Análise da Aeronáutica indica desorientação do piloto em acidente com Teori

(Foto: Marinha / Divulgação) - Aeronáutica indica desorientação de piloto em acidente com Teori

Gravação da caixa-preta demonstra que não houve pane 

Deu na Folha

Análise preliminar do áudio da cabine do avião que caiu com o ministro Teori Zavascki (Supremo Tribunal Federal) indica que houve uma desorientação espacial do piloto, segundo técnicos da Aeronáutica que investigam o caso. A conclusão final dependerá ainda de uma perícia técnica do avião, um King Air C90, sobretudo em seus dois motores. Mas, diante dos indícios coletados até o momento, a desorientação do piloto Osmar Rodrigues é a única hipótese em discussão para explicar a causa do acidente na última quinta (19), de acordo com a apuração conduzida pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos).

A desorientação ocorre, por exemplo, quando o piloto perde a noção do espaço do avião em relação ao solo. Um relatório preliminar deve ficar pronto nos próximos dias.

As investigações apontam que a aeronave voava com um teto de 150 a 200 pés (45 a 60 metros de altitude) pouco antes da queda, ou seja, estava muito próxima do mar em Paraty (RJ). Nas palavras de um técnico do Cenipa, o piloto “ciscava” em busca de uma brecha que facilitasse o pouso no aeródromo da cidade.

SEM COPILOTO – Sem a ajuda de um copiloto e focado em buscar um caminho para aterrissar, o piloto teria perdido a noção de que estava tão perto da água. Sem essa referência visual, ao fazer uma curva, tocou com a asa da aeronave na água, capotando em seguida – além do ministro Teori Zavascki e do piloto, mais três pessoas que estavam a bordo morreram.

A Folha antecipou que, na gravação da cabine, o piloto menciona a chuva na região e não relata problemas na aeronave. Segundo técnicos que ouviram o áudio, o piloto Osmar Rodrigues chega a conversar com outros dois pilotos que sobrevoavam o local naquele momento – um deles o reconhece, chamando-o inclusive pelo apelido de “Mazinho”.

Antes de cair nas águas de Paraty, o avião fez uma tentativa frustrada de pouso, segundo as investigações. Num trecho da gravação, Rodrigues diz a expressão “setor Eco”, que significaria uma curva para o lado leste. Depois, utiliza a palavra “final”, quando estaria então se preparando para pousar.

SEM PÂNICO – Um barulho forte é ouvido, de acordo com os investigadores, pouco antes de a gravação ser interrompida, uma espécie de “ruptura”. Acredita-se que, neste momento, o avião tenha se chocado com o mar. Não há registros de alertas de emergência, pânico, ou algo parecido. De acordo com os técnicos do Cenipa, o áudio captou apenas o que foi dito na cabine – os ruídos de vozes dos passageiros são perceptíveis em alguns momentos, mas “inaudíveis’ tecnicamente.

Durante os 30 minutos de gravação da cabine, é possível identificar, relatam os investigadores, diálogos do piloto com a torre do Campo de Marte, com o controle aéreo de São Paulo, além da conversa com pilotos que sobrevoavam Paraty. Como não há torre de controle na cidade, os pilotos fazem pousos e decolagens de maneira visual e conversam entre eles para orientação e coordenação.

“SEM ANORMALIDADE” – Em nota divulgada nesta terça-feira (24), a Aeronáutica informou que “em uma análise preliminar” os dados extraídos do gravador de voz do avião “não apontam qualquer anormalidade nos sistemas da aeronave”.

A Aeronáutica informou, em texto distribuído à imprensa, que o arquivo de áudio “inclui não só informações de voz, mas outros sons que serão importantes para a investigação”.

“Nós analisamos sons diferentes, em que possamos identificar, hipoteticamente falando, o ruído de um trem de pouso sendo baixado, a aplicação de algum grau de flap ou outro equipamento aerodinâmico da aeronave”, afirmou, segundo o texto divulgado pela Aeronáutica, o coronel Marcelo Moreno, da divisão de operações do Cenipa.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGFica cada vez mais claro o que aconteceu em Paraty. (C.N.)

7 thoughts on “Análise da Aeronáutica indica desorientação do piloto em acidente com Teori

  1. Tem nada claro. O caso continua aberto a todas as versões, e a mais verossímil é a que coincide com o fato de que a máfia comandada por Jucá e Sérgio Machado, pegos no grampo bandido dos mesmos, queriam arrumar alguém próximo a Teori com a intenção de pará-lo.

  2. Cn,
    Muitabpressa sua em descartar qualquer possibilidade de conspiração. Chega até a irresponsabilidade. Exame dos corpos eh uma obrigação nesses casos. Os interesses são muitos e envolvem gente e muita gente da elite. Entao

  3. Caro Newton, para esse tipo de avião, não é obrigatório ter co-piloto?, um acidente pessoal do piloto (enfarte por exemplo), seu auxiliar, tomaria o comando da aeronave. sem isso, o que temos, destruição material e de vidas.
    Creio que neste item de co-piloto, hà omissão de fiscalização, os “donos” economizam com a morte, o voo dos jogadores, quem paga o “pato” com a vida é o passageiro, cujo destino está traçado com a morte, pensemos bem, o que vale mais, de economia de alguns “tostôes” ou a vida.
    A Cada um segundo suas obras, é sentença Divina, no Tribunal da Consciência, pós além tumulo.

    • Não, Théo Fernandes, não é obrigado ter copiloto. Se tivesse, o avião possivelmente não teria caído. Porque nessa situação, enquanto o piloto comanda a aeronave, o copiloto cuida de acompanhar o altímetro e a inclinação, e tenta visualizar a pista. O copiloto é uma necessidade, sem a menor dúvida, mas não é obrigatório nesse tipo de avião.

      Abs.

      C N

  4. O PILOTO VIA A PISTA.

    “Tô na final”. Pelas regras da aviação, é proibido o piloto dizer que “está na final” sem visualizar a pista”.

    Pra ter certeza que o piloto tinha o visual da pista basta checar os dados meteorólogicos da estação mais próxima.

    INMET Estação Automática Paraty-A619
    Codigo OMM: 86913
    Aberta em 06/12/2006
    Latitude: -23.223540
    Longitude: -44.726863
    Altitude: 3 metros

    A estação marcou 0 (zero)mm de chuva entre 10:00AM e 15:00PM

    Paraty (RJ) 19/01/2017 – Dados disponíveis: Hora, Temperatura (°C), Umidade(%), Pto. Orvalho (°C), Pressão(hPa), Vento (m/s), Radiação, Chuva.

    http://www.inmet.gov.br/sonabra/pg_dspDadosCodigo_sim.php?QTYxOQ==

    A estação Ubatuba – Ubatumirim -SP do CIAGRO tem também mais dados daquela hora…

    http://www.ciiagro.org.br/ema/index.php?id=223

    É óbvio que o piloto tinha o visual da pista!
    Ele mesmo declarou!

    Ta na hora desses tecnicos burocratas aprenderem um pouco mais com os nativos do local. Ali entre Paraty e Ubatuba ainda levamos em consideracao o que e “REAL”.
    Um nativo fala: “A chuva vai passar assim que a lua cravar” e, acredite, é justamente assim!

    Viví muitos anos como agricultor familiar plantando e observando o clima numa roça a 14km de distancia (em linha reta) do local da queda.
    Chuva forte a 1:30 da tarde por ali dificilmente fecha a visibilidade, ainda mais com o paredão que e Parati-Mirim.

    Fico com o depoimento do barqueiro Pelé, “Pela fumaça que vi, a queda nada teve a ver com o tempo. Houve um problema na aeronave”, disse.

    “Tô na final”. Barros explica que isso significa que o piloto alinhou o avião com a pista e está pronto para o pouso. Pelas regras da aviação, é proibido o piloto dizer que “está na final” sem visualizar a pista. A gravação registra depois um forte barulho do impacto do avião com o mar.”

    • A OMM a agência especializada das Nações Unidas para Meteorologia (tempo e clima), hidrologia operacional e as ciências geofísicas relacionadas.
      BASE em PARATY a 3 metros de altitude, proximo ao aeroporto,
      facilita o intercâmbio livre e irrestrito de dados e informações, produtos e serviços em tempo real ou quase real sobre as questões relativas à proteção e à segurança da sociedade, bem-estar econômico e a proteção do meio ambiente.

      INMET Estação Automática Paraty-A619
      Codigo OMM: 86913
      Aberta em 06/12/2006

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *