Agência de risco Moody’s rebaixa a nota do Brasil

Deu em O Tempo

A agência de classificação de risco Moody’s Investors Service rebaixou nesta terça-feira (11) o rating dos títulos do Brasil de Baa2 para Baa3 e também alterou a perspectiva do rating para estável de negativa.

Apesar do rebaixamento, o Brasil permanece dentro do grau de investimento – mas no último degrau que garante ao país o selo de bom pagador da sua dívida.

A nota de um país funciona como um “certificado de segurança” que as agências de classificação dão a países que elas consideram bons pagadores.

JUSTIFICATIVA

No relatório da Moody’s, divulgado nesta terça, ela aponta dois fatores para a mudança do rating:

1. O desempenho econômico mais fraco que o esperado, a tendência de alta das despesas do governo e a falta de consenso político sobre as reformas fiscais impedirão as autoridades de atingir superávits primários elevados o suficiente para conter e reverter a tendência de aumento da dívida este ano e no próximo, além de desafiar sua capacidade de fazê-lo depois.

2. Como consequência, a carga de endividamento do governo e a comportabilidade da dívida continuarão a deteriorar significativamente em 2015 e 2016 em comparação com as expectativas anteriores da agência de rating, para níveis substancialmente piores que os de outros pares do Brasil com classificação Baa. A Moody’s espera que o crescente endividamento só estabilizará no fim do governo atual.”

VISÃO POSITIVA

Ainda em seu relatório, a Moody’s diz que “o Brasil apresenta uma série de vantagens com relação ao seu crédito que está refletida no rating Baa3”: “a habilidade de suportar choques financeiros externos tendo em vista as abundantes reservas internacionais; o balanço patrimonial do governo com exposição relativamente limitada à dívida em moeda estrangeira e a títulos de dívida em poder de não residentes quando comparado com seus pares; assim como uma economia grande e diversificada”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGO governo brasileiro é um fracasso, não há dúvida. Mas está havendo um exagero no rigor das agências de risco. Comparar o Brasil com nações tecnicamente falidas, como Grécia e Venezuela, chega a ser uma piada. (C.N.)

5 thoughts on “Agência de risco Moody’s rebaixa a nota do Brasil

  1. Caro CN, a situação de Grécia e Venezuela são bem piores. A classificação destes países ronda CCC e Caa3 para S&P e Moody’s respectivamente, as piores classificações. Brasil ainda se encontra em grau de investimento “qualidade média” em ambas agências.

  2. os juros são bestiais; o nó aí está. Se a inflação cai foi porque aumentaram as taxas, se continuar subindo é porque elas ainda não subiram o suficiente. Precisam ser mais corajosos, acreditar na melhora de produtividade, que investimentos em infraestrutura terão retorno; essa chantagem não pode continuar. O país de 2008 não era tão bom o quanto parecia, mas o de 2015 não é tão ruim o quanto querem fazer parecer.

  3. Agências de precificação da jogatina especulativa.

    Ajuste fiscal de verdade: parar de desviar, superfaturar, fazer da política um teatro ridículo e irresponsável e se endividar e jurar loucamente…

    Nesse desajuste, delegados, procuradores, ministros e magistrados já garantiram o seu.

    Só quem tem poder de barganha pode acessar a área VIP da cobertura que fica acima do elevado teto constitucional.

    Viva o auxílio moradia para magistrados!

    Viva a nova LOMAN!!

    Abaixo os oreia seca que querem reajuste da inflação!!

    Quem pode phode, quem não pode balança e sacode…

  4. Apesar de mantermos o grau de investimento o Banco Central já está praticando juros de país com alto risco de calote da dívida. E ponto final.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *