Algoz das universidades, Weintraub provoca crise que atrai Bolsonaro como um abismo

Abraham Weintraub e o Enem

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Pedro do Coutto

A Medida Provisória de Jair Bolsonaro dando poderes ao ministro Abraham Weintraub para nomear reitores de 20 universidades no período da pandemia, na minha opinião, sem dúvida, representa um ato profundamente hostil a todos os dirigentes e integrantes do ensino superior do país. Acredito que o STF vai derrubar a medida, por absurda que ela é na sua essência e na sua forma.

Basta lembrar o desempenho trágico de Weintraub na reunião ministerial de 22 de abril. A colocação da tarefa que representa um ato de deseducação pode ser traduzida como expressão de um invasor e de um algoz para as reitorias.

IMAGEM DO ABISMO – A imagem do abismo que está no título é inspirada em um texto de nosso amigo Nelson Rodrigues, ao focalizar o desfecho no festival da canção promovido pela Rede Globo em 1968. A música de Geraldo Vandré tinha dois títulos “Caminhando” e “Para não dizer quer não falei de flores@. 

A música desagradou o governo Costa e Silva. Estávamos na véspera do Ato Institucional nº 5 que sufocou a democracia e a liberdade no pais e o conduziu ao que o jornalista Carlos Chagas chamou de ”A longa noite dos generais”. Este o fato.

No festival, Geraldo Vandré ficou no segundo lugar. O Maracanãzinho repleto vaiou a decisão. Depois do vencedor a palavra, foi dada a ele, que afirmou que a vida não se resume a festivais. Aí, no dia seguinte entrou Nelson Rodrigues. O grande teatrólogo afirmou o seguinte: a multidão atraia o autor como um abismo. Mas ele preferiu deixar para lá.

PRAZER EM CRIAR CRISES – O presidente Bolsonaro a mim parece incluir-se no mesmo ímpeto. Tem prazer em criar crises, momentos de tensão, fortes choques de ideias e intenções, e no seu laboratório de pensamento projetar adversários, consolidando-os no decorrer do tempo.

Ele necessita e se realimenta de absurdos. Sua meta é o conflito, não a atuação construtiva que deve ser a base indispensável de qualquer governo. Agora o inimigo menos oculto são as Universidades.

Também não tenho dúvida que o Supremo tribunal Federal vá derrubar a ascensão de Weintraub, tão absurda ela é.

EM TORNO DO ABISMO – Os exemplos em torno do abismo se repetem. Na Folha de São Paulo de hoje, Igor Gielow estende a lente de Bolsonaro incluindo no foco o general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo, encarregado da articulação política com o Poder Legislativo.

Eduardo Ramos tem sido contrário a nomeações capazes de assegurar ao governo votos nas matérias que o Palácio do Planalto pensa serem importantes. O caso da nomeação do deputado Fabio Faria, do PSD, faz parte desse elenco. Vai ao encontro do interesse de Gilberto Kassab, do mesmo partido e que foi ministro do governo Michel Temer.

Eis aqui mais um exemplo voltado para o conflito e para a ruptura entre o que o candidato disse ontem, em 2018, e o que pratica o presidente da República.

10 thoughts on “Algoz das universidades, Weintraub provoca crise que atrai Bolsonaro como um abismo

  1. Nélson Rorigues, conservador e direita empedernida, foi um gênio da raça.
    Possuo intensa admiração.

    “a multidão atraia o autor como um abismo. Mas ele preferiu deixar para lá.”

    Eletrizante.

    • Continua ministro e cada vez mais prestigiado – é só ver o lance das universidades;
      Há uma relação simbiótica entre o ministro e o PR, onde os dois se alinham no mesmo pensamento – é o que têm demonstrado.
      Weintraub é, hoje, o principal ministro do governo.

  2. Tudo que está ocorrendo no nosso Brasil, está diretamente ligado ao golpe de 2016. E como esta TI, nunca se posicionou contra o golpe, agora deveria estar apoiando os resultados e não fingindo que não tem nada a ver com isso.

  3. “Em edição extra do Diário Oficial da União, Jair Bolsonaro acaba de revogar a Medida Provisória que autorizava o ministro da Educação, Abraham Weintraub, a escolher reitores durante a pandemia da Covid-19.” (O Antagonista)

    É um idiota mesmo esse seu Jair.

    O que fizemos para ter um sujeito rasteiro e mau-caráter no comendo do país.

  4. Sebastião Barros , pior que Bolsonaro é ter no comando do País uma Ladrão Alcoólatra, Corrupto, sua Família de de Malandros Oficiais, e sua Organização Criminosa nos 3 Poderes, todos, bem juntos Destruindo e Roubando o País diuturnamente !!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *