Alto Comando pressiona por ida de Pazuello para a reserva, e ex-ministro teme CPI

Alto Comando quer o general Pazuello na reserva

Vinicius Sassine
Folha

Integrantes do Alto Comando do Exército pressionaram o general Eduardo Pazuello para que ele tomasse a iniciativa de pedir a transferência da ativa para a reserva e ouviram do ex-ministro da Saúde que ele não tem essa intenção no momento. A resistência, segundo relatos feitos por Pazuello, deve-se ao fato de ele ser hoje o foco principal da CPI da Covid no Senado.

Generais do Alto Comando, todos eles da mais alta patente, de quatro estrelas, tiveram conversas com Pazuello, um general de três estrelas.

FEZ DISCURSO – As conversas foram no sentido de buscar a transferência do militar para a reserva, após a participação do ex-ministro em um ato político no domingo (23), ao lado de Jair Bolsonaro. O general fez um discurso em que exaltou o presidente.

Até o fim da tarde desta terça-feira (25), as conversas haviam sido infrutíferas. Pazuello disse a interlocutores que não pretendia pedir a transferência para a reserva.

O general teme ficar em desvantagem na relação com os senadores de oposição ou independentes da CPI da Covid. Esses congressistas são maioria no órgão e devem aprovar nova convocação de depoimento de Pazuello.

PASSAR PARA RESERVA – Isso não significa que a ida à reserva esteja descartada. A pressão prossegue, diante do entendimento de que a participação em um palanque político foi uma evidente transgressão disciplinar, com o pior recado possível a militares de patentes inferiores.

Um procedimento formal foi instaurado pelo Comando do Exército para apurar a conduta do ex-ministro. Pela lei, ele tem três dias úteis para apresentar uma resposta por escrito. A punição pode ser uma advertência, repreensão, prisão ou exclusão dos quadros, de acordo com gravidade e atenuantes do caso, previstos em lei.

A decisão sobre punição é do comandante da Força, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. Se ele não agir, também pode ser enquadrado como transgressor, conforme o regulamento disciplinar do Exército.

GESTO INDIVIDUAL – Segundo integrantes do Alto Comando, Pazuello não pode ser mandado compulsoriamente para a reserva. Esse gesto deveria partir dele, conforme esses generais.

Mesmo depois de Pazuello ter subido em um palanque político, ter tomado posse do microfone e ter feito um discurso em que exaltou o presidente, o Ministério da Defesa e o comando do Exército permaneceram em absoluto silêncio sobre a transgressão disciplinar do militar.

O gesto de Pazuello foi semelhante ao do general Walter Braga Netto, ministro da Defesa. Oito dias antes, ele também subiu em um palanque de Bolsonaro e discursou para apoiadores do presidente em Brasília.

OUTROS EXEMPLOS – O ato de Braga Netto é raro para quem ocupa o cargo de ministro da Defesa, a quem estão vinculadas as Forças Armadas. O ministro, em seu discurso, chegou a usar o nome das corporações ao se dirigir aos apoiadores.

Seu antecessor, general Fernando Azevedo e Silva, demitido por Bolsonaro em março, chegou a sobrevoar um ato de apoio ao presidente e contra a democracia.

A diferença é que Pazuello está na ativa, e Braga Netto e Azevedo, na reserva. O decreto de 2002 que institui o regulamento disciplinar do Exército prevê como transgressão disciplinar a manifestação política apenas por militar da ativa.

6 thoughts on “Alto Comando pressiona por ida de Pazuello para a reserva, e ex-ministro teme CPI

  1. Teatrinho do Exército tentando se descolar do vagabundo invertebrado do Pazuello.

    Se tivessem vergonha na cara, a “pressão” deveria ocorrer antes ou durante a desastrosa gestão do generaleco vagabundo à frente do Ministério da Saúde.

    Neste momento, a passagem para a reserva é um prêmio à incompetência do intendente vagabundo.

    • Eduardo Pazuello nasceu predestinado a ser um profissional da arte de Dividir. No exército, ele ocupa o posto de General de Divisão. No desgoverno Bolsonaro, ele cumpriu com maestria o seu mister de fazer a Divisão entre vida e morte!

  2. Em minha opinião, Pazuello tem o dom da multiplicação: multiplicou as mortes, a desgraça, a confusão, a insubordinação, a idiotice reinante no quartel de Abrantes. E sem fim nem começo, e sem muito tropeço, diz ele que “o Jumento manda e eu obedeço”.

  3. Boa noite , leitores (as):

    Ora , ora !!!
    O general Eduardo Pazuello poderia perfeitamente ir para a reserva remunerada do Exército Brasileiro , e se proteger e resguardar nos seios do Presidente Jair Messias Bolsonaro , pois ele tem a força de seus estoques de canetas ” BIGs ” , que aniquila todas pessoas honestas do Brasil .

Deixe um comentário para jose carlos cabral Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *