Alcolumbre vetou demissão de chefe da Logística da Saúde, pedida em outubro por Pazuello

Imagem da Matéria

Charge do Kacio (kacio.art.br)

Jussara Soares e Paula Ferreira
O Globo

As suspeitas sobre a atuação do ex-diretor de logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias já eram conhecidas do governo desde o ano passado. O ex-ministro Eduardo Pazuello chegou a decidir demitir Dias após suspeitas de irregularidades na aquisição de testes da Covid-19, mas ele foi mantido após pressão política.

Nesta quarta-feira, a exoneração de Dias foi publicada após denúncias de que ele teria pressionado pela aprovação célere da Covaxin. O ex-diretor também foi acusado por um empresário de ter pedido propina para facilitar contratos de vacina com o ministério, segundo o jornal “Folha de S. Paulo”.

PEDIDO DE ALCOLUMBRE – O Globo apurou que a exoneração, que já havia sido comunicada à Casa Civil, foi revertida a pedido do então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) diretamente ao Palácio do Planalto. A informação foi antecipada pela CBN.

Segundo relatos ao Globo, o então secretário-executivo da Saúde, Élcio Franco, chegou a conversar com o ministro da Casa Civil à época, Walter Braga Netto, hoje à frente do Ministério da Defesa, que teria concordado com a exoneração. Procurado o ministro, ele não se manifestou.

Interlocutores do senador Davi Alcolumbre afirmam que ele tinha apenas uma relação amistosa de trabalho com Dias, quando o parlamentar procurou o diretor para levar insumos para o enfrentamento à Covid para o Amapá. Porém, negam que Alcolumbre tenha agido para segurar Dias no cargo.

DOIS DEMITIDOS – Na época, Dias foi poupado, mas dois de seus principais assessores na Diretoria de Logística (Delog) foram exonerados no dia 28 de outubro.  Coordenadora-geral de Aquisições de Insumos Estratégicos para Saúde, Meri Helem Rosa de Abreu Hansel, era considerada o braço-direito de Dias e, assim como ele, também é do Paraná.  a ocasião, o servidor Franklin Martins Barbosa, servidor de carreira pasta desde 2014, perdeu a função de coordenador de Licitações e Análise de Mercado de Insumos Estratégicos para Saúde. Barbosa, porém, foi reconduzido ao posto em 13 de maio pelo atual ministro Marcelo Queiroga.

No dia 22 de outubro de 2020, O Globo revelou que a Diretoria de Integridade (Dinteg) do Ministério da Saúde observou suspeitas de irregularidades em um contrato da pasta para aquisição de 10 milhões de kits de reagentes usados em testes para detecção de Covid-19. Na época, a Dinteg reportou a suspeita ao Tribunal de Contas da União (TCU). Dias foi um dos signatários do contrato suspeito no valor de R$ 133,2 milhões. 

Um relatório produzido pelo Tribunal mostrava que um pedido de reconsideração feito pela empresa que ficou em segundo lugar na disputa não foi levado adiante pelos departamentos responsáveis, entre eles o Departamento de Logística, sob coordenação de Roberto Dias.

GOVERNO RECUA – No dia 27 daquele mês, cinco dias após o caso vir a público, o presidente Jair Bolsonaro retirou a nomeação de Dias para o cargo de diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Dias havia sido indicado para substituir a diretora Alessandra Bastos também com o apoio de Alcolumbre, mas não chegou a assumir.

Dias estava no Ministério da Saúde na gestão do ex-ministro Henrique Mandetta, em janeiro de 2019.  O diretor ganhou o cargo com o apoio do ex-deputado Alberto Lupion (DEM-PR), então indicado a um cargo na Casa Civil na gestão de Onyx Lorenzoni. Dias também teria o apoio do atual líder do governo Ricardo Barros (PP-PR), que nega o apadrinhamento.

A permanência de Dias no Ministério da Saúde já causava estranheza em servidores desde antes dos relatos de irregularidades. Quando Pazuello assumiu a pasta, segundo relatos, houve tentativa de retirar do Ministério todos aqueles considerados pelo gestor como próximos ao ex-ministro Luiz Henrique Mandetta. Dias seria um deles, mas seu cargo acabou sendo mantido.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Em tradução simultânea, quem manda na Saúde é o Centrão. Além de Pazuello não conseguir a demissão de Roberto Dias, um servidor afastado da área de licitações foi reconduzido pelo ministro Queiroga. Para os mais antigos, nem é preciso explicar nada quando aparece envolvido alguém da famiglia paranaense Lupion. Como dizia Ibrahim Sued, em sociedade tudo se sabe. (C.N.)  

10 thoughts on “Alcolumbre vetou demissão de chefe da Logística da Saúde, pedida em outubro por Pazuello

  1. Amigos de Mandetta e Bolsonaro, ex-deputados são articuladores e “bombeiros” da Saúde

    A equipe técnica do Ministério da Saúde tem se tornado conhecida do público na gestão do combate ao coronavírus, principalmente pela presença ao lado do ministro Luiz Henrique Mandetta nas entrevistas coletivas diárias com atualizações dos números na doença no Brasil. Mas o grupo que compõe a elite daquele que se transformou no principal ministério do governo de Jair Bolsonaro tem também dois nomes oriundos do ambiente político e que, atualmente, desempenham um papel que fica distante dos holofotes.

    Eles são José Carlos Aleluia e Abelardo Lupion. Ambos são ex-deputados federais – Aleluia pela Bahia e Lupion pelo Paraná – e filiados ao DEM, o mesmo partido de Mandetta. Aleluia é assessor especial do ministro e Lupion, diretor de produção do ministério.

    Apesar de os cargos deles terem nomes diferentes, na prática os ex-deputados atuam em conjunto e de modo semelhante. Sua principal função é a de articulação: com outros braços do poder público, com empresários que podem contribuir com a pasta e também com os próprios Mandetta e Bolsonaro, de quem ambos são amigos pessoais.

    https://www.gazetadopovo.com.br/republica/lupion-aleluia-mandetta-bolsonaro-articuladores/

  2. Então, o Luis Pilantra “denunciou irregularidades” ao Bolsonaro, o presidente acionou o ministro da saúde Pazuello para que checasse a tal denúncia, o ministro checa e decide demitir o funcionário, mas o presidente do congresso nacional não deixa. Perguntinha que não quer calar: onde esta prevaricação do presidente e do ministro? O plano frajola da semana naufragou.

  3. Centrão é Centrão, um bando de politícos parasitas sugando a nação. Culpa do brasileiro que troca seu voto por meio sanduiche de mortadela e uma garrafa de cerveja.

  4. Só digo o seguinte:

    DILMA está certa!!!

    Do alto da sua capacidade de raciocínio, a ex-presidente foi cirúrgica nessa questão de ser aplicadas duas doses em cada pessoa.
    Disse a outrora Chefe de Estado:

    – Se a segunda dose da vacina é que garante a imunização, então deveriam dar a segunda dose primeiro!!!!

    Como não dão ouvidos a Dilma …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *