Ao assumir o Supremo, Toffoli acena com boia aos náufragos da Lava-Jato

Dias Toffoli

Implantou cabelos, mas continua com a cabeça vazia

Bernardo Mello Franco
O Globo

O novo presidente do Supremo Tribunal Federal não disse a que veio em seu discurso de posse. Em 27 páginas, o ministro Dias Toffoli se esquivou de polêmicas e fez uma promessa vaga de “pacificação”. Citou os pensadores Renato Russo e Leandro Karnal, mas não encontrou tempo para falar de mordomias e privilégios. A palavra “corrupção”, que tem dominado a agenda da Corte, foi lembrada apenas duas vezes. Numa delas, o orador discorria sobre um programa de TV.

Horas antes do falatório, Toffoli deu uma pista mais quente do que esperar de sua gestão. Numa canetada, ele suspendeu a ação penal contra o ex-ministro Guido Mantega por corrupção e lavagem de dinheiro. O petista foi acusado de cobrar R$ 50 milhões da Odebrecht em troca da edição de duas medidas provisórias. Segundo o dono da empreiteira, o dinheiro serviu para “fins diversos” e abasteceu a chapa Dilma-Temer na eleição de 2014.

NO MINISTÉRIO – De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, o petista beneficiou a construtora em troca do pagamento de propina. Marcelo Odebrecht disse que o negócio foi fechado em reunião no escritório do Ministério da Fazenda em São Paulo. O delator contou que Mantega exibiu o valor desejado numa folha de papel. Para não deixar rastros, ele teria ficado com a anotação.

A conversa entre o ministro e o empreiteiro ocorreu em 2009, mas o processo só foi aberto em agosto passado. No dia em que completaria um mês, voltou à estaca zero. Toffoli tirou o réu das mãos do juiz Sergio Moro, titular da 13ª Vara Criminal de Curitiba.

Justiça Eleitoral – O ministro acusou o juiz de “burlar” um entendimento do Supremo. Ele alegou que o processo de Mantega se limitaria à prática de caixa dois. Por isso, deveria correr na Justiça Eleitoral, paraíso dos políticos investigados pela Lava-Jato. Moro já cometeu muitos excessos, mas a denúncia contra o ex-ministro descrevia um caso típico de corrupção.

Há uma diferença sensível entre as duas acusações. A lei é mais dura com os corruptos, que podem pegar até 12 anos de prisão. Quem faz caixa dois responde por falsidade ideológica eleitoral. Neste caso, a pena é de no máximo cinco anos. Na prática, ninguém vai para a cadeia.

A conversa de “pacificação” soa como música para quem não desistiu de estancar a sangria da Lava-Jato. O Supremo tem livrado figurões da tormenta, mas ainda há gente com medo de terminar o ano à deriva. Agora o ministro Toffoli acenou aos náufragos com uma boia.

TUCANAGENS – Gilmar Mendes não falha. Na sexta-feira, o supremo ministro libertou Beto Richa. O ex-governador passou apenas três noites na cadeia. A Sociedade Protetora dos Tucanos ainda deve uma estátua ao magistrado.

O habeas corpus também beneficiou Joel Malucelli, suspeito de fraudar licitações e desviar verba pública no Paraná. O empresário é financiador e suplente de Alvaro Dias, o presidenciável que manda o eleitor abrir o olho.

13 thoughts on “Ao assumir o Supremo, Toffoli acena com boia aos náufragos da Lava-Jato

  1. O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, utilizou suas redes sociais para anunciar uma transmissão ao vivo na tarde deste domingo (16).
    Site Renova Midia

    A live será transmitida pelo Facebook a partir das 16:50.

    A equipe médica do Hospital Albert Einstein autorizou que o presidenciável Jair Bolsonaro converse com seus eleitores através de uma live no Facebook.

    O candidato do PSL avisa que será um breve pronunciamento onde pretende trazer notícias e apreensões que tem para o futuro do Brasil.

    Você pode conferir a transmissão ao vivo nos próximos minutos clicando AQUI.
    Jair Bolsonaro 1️⃣7️⃣

    Twitter @jairbolsonaro

    Com autorização da equipe médica do Hospital Albert Einstein, hoje às 16:50 farei uma live para falar com todos! Até lá! Um forte abraço!

  2. Ele é parte principal desse mar de lama que sacode o Brasil, quem é petralha nunca deixa de ser petralha, e o Brasil que se dane, os fins justificam os meios como eles dizem por aí !!! Só peço aos que irão mudar o país, e tá perto de mais, que esse cara e Gilmar saiam algemados do stfpt !

  3. Acho que estamos confundindo o momento.

    Não será candidato algum que poderá desencadear alguma intervenção no país, mas o STF!

    Esta questão de liberar bandidos com a escancarada intenção de prejudicar a Lava Jato não vai ser aceita passivamente.

    Caso o petista Toffoli liberar Lula da prisão, convocando mais uma vez o plenário para que decida sobre a cadeia em segundo grau, O STF correrá sério risco de intervenção, e não o Brasil!

    E, merecidamente, diga-se de passagem.

    Toffoli, Lewandowski, Mendes, Marco Aurélio e o decano Mello, inconstante e instável, precisam ser afastados ou a Alta Corte aumentará as reações contra seus ministros.

    Obtendo uma grave crise moral e ética porque tendencioso, parcial e partidário, o futuro do Supremo está na corda bamba.

    Basta desta ditadura do Judiciário, que libera ladrões do erário e do país, enquanto deixa na cadeia milhares de pessoas apenas julgadas em Primeiro Grau!

    Chega de manobras dos ministros que impõem à sociedade a impunidade e proteção de seus amigos parlamentares!

    Os ministros citados acima estão no mesmo patamar de banditismo daqueles que soltaram!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *