Ala militar precisa conter Paulo Guedes, antes que ele venda o Brasil por 30 dinheiros

Resultado de imagem para roberto castello branco + valor

Castello Branco quer privatizar a Petrobras e extinguir o BNDES

Carlos Newton

Os militares que assessoram o presidente Jair Bolsonaro precisam fazer com que ele entenda que de nada adianta a independência político-territorial do país, enquanto não existir independência econômica. Na verdade, o maior risco que o Brasil corre na gestão atual é justamente  perder a independência econômica, caso a equipe conduzida pelo ministro Paulo Guedes não venha a ser contida pelo chefe do governo.

Não é possível permitir que Paulo Guedes continue a desfrutar de autonomia completa, porque ele confessadamente não atua tendo por base os interesses nacionais. Agora mesmo, em Davos, o czar da economia defendeu a abertura das concorrências do governo à participação das empresas internacionais que nem estejam operando no país.

“BUY AMERICAN” – A tese que Guedes adota na filial Brazil desmoraliza completamente as práticas adotadas pela matriz USA. Basta lembrar que, para sair da Grande Depressão, em 1933 o governo Herbert Hoover aprovou no Parlamento o “Buy American Act”, uma legislação altamente protecionista, que o governo Ronald Reagan aperfeiçoou em 1983, ao estabelecer preferência ao uso de materiais produzidos no país em quaisquer aquisições para o setor de transporte de massa, financiadas pelo menos em parte por fundos federais.

Aqui no Brasil, Guedes quer fazer o contrário e desprestigiar o produto Made in Brazil. Nessa iniciativa nada patriótica, ele conta com apoio irrestrito da quase totalidade de sua equipe, especialmente do economista Roberto Castello Branco, que preside a Petrobras e diz que todos os ativos dele são privatizáves.

Doutor pela Universidade de Chicago, amigo pessoal e ex-sócio de Paulo Guedes, de quem desfruta total intimidade, no ano passado Castello deu declarações estarrecedoras a Bruno Rosa e Ramona Ordoñez, de O Globo. Revelou seu “sonho” de pôr fim a todas as empresas estatais e defendeu até a extinção do BNDES aqui na filial Brazil, esquecido de que a matriz USA não revela a menor intenção de vender suas estatais. Aliás, Inglaterra, Suécia, Japão, Coreia do Sul e muitas outras nações também não pretendem fazê-lo.

MUITO ESTRANHO – Não cabe ao presidente da Petrobras fixar a política estratégica do Ministério de Minas e Energia nem dar declarações a respeito. A fixação dessas diretrizes é atribuição direta da Presidência da República e está acima da competência do próprio ministro – no caso, o almirante Bento Albuquerque, que tem se mantido discreto.

Roberto Castello Branco, no entanto, se comporta de modo inoportuno, inconveniente e impróprio. Seria uma espécie de porta-voz informal do presidente Bolsonaro? Estaria falando em nome do ministro Guedes? Ou trata-se mesmo de um caso de internação?

Além disso, é muito estranho que ele venha a defender a extinção do BNDES, um banco de fomento criado por Getúlio Vargas em 1952 e que se mostrou importantíssimo na industrialização do país. Era o maior banco de desenvolvimento do mundo, até ser superado por sua versão chinesa, o CDB (Banco de Desenvolvimento da China), criado em 1994 à imagem e semelhança do BNDES, depois que um grupo de economistas chineses visitou o Brasil.

SIGAM EM FRENTE – Paulo Guedes fala mal dos banqueiros, mas não é para valer. Na semana passada, até disse que a alternativa à sua política econômica será “o Brasil continuar dominado por seis bancos e seis empreiteiras”.  Na prática, está em pleno desenvolvimento sua armação para beneficiar os banqueiros (via reforma da Previdência e extinção do BNDES), e tudo é feito às claras, sem subterfúgios.

Se os militares não percebem essas verdades, então sigam em frente, privatizem a Previdência, vendam todas as estatais, especialmente a Petrobras, que está no quarto lugar no ranking da produtividade do setor, e acabem logo com o BNDES, entreguem o país a Guedes e seus áulicos, mas nada mudará, a dívida pública continuará crescendo e o país desmoronando. Podem apostar.

###
P.S. 1 –
  As soluções de Guedes são patéticas. Em Davos, se empolgou e propôs o Imposto do Pecado, para aumentar a tributação de cigarro, bebidas e doces. Além disso, quer proibir o aumento do salário mínimo com base da elevação do PIB, limitando o reajuste à inflação. No dia em que propuser imposto sobre maconha, cocaína e anfetamina, talvez percebam que ele está doente e precisa de tratamento.

P.S. 2 – Sinceramente, já houve tempo em que o Brasil era um país radiante e progressista. Agora, sob novo governo militar (desta vez, eleito democraticamente…), arrisca-se a se tornar novamente uma colônia. Não dá para entender. Isso tudo é muito estranho. (C.N.)

33 thoughts on “Ala militar precisa conter Paulo Guedes, antes que ele venda o Brasil por 30 dinheiros

  1. No interior de SP, quando o prefeito eleito nomeia o seu secretário de finanças, sempre escolhido a dedo, o meio político e a praça local, onde todos se conhecem desde criancinha, fica sabendo de antemão se o governo estabelecido é honesto, ou ladrão, de boas e sadias intenções e práticas, ou de más e nefastas segundas intençõe$ a serem praticadas, tudo sob o manto aparente da inquestionável probidade administrativa, e só depois da roubalheira é que se tornam conhecidos os modus operandis dos esquemas dos mesmos.

    • A preocupação quanto ao incerto e instável futuro que se abate sobre milhões de empregados ativos e aposentados e seus dependentes diretamente atingidos por essas “promessas” é suficiente para lembrar Paulo Guedes como terrorista e portador de armas mais mortais que as usadas por Collor.
      O terror, mata!

  2. Uai, quais são as estatais americanas a que o sr Newton se refere? Até o O banco central deles é composto por diretores de bancos (todos os bancos são privados). O presidente da república só indica o diretor-geral.
    Seu Newton, Estatal quer dizer puxadinho de políticos, cabide de empregos para canalhas bem conectados.
    Respectfully, Sapo.

  3. Sr. Newton;
    FHC prometeu acabar com a era Vargas.
    Como ele era muito cauteloso, deu só pequenos passos.
    Parece que Guedes vai realmente acabar com a herança Vargas ( se o Capitão não atrapalhar).
    Caro Newton; pra nós ( contribuintes), não vem ao caso a nacionalidade do dono da Empresa. Queremos empregos e produtos com preços acessíveis. O que a era Vargas não proporcionou.

    • Talvez se quiséssemos trabalho ao invés de emprego não necessitaríamos de patrões estrangeiros e parássemos de criticar quem produziu algo no passado.
      Hoje temos um mandatário narcisista que vive querendo parecer craque para a assistência, mas sequer entra em campo. O que anuncia num dia, desmente no outro.
      E tem adeptos que pensam ser torcedores de time de futebol.

  4. O problema verdadeiro e grave deste país é ser socialista*, que disso exige obrigatoriamente, como qualquer país com esse regime, possuir uma máquina estatal gigantesca e poderosa, extremamente cara e até por isso corrupta, o que eleva o custo do país para o povo e para as empresas com impostos abusivos e seu excessos de regulamentos trabalhistas,etc, para sustentá-lo. Com isso e mais algumas a produção encarece, o que a inviabiliza para concorrer no mercado externo, que é o que faz um país trilhar os caminhos da riqueza.

    Quanto a essa conversa de 30 dinheiros, expressa apenas afetação emocional advinda das falácias do próprio socialismo. da esquerda.
    Todos sabemos do que os políticos , principalmente da esquerda fazem com a estatais , quando no poder. Ao contrário dos sem ideologias, que apenas roubam para uso pessoal , o que ela também o faz, ela também pretende usar parte do roubo para seus fins políticos , que sabemos pelos governos passados , queriam transformar o Brasil numa Cuba como o fez a Venezuela.

    *O socialismo deste país foi implantado por Getúlio em 35, inspirado no socialismo-fascista da Itália de Mussolini.
    Como se sabe, o que caracteriza um país socialista é seu estado com poder total sobre a economia, estatal como no comunista e semi-estatal como o foi na Alemanha nazista e na Itália de Mussolini.

  5. Excelente artigo,
    Deveria ser primeira página de todos os jornais.
    Alguns países para serem dominados, precisam que o mais forte o invada e o domine a força. Outros mui amigos não há necessidade de domina-lo a força, é mais fácil e econômico dominar toda a sua economia.
    O dia em que um país tiver todas suas empresas básica, estratégicas e de utilidade públicas em poder das multinacionais, o governo não tem como barganhar, transacionar e o país ficará entregue aos desejos das empesas estrangeiras.
    Bolsonaro escolheu a grande maioria de seus ministros à sua semelhança: despreparados e na mesma linha ideológica.
    Um governo e seus comandados, que não tem capacidade de enfrentar e resolver os problemas nacionais, partem para o lado mais fácil vender todo o seu patrimônio, para arrecadar dinheiro atentando contra o futuro do país.
    Isso aconteceu no governo FHC em que o dinheiro arrecadado da venda das estatais saiu pelo ralo, e a dívida pública continuou aumentando.

    • Jacob,

      Perfeito o teu comentário.

      Assim como a ideologia seguida pelo PT nos arrasou como país e com o povo, a radicalização de Bolsonaro indica que poderá acontecer o mesmo dano ao Brasil igual aos seus antecessores.

      Indiscutivelmente, a situação piora a cada dia.
      E não se trata de pessimismo, mas de constatação.

      Forte abraço.
      Saúde.

      • Caro Bendl,
        Tens toda a razão, o PT com Lula na cabeça destruíram o Brasil através da ladroagem. E, Bolsonaro com Guedes. de maneira diferente também estão destruindo o Brasil. Se nos três anos que faltam de governo, Bolsonaro continuar nessa linha, pode ser mais prejudicial ao Brasil que o Lula. que a meu ver trata-se de segurança nacional.
        Um grande abraço

  6. Newton você está iludido em achar que ainda há setores nacionalistas nas Forças Armadas. Isso acabou há muito tempo, desde que Geisel rompeu o Acordo Militar Brasil – Estados Unidos em 77. Assim como não há mais direita nacionalista na sociedade civil brasileira desde Aureliano Chaves. Babau, ficou perdida no tempo, hoje a onda neoliberal globalizante engoliu tudo.

    • Prezado Alverga,

      Recentemente postei comentários contundentes contra as FFAA sobre a sua omissão e irresponsabilidade quanto à corrupção, que segue sólida e poderosa no Brasil.

      Portanto, concordo contigo a respeito desta ausência nacionalista entre os militares ou a falta escancarada de defesa dos interesses e conveniências do povo e país.

      O Brasil está multifacetado, sem união, sem coesão, sem mais qualquer resquício do bem comum.
      As castas dos parlamentares, magistrados, Ministério Público, Tribunais de Contas estaduais e federal, FFAA, com exceção dos professores, policiais, policiais militares, agentes de saúde e penitenciários, garantiram seus ganhos e privilégios, logo, a população que se dane!

      Abraço.

  7. Mises Institute

    O estrondoso resultado da eleição britânica explicitou ainda mais uma tendência que já vem ocorrendo ano após ano em muitos países: a esquerda socialista não tem nenhum futuro viável nos países mais desenvolvidos do mundo.

    Ela se tornou inócua, e até mesmo uma presa fácil, pois não tem mais pensamento próprio; está morta do pescoço para cima. Sua visão econômica é antiquada, inviável e impopular. Só se resume a chavões e a xingar quem discorda (racista, sexista, fascista, patriarcal, homofóbico etc.)

    O único programa que ela tem a apresentar é a defesa daquela velha ordem que se resume a mandar e controlar.

    A esquerda nada tem a oferecer em termos de esperança para um futuro mais pujante. Ao contrário: tudo o que ela tem a oferecer é o mesmo e velho ressentimento de classe, mais confisco e redistribuição de renda, mais estatizações de indústrias, mais poderes aos sindicatos (principalmente dos funcionários públicos), e a inflexível defesa de mais impostos.

    Acima de tudo, a ideologia esquerdista de hoje insiste que devemos confiar no governo (mas só no governo comandado por eles, é claro). E isso é fatal para suas aspirações.

    Quando políticos progressistas atacam os ricos, defendem mais dinheiro para programas governamentais, exigem mais regulações e controles sobre o setor privado, atacam os mercados financeiros, e defendem mais “coisas gratuitas”, o povo imediatamente percebe a armadilha: implantar tudo isso significa *colocar mais poder nas mãos do estado (políticos e burocratas)*.

    Eis a escolha fundamental que nenhuma retórica elegante pode mudar: ou nós confiamos na sociedade, na livre iniciativa e nos mercados (consumidores, investidores e produtores) para nos gerenciarmos a nós mesmos, ou entregamos ainda mais poderes apolíticos e burocratas para que eles utilizem de força e coerção contra nós.

    Esta é, em última instância, a realidade que desmascara todos os defensores do socialismo. O coletivismo de esquerda não é um meio de melhorar a sociedade; ele é, isso sim, um meio de se transferir poder das pessoas que estão fora do governo para as pessoas que estão dentro do governo.

    E a esquerda simplesmente ainda não entendeu a mais premente realidade política da nossa era: poucas pessoas no mundo desenvolvido confiam nos governos.

    Se toda a sua ideologia se resume a dizer às pessoas que elas devem confiar no governo e devem acreditar que ele fará coisas gloriosas, você está encrencado.

    Para culminar, a esquerda erra totalmente o diagnóstico do real ressentimento do povo: não é contra empreendedores e capitalistas ricos, mas sim contra impostos, burocracias, regulações, proibições, planos arrogantes feitos por burocratas para serem implantados de cima para baixo, promessas de belos programas estatais que, no final, serão manipulados por grupos de interesses etc.

    Não seria desarrazoado dizer que a esquerda progressista está acabando. Mas o que dizer de sua hegemonia na grande mídia e na academia?

  8. Meu Deus do céu, este governo está mesmo fadado ao fracasso. O único ministro com credibilidade neste governo é o tempo todo constrangido a pedir a conta, mais um pouco e a mulher dele vai chegar e dizer : é o emprego ou eu. Aí a casa vai cair porque o ministro não vai perder a família por causa de um governo ruim. Estamos pessimamente servidos de ministros, mais um pouco e este governo consegue a proeza de empatar com o daquela infeliz.

  9. Caro CN … Bom dia!

    O auge da tentativa de implantação do Comunismo no Brasil (sic) foi no Governo Geisel … por causa de muitas empresas não terem conseguido pagar o que deviam ao BNDES … e foram ESTATIZADAS kkk KKK kkk

    Se tenta implantar o NeoLiberalismo desde Figueiredo – por parte do Executivo, né ???

    Porém, Empresários e Sindicalistas não aceitam o NeoLiberalismo kkk KKK kkk

    Abração.

  10. A desnacionalização da economia não é boa. Esse neoliberalismo não deu certo no mundo, dará aqui?

    O Brexit, a eleição de Trump e de tantos outros demonstra que a população não está satisfeita com a globalização econômica, con redução de renda, com redução de direitos.

    Até nos EUA um grupo poderoso de empresários se convenceu que essa política neoliberal traz consequências indesejáveis.

    Aqui há defensores dessa política suicida de ficarmos só produzindo produtos primários e importando tecnologia e produtos manufaturados.

    E alguns aplaudem, outros são omissos. Os militares patriotas já foram alijados dos quartéis faz tempo. O presidente se omite nas decisões e deixa tudo con o Paulo Guedes e sua política econômica ultrapassada.

  11. O Governo atual está jogando contra os próprios argumentos, já que as empresas estatais deram lucro em 2019, depois de anos de prejuízo, provando que elas são parte da SOLUÇÃO e não dos problemas nacionais. Os problemas estão nas pessoas que foram escolhidas para comandá-las. E ainda não se tem notícias de qualquer bilhão desviado da Petrobrás ou de qualquer outra estatal.

    Portanto, a ideia que precisamos privatizar para evitar a corrupção e o Estado não ter prejuízo não tem qualquer fundamento, pois desde a mega-doação do corrupto-mor FHC que o país privatiza e, mesmo assim, não conseguiu evitar a posterior corrução petista.

    Ora, uma empresa é como um carro: vai para onde o motorista quiser; dá lucro ou dá prejuízo ao proprietário dependendo de quem cuida dele.

    Vejam este artigo:

    “A soma do lucro das três maiores empresas estatais brasileiras (Petrobras, Eletrobras e Banco do Brasil) atingiu em 2018 o montante de R$ 51,9 bilhões, o maior já registrado, de acordo com a Economatica. No ano passado, a Petrobras teve lucro de R$ 25,7 bilhões, o Branco do Brasil de R$ 12,8 bilhões e a Eletrobras de R$ 13,3 bilhões. Foi a primeira vez desde 2011 que as três empresas registraram lucro. Naquele ano, a soma foi de R$ 49,1 bilhões…”

    https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/03/28/lucro-das-maiores-empresas-estatais-e-o-mais-alto-ja-registrado.ghtml

    -Você venderia uma vaca que produz leite para a tua família para comprar leite do vizinho com o argumento que ele PODERÁ vender leite mais barato do que o que a tua vaca te dar?
    -E se for mentira?
    -O país pode se dar ao luxo de jogar 51 bilhões (por enquanto!) de lucro no lixo para depois cobrar apenas impostos para ter apenas parte desse lucro?

    Abraços.

  12. Sr. Jacob tocou num ponto importante.
    ” Empresas estratégicas em mãos de multinacionais”
    A Petrobrás, em maio de 1995, liderada por Spitz, deixou o país 32 dias parado.
    Deixar a Petrobrás com o monopólio é falta de estratégia.

  13. Isso mesmo Francisco; e outra falácia é de que a Petrobras tem que fazer o que ela sabe mais que é achar petróleo em aguas profundas, posicionar as arvores de natal e entregar para outra empresa “sugar” o óleo.
    Brincadeira de mau gosto. A Bosh faz de tudo até limpador de para brisa.
    A IHI até hoje mantem seu segmento naval embora o que era 100% hoje está em 8% de seu faturamento; o resto é industrialização nuclear; turbo e equipamentos diversos.
    Vender os gasodutos, refinarias, transportadora, distribuidora é para “MATAR” a empresa.

  14. Penso exatamente o oposto a Petrobras tem que pensar em energia alternativa entre outros segmentos científicos e industriais.
    Votei no Bolsonaro; mas, infelizmente ele não pensa no Futuro do pais.
    Começou com a cara de paisagem que ele fez enquanto o congresso e o supremo destroem a lava jato e blindam todos os parlamentares de todos os níveis de possíveis condenações.
    Tudo por causa dos filhotes e do queiroz.

  15. Em 02.12.2019 Bolsonaro declarou: “já me escreveram pedindo a cabeça do ministro (Paulo Guedes).
    Tive o prazer e enviar texto ao exmo. presidente com o título “GOVERNO DESTERRA PAULO GUEDES OU ELE ENTERRA A GESTÃO BOLSONARO. Se houver interesse em conhecer o texto, envie-me endereço (e-mail).

  16. “Se os militares não percebem essas verdades, então sigam em frente, privatizem a Previdência, vendam todas as estatais, especialmente a Petrobras, que está no quarto lugar no ranking da produtividade do setor, e acabem logo com o BNDES, entreguem o país a Guedes e seus áulicos”

    As melancias só querem vida mansa, é só dizer que será melhor assim, que o pais terá mais dinheiro e poderá melhorar o salário da Nomenklatura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *