Antes mesmo de ser registrado, o novo Partido de Kassab já recebe denúncias de fraude. Alguém esperava algo melhor?

Carlos Newton

Listas de apoio de eleitores em São Paulo e no Rio de Janeiro à criação do PSD, partido organizado pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab, foram preenchidas com assinaturas falsificadas. Em uma das fichas, de 10 assinaturas coletadas, 5 foram feitas pela mesma pessoa. Em ficha do Rio, há assinatura atribuída a um eleitor que já estava morto.

Em outros Estados, acontecem as mesmas irregularidades. A coleta de assinaturas para a criação do PSD é alvo de dois inquéritos da PF, no Paraná e em Santa Catarina. No Amazonas, um juiz eleitoral identificou fraude em dois terços de uma lista de assinaturas entregue em apoio à criação do PSD. A Polícia Federal vai periciar o documento para comprovar as  falsificações.

A fraude foi constatada pelo cartório da 62ª zona eleitoral do Estado, em Manaus. De acordo com o juiz Carlos Zamith, das 900 assinaturas entregues em sua zona, cerca de 600 estão sob suspeita. As firmas da lista foram comparadas com as do caderno de votações.

“Apostaria o meu salário que foi uma pessoa que assinou uma das folhas inteirinha. A firmeza da escrita é a mesma”, disse Zamith.

Outras assinaturas foram entregues nas demais zonas eleitorais do AM. O juiz disse que funcionários identificaram um eleitor morto numa lista enviada à 59ª zona eleitoral de Manaus.

A coleta de assinaturas é uma exigência da Justiça Eleitoral para a criação de uma nova sigla. Kassab corre contra o tempo e precisa do aval do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) à assinatura de 490,3 mil eleitores até o dia 7 de outubro para que o novo partido participe das eleições municipais do ano que vem. Até agora, apenas cerca de 250 mil já foram certificadas por cartórios do país.

No Rio de Janeiro, o ex-deputado Indio da Costa, coordenador do PSD, disse que faz uma “checagem primária” das assinaturas, para evitar erros. Segundo ele, com esse procedimento, o partido já descartou 36 mil de cerca de 82 mil assinaturas coletadas, por ter identificado falhas.

Apanhado em flagrante, o prefeito Kassab disse o óbvio: que é responsabilidade da Justiça Eleitoral checar a autenticidade das assinaturas reunidas para a criação de seu partido, o PSD. é justamente o que todos esperam, que a Justiça se mexa.

Mas o que esperar de um partido como esse, que é uma espécie de Frankenstein político, montado basicamente com parlamentares de oposição, que de repente resolveram aderir ao governo federal?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *