Anvisa enfrenta Bolsonaro e defende exigência de passaporte da vacina a estrangeiros

Campanha de entidades científicas defende vacinas e combate fake news

Charge do Laerte (Folha)

Léo Arcoverde
GloboNews

Em resposta a pedido feito pela Prefeitura de São Paulo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reforçou nesta segunda-feira (6) ser a favor de exigência de passaporte da vacina contra Covid-19 a estrangeiros que entrem no país.

Ofício encaminhado pela Anvisa à Secretaria Municipal da Saúde diz que “é necessário que seja revista a política de fronteiras brasileira, especialmente para a inclusão da cobrança de prova de vacinação, de forma a estimular que o Brasil não se torne um dos países de escolha para os turistas e viajantes não vacinados.”

RECOMENDAÇÕES – Ainda de acordo com o documento, entre as recomendações, “está prevista a exigência de comprovante de vacinação dos viajantes, testagem para vacinados e não vacinados, autoquarentena para não vacinados e Declaração da Saúde do Viajante – DSV.”

Nesta segunda-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso determinou que os ministérios de Justiça, Saúde, Infraestrutura e Casa Civil sejam ouvidos, em 48 horas, sobre a demora para atualizar as regras de entradas de viajantes no país – sobretudo, após a descoberta da variante ômicron em países da África e da Europa.

A decisão foi tomada em uma ação da Rede Sustentabilidade que tenta obrigar o governo a adotar medidas sanitárias recomendadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como o “passaporte da vacina” ou quarentena obrigatória para quem chega ao Brasil e uma maior fiscalização dos voos que desembarcam no país.

EXIGÊNCIAS INEFICAZES – A portaria citada por Barroso e pela ação da Rede foi editada em 5 de outubro deste ano. Por essas regras, os viajantes que chegam ao Brasil por via aérea têm que apresentar teste negativo de infecção e uma declaração virtual dizendo que concordam com as medidas sanitárias adotadas no país.

Já pelas vias terrestres, a portaria determina que o acesso de estrangeiros é proibido. O texto prevê exceção apenas para pessoas que estejam em países vizinhos e precisem vir ao Brasil para pegar um voo de retorno à terra de origem.

Desde a edição da portaria, no entanto, a Anvisa emitiu diversas notas técnicas questionando as regras em vigor. Segundo a agência, as normas mais brandas para as viagens aéreas desconsideram o risco de transmissão representado por esses passageiros – que podem, inclusive, se infectar no próprio voo.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O cancelamento da reunião com a Anvisa demonstra o desinteresse do governo em tentar impedir a entrada de novas variantes do coronavírus no país. É lamentável e revoltante esse posicionamento infantil das autoridades que deveriam zelar pela saúde da população. O país está de cabeça para baixo (ou de ponta-cabeça, como dizem os paulistas). (C.N.)

8 thoughts on “Anvisa enfrenta Bolsonaro e defende exigência de passaporte da vacina a estrangeiros

  1. O Brasil é um ajuntamento de pessoas, definitivamente, surreal.

    Aqui tudo é ao inverso, do contrário, da contramão do racional.

    Se entendi bem a matéria, fala em “Passaporte ou quarentena para estrangeiros que chegam ao
    Pais”

    Muito bom , mas…….

    E os Brasileiros que retornam de outros países ???

    Já chegamos ao estágio de raça superior em que nada nos atinge??

    Afinal nosso grande líder sempre afirmou isso.

    Os mais de 600 mil mortos na covid, seguramente são de maus brasileiros, não patriotas…

    Ou seria esta restrição não extensível aos brasileiros que retornam por que ela criaria uma saia justíssima???

    Afinal o macho alfa, diz que não se vacinou e não se vacinará.

    Por estratégia de sobrevivência, servilismo, lambebotismo ou pouca inteligência mesmo, provável que maioria dos integrantes do governo seguindo o exemplo do imã , não devem ter se vacinado também.

    Então como se faz quando uma caravana ou um servidor isoladamente ou meu Deus, quando
    O avião presidencial, retornar de uma estada no exterior??

    Barra-se o Presidente por não cumprir a lei do país??

    Fecha-se os olhos e faz que ninguém viu nada?

    Ou na cara dura, descumpra-se a lei, afinal vacina é para esquerdistas, veados, velhos, ou
    Seja quem fraqueja…

    Então o veto imperial ao passaporte não e apenas mais uma afirmação de masculinidade latina

    Mas sim a única saída para evitar-se uma (mais uma) papagaiada tropical…

    Ou, o que seria muito pior, um abalo seríssimo na imagem do governo, com queda na bolsa,
    quebradeira geral, fuga de capitais, hordas de famélicos na rua se acontecer de descobrirmos que….

    Bolsonaro, na moita, se vacinou………

    Já pensaram, o caos, a insegurança, o temor do futuro ao saber que o Grande Timoneiro é um homem comum?

    Com medo igual a todos nós, a sua família, aos seus ministros, aos seus milhões de bravateiros
    Seguidores que correram na primeira oportunidade para se vacinar???

    Melhor não fazer passaporte nenhum

    Melhor suportar alguns milhares de mortos a mais

    do que esta tragédia na imagem do Messias

  2. Visitar a Amazônia precisa da vacina da febre amarela, assim como viajar para certos países no mundo.
    A razão para exigência não é a proteção do indivíduo vacinado. Mas, sim, da população no vai e vem do viajante.
    Caso o brasileiro precise viajar ao exterior, muitos países estão exigindo ou passarão a exigir… e vemos muitos bolsominion escondendo esse fato, ficando constrangido quando perguntado e somente então revelando a contragosto, que para entrar no país estrangeiro teve que comprovar a vacinação.
    Mas no Brasil ele defende que continue na idade média com suas ideias obscurantistas bolsolavista.

  3. Os buRRocratas da ANVISA precisam se informar: a tal da variante ômicron entrou no Brasil através de pessoas com duas ou mais picaduras.

    Já se sabe há meses que os vacinados também espalham o vírus, que eles também morrem de covid (além de trombose e de avc’s provocadas pela vacina). Então a pergunta é: se os vacinados transmitem a doença, qual a finalidade de coagir as pessoas a portarem um “passaporte” vacinal? São dois os motivos: 1) impor a vacinação obrigatória a toda a população, de modo que as big-pharmas os políticos fechem (com os políticos) negócios bilionários; 2) controlar a população dos países, usando técnicas de um estado policial nazi-fascista, como já fez a Austrália com a criação de campos de concentração e a Áustria com a quarentena obrigatória e a discriminação de não vacinados.

    A Alemanha nazista começou a discriminar judeus e ciganos, alegando que eles eram um vetor de transmissão de doenças, daí para as câmaras de gás foi um pulo.

  4. Bolsonaro que eminentemente nada conhece de política pública, voltar meia, quer dar uma de que entende de alguma coisa, principalmente daquilo que nunca ouviu falar e muito menos leu a respeito.

    O que um capitão de exército pode entender de politica sanitária? NADA.

    O que ele sempre faz, e muito mal, é tentar se manter na mídia, é uma espécie de framengo que tenta parecer ser do povo mas se esconde lá no Leblon e quer mesmo que o povo se exploda. O framengo fica de var no Leblon, e não na Gavea, e o terreno é do município. Quem não entendeu, vá pesquisar para não ficar repetindo: ” sou framengo até morrer” .

    Escrito isso, fica claro as instituições e pessoas públicas que tem compromisso popular e aquelas que sempre se servem da mídia, e em conluio com essa, enganam os incautos.

    O que a Anvisa está propondo é o óbvio e não cabe a uma pessoa , como Bolsonaro, impedir algo tão importante aos interesses dos Brasil pois só mesmo um apedeuta age dessa maneira.

    Não estranhem se Bolsonaro e Luiz Inácio vierem a bater chapa um outro com o outro sendo vice ou vice versa porque não há na terra dois imbecis mais parecidos. Os dois não gostar de trabalhar e nem de estudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *