Amante de Bendine se defende de acusaes de prejuzo aos cofres pblicos

Valdirene alega que fez tudo dentro da lei

Luiza Souto
O Globo

Sem querer opinar sobre a priso do ex-presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, a socialite Val Marchiori defendeu-se das acusaes de que foi favorecida por meio de emprstimos concedidos pelo BNDES e de patrocnio do Banco do Brasil, para aparecer na TV, na poca em que Bendine era presidente da instituio financeira. Valdirene afirmou que tem convico de que no praticou ilegalidades, “tampouco recebeu quaisquer espcies de benefcios indevidos do BB”. Val, como gosta de ser chamada, est curtindo dia de sol em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, e afirma no querer comentar a situao “do senhor Aldemir Bandine (sic)”.

Por meio de uma nota que comea com seu j conhecido “hello”, Marchiori diz que a operao com o BNDES “foi absolutamente regular e transparente”, e lembra que a 10 Vara Criminal Federal de So Paulo rejeitou a denncia do Ministrio Pblico Federal, mas que o “MPF continua a tentar reavivar o assunto”.

FORA DO PADRO – De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, em 2013 o Banco do Brasil emprestou R$ 2,7 milhes para Val Marchiori a partir de uma linha subsidiada pelo BNDES, o que contrariaria normas internas dos dois bancos, j que a empresria teria crdito restrito por no apresentar capacidade financeira, alm de no ter pago emprstimo anterior ao BB. Bendine negou as irregularidades. Para rebater a denncia, o banco afirmou que a anlise do emprstimo foi dada por trs comits, que envolveram no mnimo 17 tcnicos de carreira, antes do aval do BNDES.

Dona de um canal na internet em que faz um tour pelo closet, d dicas de relacionamento, entre outras amenidades, Val afirma que o contrato de financiamento foi injustamente colocado sob suspeita e que ele “no causou qualquer prejuzo aos cofres pblicos, j que, alm de ter sido feita de acordo com os trmites legais, se encontra com os respectivos pagamentos em dia”.

“Tenho a convico, contudo, de que a rejeio da denncia ser mantida, porque a acusao absolutamente insubsistente!”, conclui ela, que vende batons e camisetas numa loja online.

VOANDO A JATO – Alm das acusaes sobre o emprstimo, em 2015, o ex-vice-presidente do Banco do Brasil Allan Toledo disse em depoimento ao Ministrio Pblico Federal (MPF) que Aldemir Bendine deu carona para Marchiori, num jato a servio do Banco do Brasil, na poca em que era o presidente da estatal.

A socialite no comentou o assunto.

###
NOTA DA REDAO DO BLOG
Na poca do romance com Bendine, o Banco do Brasil tambm patrocinava as extravagantes participaes de Valdirine no programa de Amaury Jnior. Em qualquer pas minimamente civilizado, Bendine j deveria estar em cana h muito tempo, mas Dilma preferiu nome-lo para presidir a Petrobras. (C.N.)

10 thoughts on “Amante de Bendine se defende de acusaes de prejuzo aos cofres pblicos

  1. Esta mulher, ainda tem o desplante de participar de programa do sbt ” mulheres ricas”, que mulher rica se pede dinheiro emprestado, um absurdo, sabe-se l o que ofereceu como garantia, dinheiro pblico para atender a esta mulher, diga-se de passagem, este programa uma porcaria, assim como outros vrios programas de tv, no tem criatividade, alis, SS compra programas lafora para passar no Brasil.

  2. Se fosse uma qualquer do povo seria chamada de prostituta, taxi girl, garota de programa etc, mas como se trata de uma socialite foi um emprstimo a ser pago com seus dotes.

  3. No Conjur:

    Ao condenar Joo Auler, ex-presidente da Camargo Corra, priso por corrupo ativa e participao em organizao criminosa, o juiz Sergio Moro inventou uma forma de responsabilizao criminal dos administradores de empresas.

    Essa condenao tem diversos problemas, apontou Sahione. O primeiro deles que, fora Joo Auler e Jos Janene, que morreu em 2010, todos os demais envolvidos no caso os ex-diretores da construtora Dalton Avancini e Eduardo Leite, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef haviam firmado acordo de delao premiada. E no possvel condenar algum apenas com base em depoimentos de colaboradores, j que no havia outro tipo de prova no caso.

    “Se isso fosse uma auditoria interna, daria para puni-lo [Joo Auler]. Mas usar esse parmetro como modelo de responsabilizao criminal que no est previsto em nenhuma legislao no possvel”

    https://goo.gl/QqMKsK

  4. Caro articulista:favor corrigir o nome da nobre sra., para “Valdirene”, pois tenha certeza, ela tem vergonha de sua denominao, a mulher do rei das galinhas, a famosa loira da Ferrari.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.