Andrea Calabi, secretário da Fazenda do governador de São Paulo. A volta de um dos economistas do Plano Real. Enriquecido não apenas de conhecimentos. Como todos os outros.

Helio Fernandes

O novo secretário da Fazenda de São Paulo, será o economista Andrea Calabi, altamente badalado nos anos do Real. E que por causa de “gargalo” que não conseguiram desempedir, levaram à reeeleição comprada por FHC.

Aproximava-se o final do mandato de FHC, apostavam tudo nesse “Plano Real”. Alguns que se consideravam L-U-M-I-N-A-R-E-S, não conseguiam “desatrelar o nó”, que eles mesmos criaram. Varavam noites, até “Eleninha calça frouxa” participava.

Em pânico que alguém soubesse do que faziam (leia-se: do que tramavam) decidiram colocar a vaidade de lado e apelar para o economista –matemático Chico Lopes. Filho do ex-ministro da Fazenda de JK, Lucas Lopes, era tido e havido como gênio.

Simples, competente, sem nenhuma ambição, até mesmo humilde, Chico Lopes foi, se reuniu com eles, mostraram o que estavam fazendo, onde pretendiam chegar e o impasse-obstáculo, que não conseguiam ultrapassar de jeito algum. Eram 8, todos da PUC, amigos e conhecidíssimos de Chico Lopes.

Antes não foi convidado para nada, nem sabia que estavam se reunindo, assim mesmo não culpou ninguém. Ouviu com atenção tudo o que tinham para mostrar, e que deliberadamente escondiam dele. Tiveram que contar como começaram, o que pretendiam, onde se “estrangularam” e se estarreceram, não conseguiam dar mais um passo. Relataram a Chico Lopes em mais ou menos três horas de narrativa.

Estavam na PUC, formavam o que eles mesmos intitularam de “Equipe de Economistas da PUC”, Andrea Calabi e André Lara Resende, encarregados de fazer a exposição para Chico Lopes, pararam, viraram para o colega que admiravam mas abandonaram, disseram: “É isso, Chico”.

Chico Lopes levantou, se colocou diante do quadro-negro enorme, “riscou” tudo na frente dos “iluminados” perplexos, mas já percebendo onde haviam abandonado o caminho e se perdido, trajeto que Chico Lopes recompunha e reconstruía.

O economista-matemático GENIAL, trabalhou 40 minutos exatos, mas os ILUMINADOS já vibravam muito e se entusiasmavam bem antes. Nada melhor para empolgar um economista iluminado do que um economista-matemático, que vinha da mais completa linha euclidiana. Sabendo e tendo a generosidade de retirar os ILUMINADOS da escuridão em que estavam.

Esses economistas ILUMINADOS, (que estavam no Poder) partindo dos ensinamentos de Chico Lopes, conseguiram estabelecer o Real como nova moeda, mas que ainda tinha grandes falhas. A principal: a supervalorização da moeda junto ao dólar. Coisa que provoca até hoje grandes complicações, discussões e taxações. (12 anos antes, com 80 centavos desse Real, era possível comprar 1 dólar, ou seja, o Real valia 20 por cento mais do que o dólar).

FHC foi “reeeleito” em outubro de 1998, tomou posse em janeiro de 1999, explodia a tremenda falha do Real, tudo foi pelos ares. Incluindo o presidente do Banco Central, o competente Gustavo Franco. Substituído por um economista que nem morava ou trabalhava no Brasil, era o principal executivo do gangster George Soros. (Só FHC seria capaz disso, qualquer outro teria sofrido o impeachment).

A confusão foi total, os ILUMINADOS enriqueceram, e não apenas de conhecimentos. Diante da crise, abandonaram a embarcação, alguns foram para a Europa, outros para os EUA, nos próximos 100 anos não terão problemas financeiros de espécie alguma.

Como era (e é) natural, começou a chamada “caça às bruxas”. (Um dos mais atingidos foi exatamente Chico Lopes. Demitido, abandonado pelos ILUMINADOS que salvou e alimentou o enriquecimento), ACUSADO (de quê?), processado, condenado a 25 anos de prisão.

Totalmente desligado de tudo o que seduziu e fascinou os ILUMINADOS, mora (?) num apartamento caindo aos pedaços no lugar mais pobre da Rua Barata Ribeiro. Não liga para nada, a Justiça pelo menos vai honrando seu nome. A condenação vai diminuindo, os próprios juízes ficam envergonhados.

*** 

PS – Depois de muito tempo, o primeiro recurso foi julgado, os 25 anos de condenação, reduzidos para 15. Mais tarde para 10, agora para 4, serviços comunitários.

PS2 – Sabe-se que no próximo recurso, o processo será arquivado, o que não serve a Chico Lopes, nem a ninguém. GOSTARIAM de julgamento para provar a INOCÊNCIA.

PS3 – Pois INOCENTE, Chico Lopes é desde que nasceu. Gênio conhecido e reconhecido, desprezou e desconsiderou todas as materializações que fascinaram os ILUMINADOS.

PS4 – A volta de Calabi deve significar a volta de muitos outros, embora alguns dos ILUMINADOS tenham medo do passado. E o que ganhariam? Não precisam de nada.

PS5 – FHC no Poder, chamou Quércia (agora morto) de ladrão, a palavra inteira. Quércia (não quero defendê-lo, isto é apenas História) respondeu: “Ladrão é intelectual que DEIXA ROUBAREM”. FHC não treplicou.

PS6 – Isso foi antes do Plano Real. Se fosse depois, Quércia poderia perguntar (como perguntei, na época, repeti, o que estou fazendo novamente): “Como é que economistas puderam sair do Brasil , CARREGANDO e DEPOSITANDO NO EXTERIOR TANTOS ZEROS?

PS7 – Como este repórter mesmo respondeu: “Só com apoio, aplauso e entusiasmo do presidente”. E nem quero lembrar o “maior amigo”, que financiou tanta coisa (foi sócio de Golbery durante a ditadura) morreu muito moço.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *