Ambientalismo em queda

Gelio Fregapani

Embora a presidente Dilma tenha confrontado a maquinaria ambientalista que obstaculiza parte dos projetos de infraestrutura do PAC, ela ainda não parece com coragem para contrariar frontalmente certas pressões do aparato ambientalista-indigenista internacional.

Essas atitudes de submissão a pressões externas tinham sido constante nos governos anteriores, desde o Collor, que entregou a reserva ianomâmi, exigida pela agenda da “Nova Ordem Mundial”, até o Lula, que admitiu ter homologado a reserva Raposa Serra do Sol, por pressão internacional.

Não obstante, o cenário está em mudança. A agenda ambientalista global experimenta um processo de desmoralização e retrocesso, pelos efeitos dos choques de realidade, pela evidente falsificação dos dados pseudo-científicos dos seus cenários catastrofistas, como pela cada vez mais evidente inviabilidade socioeconômica da sua agenda de restrições ao desenvolvimento, a começar pela insana proposta de “descarbonização” da economia mundial. Com a economia no vermelho, não há muito espaço para os delírios “verdes”.

CÓDIGO FLORESTAL

Assim, em face desse enfraquecimento do discurso ambientalista, o adiamento da votação do Código Florestal permitirá que o processo decisório possa transcorrer sob menos pressões externas. E, com um pouco de otimismo, pode-se esperar que, com cabeças mais frias, o Planalto não venha considerar como uma afronta pessoal a aprovação de um texto mais próximo ao já aprovado pela Câmara dos Deputados – que, sem dúvida, representa um consenso majoritário dos setores relevantes da sociedade.

Em 1992, a desmedida soberba de Collor fez da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Rio-92) a sua versão do Baile da Ilha Fiscal. Na época, houve quem se deixou enganar pelas insidiosas aparências do movimento ambientalista-indigenista internacional.

Duas décadas depois, havendo uma maior compreensão de que se trata de um instrumento neocolonial de interesses supranacionais, não é crível que se repitam erros semelhantes e primários.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *