mãe de Aécio perdoou a dívida com o filho. Os mesmos R$ 6,6 milhões foram declarados por Andrea em seu Imposto de Renda — cujo sigilo também foi quebrado pelo STF.

Aécio declarou que vendeu as cotas em 48 prestações, incluindo uma primeira parcela de R$ 380 mil.

Uma especialista em contabilidade ouvida pela Folha sob a condição de não ter o nome publicado disse que uma análise mais detalhada sobre o negócio na rádio impõe acesso aos balanços da emissora, para saber como se deu a grande valorização das cotas em tão pouco espaço de tempo. A PGR (Procuradoria-Geral da República) não pediu a quebra do sigilo fiscal da emissora.

QUESTIONAMENTO – A saída do senador da empresa coincide com um crescente questionamento sobre a legalidade da propriedade de rádios e TVs por parlamentares federais. Para o Ministério Público Federal, a posse afronta a Constituição.

O patrimônio declarado de Aécio, 58, incluía em 2016 um apartamento em Belo Horizonte, com valor apontado pelo senador de R$ 222 mil, outro no Rio (R$ 109 mil), lotes em Nova Lima (MG) e metade de uma fazenda de 81 hectares em Cláudio (MG).

Andrea, 59, declarou em seu nome três apartamentos no Rio: um na avenida Vieira Souto, de R$ 1,7 milhão, um na avenida Atlântica (R$ 1,8 milhão) e outro na rua Prudente de Morais, em Ipanema (R$ 400 mil), além um apartamento e casas em Minas.

FONTE DE RENDA – Os dados da Receita revelam que a rádio era a principal fonte de renda dos irmãos. Somente de 2014 a 2016 (período abrangido pela quebra de sigilo), Aécio recebeu R$ 3,1 milhões a título de lucros e dividendos não tributáveis, o triplo do que obteve do Senado como salário no mesmo período (R$ 1 milhão).

Os dados eram desconhecidos do eleitorado porque por lei os candidatos precisam declarar ao TSE, no ato de registro da candidatura, apenas bens, não rendimentos.

O advogado de Aécio Neves, Alberto Toron, disse que os R$ 6,6 milhões obtidos pelo parlamentar com a venda da rádio Arco Íris foram calculados “com base no critério de valor de mercado”.  Segundo ele, valor anterior, de R$ 700 mil, fora “fixado, à época, em oito vezes o valor patrimonial” das cotas.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
Já era esperado que as rendas de Aécio se tornassem um escândalo. Ele sempre usou a rádio para lavagem. Os carros de luxo que utiliza estão no nome da empresa. Quando abrirem a contabilidade da rádio, a verdade será conhecida. É sabido que rádio é um ramo que dá pouco dinheiro, basta ver a situação da outrora poderosa Tupi, que vive às custas de Garotinho. Mas nas mãos da família Neves, a rádio se tornou um negócio da China, embora tenha de pagar franquia à Jovem Pan. Por fim, se recebeu tanto dinheiro vivo da irmã, por que o senador precisou pedir R$ 2 milhões a Joesley Batista? (C.N.)

10 thoughts on “Aécio Neves vendeu uma rádio à irmã e seu patrimônio triplicou depois de 2014

  1. Após 1 ano, transposição do São Francisco já retira 1 milhão de pessoas do colapso

    Canal encheu de água reservatórios no interior de Paraíba e Pernambuco

    “A transposição chegou no momento do quase colapso.”

    No açude Areias (PE), o primeiro da transposição, as espécies pularam de 5, em 2015, para 14 neste ano.

    O monitoramento também apontou a melhoria da qualidade da água dos açudes.
    A água do São Francisco reduziu a salinidade (dos açudes), com reflexos na quantidade e na diversidade de insetos aquáticos.

    “Transposição é melhor do que barragem”, diz. “A barragem gera energia, mas e o coitado que está morrendo de sede lá no centro da caatinga?”

    https://goo.gl/VKezXr

    Os antilulistas tentam distorcer o sucesso do governo Lula, mas o povão sabe que não haveria transposição, mais médicos, cotas, minha casa minha vida, bolsa família se não fosse o operário Lula na presidência.

  2. – O primeiro a ser comido vai ser o Aécio.

    – O Aécio, rapaz… O Aécio não tem condição, a gente sabe disso. Quem que não sabe? Quem não conhece o esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB… [Machado]

    • Aécio “não ganha porra nenhuma…”, e Jucá responde: “Não, esquece. Nenhum político desse tradicional ganha eleição, não”. “O Aécio não tem condição, a gente sabe disso. Quem que não sabe? Quem não conhece o esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB…”,

  3. Em todos os municípios do Brasil existem pelos menos duas famílias que são hegemônicas na política local, que às vezes ascendem para a esfera regional, estadual e federal, e fazem das prefeituras, estados e união meio de vida, a vida inteira, tipo fla-flus locais, e o povo ignorante, quase bestial, mantido sempre na cegueira da alienação e da rivalidade histérica pelos me$mo$ e seus instrumentos, como tática de dominação e de impedimento de possível surgimento de fato novo, essas famílias, desafetas de fachada, em regime de simbiose e rodízio no poder, passam a vida inteira nas costas dos inocentes úteis, camelos e idiotas, morrendo de velhos agarrados ao erário e seus esquemas e repassando as tetas para os descendentes, que tb morrem de velhos nas tetas e toada, conforme lhes propicia o partidarismo eleitoral, o golpismo ditatorial e seus tentáculos, velhaco$, que tb vivem com as bocas nas botijas do erário, sem os quais morrem de fome porque não sabem fazer outra coisa na vida, senão achacar erário, dos quais somos todos dependentes, vítimas, reféns, súditos e escravos, e dos quais, a meu ver, só conseguiremos nos libertar com a Democracia Direta e Meritocracia Eleitoral, sob severa vigilância do conjunto da população.

  4. “… mas e o coitado que está morrendo de sede lá no centro da caatinga?” A obra é vistosa, espetaculosa, ajuda a resolver o problema crônico da seca em alguns municípios do nordeste. E como é que fica a relação custo/benefício ? Qual está sendo o custo disso ? É sustentável ? E os efeitos colaterais, os esquemas, as consequências, além da chegada da água a alguns locais ? Torrar dinheiro em obras que aparecem, que dão ibope, sem se importar com as consequências é um dos delírios da politicalha sofista e bravateira que levou o país à ruína total, ao longo dos últimos 128 anos de república 171 do partidarismo eleitoral, do golpismo ditatorial e dos seus tentáculos, velhaco$. Não seria mais viável remover ” o coitado que está morrendo de sede lá na catinga”, do que levar o rio até ele ? Isso me faz lembrar, um coronel aqui da nossa região que chegou num bairro rural do município de Itapeva e sobre um palanque improvisado junto com os seus correligionários locais e prometeu à comunidade ali reunida que daria uma ponte para o bairro, momento em que fora aparteado pelo líder da comunidade que lhe disse o seguinte: ” mas, coronel, aqui não tem rio”. E daí o coronel lhe respondeu: ” não tem problema, eu mando fazer o rio tb”.

  5. Sr. Alex Cardoso,
    É por isso, o Ladrão tem que ser sumariamente perdoado.
    Porque “deu” ao povo?
    Prezado, ter sido um bom presidente para os pobres não permite a ninguém assaltar o país, formar quadrilha e enriquecer ilicitamente.
    É incrível que vocês Lulistas fazem questão de ignorar as robustas provas.
    Acho que se o Lula assassinasse alguém, vocês fariam a mesma coisa, insistir que ele não é culpado.
    Defenderiam a tese de que a vítima se auto executou.
    E assim segue a vida insana de vocês, torcedores, atrapalhando o Brasil com suas loucuras desmedidas.
    Absolutamente nada justifica o que o Lula fez de bom.
    Repito, isso não é desculpa!
    Atenciosamen.

    • Concordo, Espectro. Se acertar em alguns pontos valer para justificar safadezas e roubalheira, todos fazem algo de bom, então todos deveriam ser perdoados. Até esse vampirão larápio Não, não e não. Cana braba para todo ladrão, na medida de seus crimes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *