Ala militar tenta fazer Jair Bolsonaro esquecer o golpe e voltar a governar o país

Crédito: Reprodução/ YouTube

Alto-Comando do Exército não aceitou o “presente” de Bolsonaro

Carlos Newton

O Brasil vive uma perigosa fase de surrealismo político. O presidente Jair Bolsonaro chegou à conclusão de que só conseguirá governar se houver um golpe militar que feche o Congresso e o Supremo, ou seja, mais radical do que a revolução de 1964. No entanto, seu projeto não está indo para frente, porque as Forças Armadas não demonstram o menor entusiasmo com novo golpe de estado e reina um clima de total tranquilidade nos quartéis, que sequer ficam em prontidão.

Mas Bolsonaro não desiste. Fica tentando agradar aos militares, tudo dá errado. Agora, tentou presentear o Exército com a criação da aviação própria, separada da FAB, mas não deu certo. O Alto Comando da FAB protestou, o Alto Comando do Exército recusou o presente e mandou Bolsonaro revogar o Decreto 10.386, baixado na semana passada, que permitia ao Exército voltar a ter aviões.

DE RECUO EM RECUO – Como é de praxe, mais um decreto revogado, demonstrando que o governo realmente não tem senso de orientação. O recuo de Bolsonaro está publicado no Diário Oficial da União de segunda-feira (dia 8). O mesmo ato restaura a vigência do Decreto 93.206/1986, que dava ao Exército a permissão para operar apenas helicópteros.

Uma humilhação dessa grandeza deveria ser suficiente para acalmar Bolsonaro, mas com ele as coisas não funcionam assim. Os quatro generais do Planalto (Braga Netto, Augusto Heleno, Eduardo Ramos e Rêgo Barros) fazem o possível e o impossível para o presidente abandonar as teorias conspiratórias e voltar a governar, nesse momento gravíssimo para a nação, mas Bolsonaro não está nem aí.

Agora, só fala em aumentar as facilidades para os cidadãos comprarem armas e munições nacionais e importadas, com redução do imposto. E acha que pode ter o apoio das Polícias Militares dos Estados, para um golpe militar sem as Forças Armadas, vejam a que ponto chega a insensatez dele.   

TRIPLO DESAFIO – É como se o Brasil estivesse enfrentando um triplo desafio – a pandemia de covid-19, a consequente recessão mundial e o desgoverno do presidente Bolsonaro. E o fenômeno mais interessante é que a opinião pública tenta enfrentar com determinação a tripla crise, fazendo lembrar a velha piada dos anos 50 – “O Brasil cresce à noite, quando os políticos estão dormindo e não conseguem atrapalhar”.

Essa situação faz lembrar também o exemplo da Bélgica. A partir de junho de 2010, o país europeu entrou em crise e os partidos se dividiram tanto que não conseguiram formar um governo. O impasse durou 541 dias, até 5 de dezembro de 2011, quando se conseguiu formar um governo de coligação,  tendo sido nomeado o social-democrata Elio Di Rupo para o cargo de primeiro-ministro.

E o que aconteceu à Bélgica nesses 541 dias sem governo? Ora, não aconteceu nada. Vida que segue, diria João Saldanha, os estudantes iam à escola, as pessoas saiam para o trabalho ou fazer compras, tudo normal.

###
P.S.
A Bélgica é um bom exemplo para o Brasil, que está literalmente sem governo e ninguém diz nada, não acontece nada. Aliás, o Planalto parece um hospício e os ministros obedecem a um capitão que julga ser Bonaparte, em estilo baixo calão. Pessoalmente, estou me acostumando com isso, pois não falta assunto para os jornalistas de política. (C.N.)

18 thoughts on “Ala militar tenta fazer Jair Bolsonaro esquecer o golpe e voltar a governar o país

  1. “E o que aconteceu à Bélgica nesses 541 dias sem governo? Ora, não aconteceu nada. Vida que segue, diria João Saldanha, os estudantes iam à escola, as pessoas saiam para o trabalho ou fazer compras, tudo normal.” O sistema político vencido tornou-se um estorvo na vida do conjunto da sociedade. Os políticos deveriam ser como bons juízes de futebol, que não se arvoram em estrelas das partidas e, pelo contrário, deixam o jogo fluir normalmente, sem atrapalhar o brilho das estrelas naturais das partidas.

    • O “X da questão”, não é saber se tem governo; mas, é saber se tem atrapalhação (oposição e imprensa) de quem dedica a vida a atrapalhar e fazer o possível para que nada dê certo.

  2. Esta turma é aleivosa, não engana mais ninguém, espera a oportunidade para fazer seus desejos, o stf se não tomar cuidado, tudo pode acontecer, mas fracassará, o Brasil mudou, não são estes loucos irão destruir o país, já prejudicado por esta cambada, quantas pessoas morreram por burocracia e roubalheira.

  3. Não precisamos ir muito longe, um pais que mora no coração do boçal ficou mais de uma ano sem governo e, continuou vivendo, Israel. Só agora e depois de mais de duas eleições conseguiu formar um governo e, de coalizão. O Brasil é um país que vive de chefes, sem eles parece que a coisa não anda. Temos que encolher o poder do Estado, ele pesa demais sobre as nossas costas, não estou advogando um Estado Minimalista, mas minimalisticamente menos poderoso.

  4. Está correndo nas comunicações virtuais um suposto resultado de um congresso médico que provavelmente jamais foi realizado referente ao diagnóstico por especialistas do comportamento do presidente.

    O profissional paulista afirmou que ele sofre de “apoteose mental”; o maranhense, que está contaminado por “sibui de pobre” e o baiano garante que é acometido de “diarreia verbal”. O carioca disse que padece de tudo.

  5. Acho que o sonho do Bolsonaro é instituir o “bolsa trabuco”. cada chefe de família, homem ou mulher poderia requerer e o governo concederia um revolver 38 e uma caixa de balas, trocáveis a cada 6 meses.
    Contam que na região serrana do sul do pais,na primeira metade do século 20, nos bailes do interior,
    os homens dançavam todos com armas na cintura. Era o maior respeito, pois quem fizesse qualquer “gracinha”, já sabia para onde ia.
    É como dizia o saudoso Samuel Correia, o Samuca, quem não reage, rasteja.

  6. Imbecilidade pretender uma intervenção particular para alvejar os dois outros poderes e manter os privilégios do executivo. Seria necessária alta canalhice das Forças Armadas para pactuarem com isso.
    No ensejo, vale lembrar da obrigação do MPF provocar, ou do STF de ofício mandar o presidente chamar o povo a apoiar nas ruas a intervenção total do 142, para faxina total desse país..

  7. Veja que ações contra a transparência prossegue segundo a lógica militar de esconder dados, camuflar e perseguir quem procure a verdade

    “APÓS PERGUNTA SOBRE MILITARES, EBC AFASTA REPÓRTER DE COBERTURA DE COVID”

    https://epoca.globo.com/guilherme-amado/apos-pergunta-sobre-militares-ebc-afasta-reporter-de-cobertura-de-covid-24471269?versao=amp&%3Futm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=post&__twitter_impression=true

  8. Silvio podes ter certeza que se desgringolar, o clã será ‘cuspido’ também.
    O covidão só aconteceu porque já se sabe que após a prisão preventiva e a soltura pelo famigerado stf, nunca mais os “cidadãos” que desviaram o $ público pisarão numa cela pois se chegar a última instancia, ficará aguardando o julgamento por anos e anos e se acontecer o corrupto já usará fraldas geriátricas.
    Precisamos de se preciso for, medidas drásticas para remover as emendas feitas à constituição ou a própria constituição para mudar esta e outras situações inadmissíveis.
    Não vejo outro caminho.
    PS: O clã será saído também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *