Alcolumbre est ocupado em tempo integral na montagem das batalhas para sua reeleio

OI ZUM-ZUM-ZUM, T FALTANDO UM  Contra o Vento

Charge do Glauco (Arquivo Google)

Rosngela Bittar
Estado

De hoje at o dia D da sucesso das presidncias da Cmara e do Senado, sero 110 dias, tempo suficiente para correo de rumos. Na Cmara, est claro o processo da disputa de duas foras polticas. De um lado, o governo. O deputado Arthur Lira torna-se representante do Palcio do Planalto e, se for eleito, transfere o comando da Cmara ao prprio presidente Jair Bolsonaro.

De outro, a Cmara propriamente dita. A entrega da presidncia ao controle preferencial dos deputados, o que representaria a continuidade da liderana de Rodrigo Maia. Depois de aparecerem vrios favoritos, o candidato do grupo autonomista presidncia, no momento, Baleia Rossi, do MDB de So Paulo.

TEMER SABE TUDO Baleia Rossi tem as bnos do atual presidente e alavancado pelo trabalho de aliciamento do ex-presidente Michel Temer. Que, atuando em causa prpria, elegeu-se presidente da Casa em trs legislaturas. Temer reconhecido como o maior especialista nestas negociaes tpicas da atividade parlamentar.

J a sucesso da presidncia do Senado tornou-se um bal de sombras. O atual presidente, senador Davi Alcolumbre, persegue um desfecho do tipo ilegtimo e ilegal.

Alcolumbre voluntariou-se para reeleger-se. Uma deciso pessoal, cuja razo real ainda no emergiu. Como se o instituto da reeleio, por si s, j no envolvesse tantas dvidas e clamores por sua extino, Alcolumbre acrescentou outras transgresses. A comear pela hiptese de exigir uma deciso judicial para viabilizar seu desejo. O presidente do Senado assumiu tal obstinao e paralisou as atividades da Casa.

APAGO DO SENADO – No ltimo domingo, 11 de outubro, em reportagem no Estado, Amanda Pupo listou os itens do parado do Senado. Nas votaes suspensas ou adiadas esto urgncias, como o novo marco legal do mercado de gs, as regras para regulao dos setores ferrovirio e eltrico, sem falar das votaes em sesses conjuntas do Congresso. Que no avanam porque dependem da atuao do presidente do Senado, ocupado em tempo integral na montagem das suas mirabolantes batalhas pela reeleio.

O silncio do Senado conta com a conivncia da oposio, dos ex-governadores, dos estreantes, dos antigos e de todos. Indiferentes s aes do presidente da Casa, que s age quando se torna premente usar, atravs da sua, a mo oculta do governo na definio das pautas.

Na verdade, o Senado sempre teve uma tradio de vida serena, em oposio trepidante Cmara. Ou seja, cada um, ali, faz o que quer, sem ser incomodado.

BONS DE BRIGA A paz s foi quebrada, em perodos da histria, por independentes bons de briga e de discurso, como foram o senador Pedro Simon, por 30 anos, ou, muito remotamente, o legendrio senador Teotnio Vilela. Agora, nem isto.

A imobilidade do Senado estratgica. Os ex-governadores, experientes em composies esdrxulas nas bases estaduais, tendem a repetir o descompromisso ao assumir o Senado.

E a oposio no tem oportunidade de se exercitar. Como se v pelo repertrio do seu lder, Randolfe Rodrigues. Que se sobressai muito mais nas votaes do Supremo do que no prprio Senado. Mais advogado do que senador. Mais demandante judicial que parlamentar em ao.

CASA SECUNDRIA – E, falta do Centro, que inexiste no Senado, o governo caa com Alcolumbre. O Senado resolveu se tornar, de fato, uma Casa secundria. Presta-se pouca ateno ao que l se passa e, sobretudo, ao que no se passa.

O Congresso, de fato, no se renovou. Cmara e Senado seguem como orquestras paralelas. E o velho maestro arranjador de outros tempos, senador Renan Calheiros, acaba de retornar ao posto para reforar a pretenso de Davi Alcolumbre, que o destituiu e agora se beneficia de seu apoio e renovado flego.

Numa composio esperta, que d a Bolsonaro tempo livre para abandonar-se obsesso contagiante: a sua prpria campanha da reeleio, agora atrapalhada pelo senador da cueca.

 

 

12 thoughts on “Alcolumbre est ocupado em tempo integral na montagem das batalhas para sua reeleio

  1. O senador no faz nada para o bem do povo e para demonstrar que no vagabundo, que ganha um salrio milionrio s para trabalhar e se manter no poder?

    Esse congresso uma cambada de safados, corruptos, vagabundos, irresponsveis e ladres do povo e pas!

      • Souzza, meu prezado,

        Que satisfao enorme ler um comentrio teu!
        Por onde andas?
        Tudo bem contigo?
        Sade, famlia, todos bem?

        Olha carssimo, Bolsonaro culpado, o Judicirio culpado, o Legislativo culpado, as FFAA so culpadas … at ns somos culpados, apesar de em grau bem menor.

        Enquanto no purgarmos as culpas, o Brasil seguir sendo destrudo, fragmentado, dilacerado por interesses e convenincias pessoais, e a ideologia que comanda esta nao atualmente.

        Meu, participa mais do blog.

        Um forte abrao.
        Sade e paz, extensivo aos teus amados.
        Te cuida, parceiro!

    • Amigo Bendl, uma consulta (estou sem tempo de pesquisar e sei que tens isto na memria):
      * por que os nobres ministros e juizes passaram a chamar rus/condenados de “paciente”?
      A mim parece que, em ambos o sentidos, “pacientes” somos ns!
      Abrao
      Fallavena

      • Carssimo Fallavena,

        Sem eu precisar pesquisar, a palavra paciente tem inmeros sinnimos, e geralmente usada pela Medicina ou caracterizar algum calmo, tranquilo, um legtimo paciente,

        No Direito, o paciente o individuo que sofre a coao, a ameaa, ou a violncia consumada;
        O Coator quem pratica ou ordena a prtica do ato coativo ou da violncia;
        O Detentor quem mantm o paciente sobre o seu poder ou o aprisiona.

        Como podes observar, pela nova terminologia jurdica ou advinda do Supremo, bandidos, meliantes, ladres, traficantes, passam a ser chamados de pacientes, pelo fato de terem sido “coagidos”, que sofreram ameaas (caso da Delao Premiada), que tiveram seus direitos agredidos pela autoridade coatora!

        Quanto a ns, o povo, somos classificados por parasitas, ral, plebe, imprestveis, inteis, que apenas do despesas ao pas, que no sabemos nada, que somos desclassificados, mal educados, cidados de terceira categoria, burros, agressores, ofensores, que somente assistimos novela e futebol, incultos, incautos, sem discernimento, sem civilidade, sem senso crtico, sem personalidade, sem carter, hereges, pecadores, bbados, tarados sexuais, caloteiros, milicianos, traficantes, ignorantes – meu, escrevo dez pginas sobre como as elites e castas nos definem!!!

        Abrao.
        Excelente fim de semana.
        Te cuida, parceiro!

      • 1) Meu xar Fallavena.

        2) Lembro feliz o presento que vc me trouxe, qdo almoamos aqui no Rio, com o CN e outros:

        3) Uma bonita pasta a tiracolo do Celac/Cepac. Gratido amigo.

        4) Lembrei que “paciente” tambm doente.

        5) Estamos todos ns e o Pas tambm…

        6) Enfermos.

        • Amigo Antonio Rocha
          Tomara possamos ano que vem, participar de outros! At isto a nossa TI e grande CN tem proporcionado a ns: encontros e reencontros!
          Smbolos e nossa histria de trabalho est em muito boas mos.
          Abrao
          Fallavena

  2. Fazendo uma colheita de tudo que foi abordado, no artigo acima. Fica fcil constatar que os colegas de parlamento, que hoje se mostram indignados com a lambana do Chico Rodrigues, e “exigem” punio severa contra ele. No fundo mais profundo, o que despertou a clera dos outros senadores foi a IMPERCIA com a qual o Chicueca executou a safadeza.
    Nada mais deixa uma faco furiosa do que a titubeada de um dos membros. Porque, a partir da: a mscara cai geral, fragiliza-se a aficcia dos disfarces usuais e a polcia fica mais convencida de que “ali tem coisa”

  3. Tem palavras que lembram, no se sabe bem porque, outra que, teoricamente, nada tem a ver.

    Desde que assisti a eleio de Alcolumbre, sempre que ouo ou leio seu nome me lembra de “chorume”!
    Nada uma coisa com a outra!

    Fallavena

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.