Afinal, o que ganham as pessoas no Pix, num país como o Brasil? Os riscos se repetem

Invasão no Banco de Sergipe colheu os dados dos clientes

Pedro do Coutto

Qual a vantagem das pessoas físicas, no caso, os assalariados, integrando-se ao sistema de pagamentos imediatos do Pix? É uma pergunta que faço aos leitores deste site e aos especialistas capazes de traduzir a realidade, cujos efeitos francamente ainda não percebi. Só observei que as invasões de contas se repetem, como revelou ontem Clarissa Garcia em excelente reportagem na Folha de S. Paulo.

Há cerca de um mês haviam ocorrido vazamentos praticados por hackers. Agora, na última semana, através do Banco  do Estado de Sergipe, outras invasões aconteceram. Tanto assim, que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, anunciou novas medidas de segurança para o sistema. Se há necessidade de novas medidas de segurança é porque, evidentemente, as ações de proteção não funcionavam como seria de supor numa rede bancária.

VANTAGEM – Não atinei ainda qual a vantagem de pagamentos por parte de pessoas físicas através do novo mecanismo. O efeito imediato das transações somente pode interessar às empresas e aos aplicadores de curtíssimo prazo no mercado financeiro. Estes poderiam aplicar mais rapidamente quantias recebidas, incluindo os seus clientes no mercado. Mas essa rapidez sem o overnight não pode ser maior do que 24 horas. O pagamento feito por nós, assalariados, através dos cartões de débito do Itaú, do Bradesco ou do Santander, no que nos diz respeito é a mesma coisa do que pagar noturnamente através do Pix.

É possível que aplicadores atuem na Bovespa, no mercado de ganho e nas cotações do ouro. Mas tais investimentos não podem estar condicionados a transferências de valores muito pequenos como são os limitados pelo Banco Central. O especialista Victor Hugo Pereira Gonçalves, presidente da empresa Sigilo, especializada em proteção de dados, disse na reportagem que infelizmente, institucionalmente, o Banco Central e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados não têm feito nada, mas a situação é grave e requer atenção. Não está claro, dentro das regras do Pix, quais são os mecanismos de segurança adotados.

Para ele, a estrutura desenvolvida para as chaves de segurança não geram confiança, pois a estrutura demanda que cada instituição desenvolva sua parte no processo. E isso gera um risco ainda maior. Desta vez, a invasão de dados foi praticada através do Banco de Sergipe na quinta-feira, operação criminosa que obteve informações de 395 mil pessoas. Presumo que através de uma conta num determinado banco, violado o sistema de chaves, talvez seja possível aos hackers saltarem para outro estabelecimento de crédito.

CONSULTAS INDEVIDAS – O banco revelou ter detectado consultas indevidas de pessoas que não eram clientes, embora as informações tenham sido obtidas através do próprio banco. O presidente do Banco Central anunciou medidas complementares de segurança e acentuou não ter havido falha no sistema do Bacen. O hacker acessou as informações utilizando a infraestrutura tecnológica do sistema do Banese. Pessoalmente não sei se o sistema do Banco Central não tem segurança capaz de impedir o voo de hackers de um ponto para outro.

Para Roberto Campos Neto, os hackers jamais tiveram acesso direto aos diversos sistemas do Banco Central. Acrescentou que medidas de segurança complementares já foram adotadas para impedir um outro vazamento de dados. O problema, entretanto, é objeto de comentários de vários especialistas e executivos de empresas de segurança. Para Rafael Stark, presidente do Stark Bank, o vazamento foi uma falha exclusiva do Banese, e admitiu que possa ter ocorrido transmissão de informações sigilosas por parte de funcionários comprometidos.

FALTA DE SEGURANÇA – Peterson dos Santos, presidente da empresa Trio, não atribui o vazamento à falta de segurança, mas ressalta que a implantação do novo meio de pagamento ocorreu muito rapidamente. Por isso, estão aprimorando diariamente a capacidade de evitar fraudes. Logo, na minha opinião, a segurança não estava completa até a última semana. Tanto que que o próprio Bacen limitou as operações entre às 20h de um dia e às 6h da manhã do dia imediato a apenas R$ 1 mil, e também passou a poder reter operações que considerar suspeitas. Portanto, a desconfiança permanece, o que naturalmente conduz a um aumento da segurança. Assim, o Banco Central admitiu tacitamente que existiam vulnerabilidades que precisam ser bloqueadas.

Houve até o caso de sequestros de pessoas obrigadas a realizar transferências para contas indevidas. Minha pergunta permanece, qual a vantagem para os assalariados na realização de pagamentos imediatos? Sobretudo porque mais de 90% dos pagamentos realizados se destinam à empresas tanto de pequeno, quanto de média e grande porte.

GASOLINA E DIESEL –  Folha de S. Paulo, edição de sábado, destaca a preocupação que está envolvendo o Palácio do Planalto em função dos aumentos de preços da gasolina e do diesel no processo eleitoral, ameaçando seriamente  a possibilidade de reeleição do presidente Jair Bolsonaro.

O problema discutido pelo chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, está encontrando uma saída muito difícil. Isso porque, fora da Petrobras, só uma alteração na participação dos estados através da incidência do ICMS. Mas isso promoverá uma revolta em série por parte dos governos estaduais que perderiam grandes parcelas  de suas receitas. Seria um novo fator de crise que o governo teria que enfrentar na tentativa de obter recursos para o Auxílio Brasil, nova forma do Bolsa Família.

CUSTO DE VIDA – Na manhã de ontem, sábado, no programa da TV Globo, coordenado por Cissa Guimarães, a jornalista Talitha Morete fez uma brilhante exposição sobre o custo de vida e o seu reflexo no consumo de alimentos da população, impulsionado fortemente pelo aumento de preços do óleo diesel, já que o transporte de gêneros alimentícios é realizado por caminhões movidos por este combustível.

Ela exibiu uma foto publicada pelo Jornal Extra, ressaltando o acesso de pessoas famintas a ossos, peles e gorduras não utilizadas na venda de carnes pelos supermercados. Destacou o absurdo que é um país como o Brasil, maior produtor do mundo em matéria de alimentos, não consiga sequer impedir a fome de grande parte de sua população. A crise chegou a um ponto intolerável, uma vergonha nacional, uma desumanidade com a população.

O custo de vida está impedindo que uma grande parcela de brasileiros e brasileiras possam escapar do flagelo da fome e de suas consequências. A exposição de Talitha Morete, na minha opinião, constitui-se num ponto alto  divulgado através do jornalismo pela televisão.

APROXIMAÇÃO COM CENTRÃO – Numa entrevista a Fábio Zanini, Folha de S. Paulo, Flávio Dino, governador do Maranhão, afirmou que quanto mais centrista Lula for, melhor eleitoralmente será para ele. O governador disse que o ex-presidente Lula da Silva, que lidera as pesquisas para as eleições de 2022, deve continuar se aproximando do Centro para unir os votos desta corrente aos votos que lhe são destinados pelas posições de centro-esquerda.

Para Flávio Dino, o isolamento contra a candidatura de Lula deve ficar restrito à faixa da extrema-direita, cuja fração de votos não é suficiente para ameaçar a sua vitória nas urnas. A polarização entre Lula e Bolsonaro está cristalizada e, portanto, impõe-se uma coalisão dos partidos para que, seguindo a maioria do eleitorado, posicionem-se contra a política atual do Planalto.

19 thoughts on “Afinal, o que ganham as pessoas no Pix, num país como o Brasil? Os riscos se repetem

  1. Lula pode até ganhar mas não governa. Todos os dias aparecerá um “esqueleto” retirado de dentro do armário. A banda que presta do país se unirá aos lavajatistas e também aos bolsonaristas para infernizar noite e dia o Lula e o PT. Isso se não pegarem em armas que estão estocadas aos milhares ou quem sabe milhões nas casas dos “caçadores” de encrenca gratuita bolsonaristas. “Mito’!!!

    • Nem Lula nem Bolsonaro trarão o mínimo de paz ao país . Inclusive, caso um dos dois vença ano que vem, chegaremos ao CAOS! Esgarçamento total do tecido social. Guerra civil.

  2. Existem os mais diversos tipos de “negacionismo” este do Pedro Couto é apenas mais um.
    Texto completamente faccioso.
    Ou ele não sabe o que é um PIX ou está a soldo dos Bancos, ou é negacionista.
    É tão absurdo que fica difícil explicar. Além de muitas facilidades NÃO TEM CUSTO!
    Existem bandidos? Sempre existiram e continuarão existindo. Foi se o tempo de assaltarem as diligências. Do batedor de carteiras. De aposentados saindo do Banco.
    E no caso do PIX fica o registro do beneficiário.

    • PIX e demais formas de pagamento além das moedas digitais vieram para ficar. O dinheiro físico está com os dias contados em todo o planeta . O custo do transporte do dinheiro em espécie no Brasil é o mais alto do planeta por conta dos riscos. Assim como os processos em papel terminaram o dinheiro em espécie tende a desaparecer e isso acontecerá rapidamente.

      • Hoje em dia pago praticamente tudo com PIX. Até mesmo o “Rapozão” que lava o meu carro que também está com os dias contados (modelo) pois não haverá mais carros a combustão. Li hoje que a Rolls Royce anunciou o fim dos motores a combustão. Mundo em profundas transformações, aceleradas pela pandemia.

      • É muito fácil criticar os outros evidentemente. Foi o que Bolsonaro sempre fez na Câmara, a única né, porque projeto de Lei, nada. Então, o capitão reformado crítica os aumentos de gasolina e do diesel nos governos FHC, Lula, Dilma e Temer. Ao mesmo tempo, insuflava os caminhoneiros a protestar e até parar. Agora o castigo veio a cavalo, a crise dos aumentos caiu de paraquedas no colo dele. Não sabe o que faze, porque não se preparou para o mais alto cargo da República.
        A mesma coisa em relação a crise Hídrica e apagão elétrico em consequência. Quando deputado Federal atacou violentamente o governo FHC, quando o sociólogo presidente enfrentou a maior crise do setor energético da história. Por causa dessa crise elétrica, José Serra perdeu a eleição para Lula em 2022.
        Nada como um dia após o outro e uma noite de apagão no meio para atrapalhar.
        Não jogue pedras no vizinho porque a pedra pode retornar na nossa cabeça. Em termos políticos é claro.

    • O seu argumento é bem razoável e convincente. Mas sempre existe um but, e eis o meu: por que não se ouve falar de Pix nos States. Se acessarmos o Google search e procurarmos por Pix, o primeiro hit é sinônimo de picture, fotos; o segundo hit é: PIX is the system created by the Brazilian Central Bank to bring instant payments to life.
      Viu, criado pelo BC brasileiro! Nem os americanus têm isso!

  3. Nos tempos do Ronca as moçoilas brasileiras usavam perfume francês (forte e enjoativo) para ser chique; hoje, para ficar na onda, o brasileiro se tatua como gambá, pendura brinco na narina, coloca cada instante da vida no Facebook – só pra variar. E pra fazer de contas que é moderno aderiu ao Pix! (mesmo sem dinheiro para o terno).

  4. PIX1: pouco a ver com o correntista e tudo a ver com o controle do indivíduo: controlando a movimentação financeira do cidadão, o sistema controla a sua vida privada. Mais um passo rumo ao “big brother”.

    PIX2: somente as urnas eletrônicas do TSE são invioláveis, como disse o facinoroso Barroso, advogado de terrorista, também conhecido como Lulu Boca de Veludo.

  5. Antigamente os aposentados sofriam com a ‘Saidinha de Banco’ hoje a com a nova tecnologia criaram o ‘Sequestro PIX’.

    Brasil não é para principiantes.

  6. Concordo com Pedro do Couto, o PIX é vulnerável aos hachers.
    Os acessos indevidos nas contas e os golpes se multiplicam assustadoramente. Os correntistas nunca estiveram tão abandonados por essas pragas que entram nas nossas contas, fazem empréstimos, saques, compras, etc..
    E ainda têm as chantagens e um mundo aberto ao charlatanismo, que impera nesse Brasil sem lei. Quando a conta zera, o lesado pelos hachers passa por uma via crucis para provar a falha do sistema financeiro. Nossos dados bancários estão expostos pelos bandidos e os Bancos privados e públicos não fornecem ao correntista a segurança adequada.
    E ainda tem a tal da pirâmide financeira do Biticoin.
    Banco Central inerte. Estamos desprotegidos completamente.

  7. Essa foto do caminhão carregado de osso sendo distribuído aos cidadãos carentes, publicado pelo Jornal Extra correu o mundo e expôs a desigualdade social, que cresceu exponencialmente no governo Bolsonaro. Antigamente, principalmente há 60 anos atrás, os açougues distribuíam os ossos para os proprietários de cães.
    Cansei de comprar a mando do meu pai no açougue aqui no Rio, para ele colocar no angu.
    Aumentou o percentual de pedintes nas ruas, por comida e qualquer dinheiro. Está difícil a vida para os mais pobres. Alguém vai retrucar: ” mas, sempre foi assim”. De fato, não têm como negar essa evidência, claro no entanto, que aumentou muito com a condução da Economia na gestão Guedes, cuja única ação na Pasta ministerial é discursar nas plateias da Elite de São Paulo, chutando para cima suas projeções, que nunca dão confirmadas:
    Economia decolando em V,
    Com as reformas, vamos economizar 1 trilhão em 10 anos,
    Vamos privatizar tudo e com o dinheiro arrecadado vamos distribuir para os pobres.
    São tantas pedaladas verbais, que acabamos esquecendo as barbaridades populistas cometidas.
    Um dia, tudo que ele fez virá a tona, mas, não vai adiantar nada o estrago já foi feito.

  8. Quanto ao seu último parágrafo mestre Pedro, reconheço, que hoje, o cenário indica a polarização, entre Lula e Bolsonaro. Amanhã e próximo da eleição em outubro de 2022 poderá ser diferente. O Centrão não tem ideologia, logo migra para quem tem condições de ganhar.
    Se a eleição fosse hoje, Bolsonaro ficaria fora do segundo turno.
    Por essa razão, os dois ideólogos do atual governo, Bolsonaro e Guedes, este liberal que está jogando a toalha da Escola de Chicago de arrocho fiscal e corte de gastos públicos, vem acenando com a continuidade do auxílio emergencial, que ele era contra no início da Pandemia e agora que está cedendo, já falou que terá continuidade e que ainda planeja um reforço do Bolsa Família, com outro nome é Claro, me parece Bolsa Brasil.
    Vem aí, também o Vale Gás, com subsídio de 50 por cento. Dos atuais 120 reais por botijão, cairá para 60 reais. A galera está indo a loucura de satisfação com o mito.
    A Ditadura Militar criou o PIS, Sarney criou o Vale Leite, FHC o Bolsa Escola e LULA o Bolsa Família.
    Não se preocupam com Educação, Saúde, Cultura, geração de emprego, que dá dignidade ao trabalhador. Querem dar benefícios, sempre um ano antes das eleições, para receber o voto em troca. É o famoso toma lá dá cá. Vergonhoso. É tudo igual, isso daí não muda.
    E lá nave vá, fellinianamente, nessa amarga vida, que pretendemos Doce, mas,nos governantes só pensam neles e nas suas contas bancárias e benesses com dinheiro público.

  9. Que tal inventar também o Paypal? O Brasil é o tal – inventa tudo o que já foi inventado e inventa até o que pode ser comprado a preço de banana:
    o ministério da Ciência e Tecnologia resolveu apadrinhar uma pesquisa universitária para combater a covid! Afinal, convenhamos, os mestres e doutores da tal faculdade precisavam de teses. E assim “vamos caminhando e cantando e seguindo a canção…”

    • Prefiro não ter cartão que seja débito e crédito num só. Neste último com limite bem baixo. Celular evito de sair… À noite, só ando com aquele sem app de banco.

  10. Banco Central oferece ao cidadão o seu controle financeiro de tudo o que envolve relacionamento com bancos ou instituições de crédito: Registrato. O governo sabe tudo (ou quase!) da nossa vida financeira.

    O PIX apenas facilita o dia/dia do correntista, mas embora trabalhe numa instituição bancária, não preciso, obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *