Ao contrário do prometido, Copa foi realizada com recursos públicos

Deu no Lance

Números divulgados pelo Governo Federal mostram que a maior parte do dinheiro investido na construção e reforma de estádios para a Copa do Mundo foi oriundo dos cofres públicos, contrariando a promessa de que o aporte seria privado. Os dados constam da versão final da matriz de responsabilidade do torneio, divulgados pela Folha de S.Paulo nesta quarta-feira.

Segundo o documento, foram utilizados R$ 8,384 bilhões em todas as arenas. Desse valor, as prefeituras e os governos estaduais (incluindo o Distrito Federal) gastaram R$ 3,956 bilhões, ou seja, 47% do total. O restante dos recursos foram conseguidos por meio de financiamentos feitos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Dos cofres da iniciativa privada saíram apenas R$ 611,6 milhões.

À época da candidatura do Brasil para sediar a Copa do Mundo, o discurso do Governo Federal e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) era de que as obras referentes aos estádios seriam 100% bancadas pela iniciativa privada. O então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, chegou a declarar isso, porém não foi o que aconteceu.

Além da predominância de recursos públicos, outro dado exposto refere-se ao custo total das reformas e construções, que teve um aumento de 20% do previsto inicialmente, segundo mostra a matriz. Em 2010, o previsto era gastar R$6,955 bilhões.

– As novas arenas multiuso, que foram construídas ou reformadas para a Copa, tiveram custos alinhados com a média mundial para esse tipo de construção e são parte do legado esportivo deixado pelo megaevento – justificou o Ministério do Esporte à Folha.

(texto enviado por Mário Assis)

11 thoughts on “Ao contrário do prometido, Copa foi realizada com recursos públicos

  1. Li agora, em blog petista (vi o mundo), que um militar cubano de alta patente com dois ajudantes, tentaram passar drogas no hotel onde o petista estava. Os distintos foram fuzilados em que pese a patente. Não precisava tanto, era só colocar os 3 em prisão perpétua… se o Governo Dilma adotasse essa prática fidelista iria diminuir e muito o flagelo das drogas…

    • Não seria mais uma farsa tipo a do fuzilamento do General Ochoa ? O Fidel o usou até o último minuto para acobertar a estadia dos donos de cartéis em Cuba e depois mandou fuzilar?

    • O Viomundo do Luiz Carlos Azenha….
      “A Empresa Brasileira de Comunicação contratou empresa da namorada de Franklin Martins para produzir a segunda temporada de programa que era feito pelo blogueiro “progressista” Luiz Carlos Azenha na TV Brasil. A empresa que produzia o programa dirigido por Azenha agora acusa favorecimento. Matéria da Folha de S. Paulo (íntegra para assinantes):

      Uma empresa da namorada do jornalista Franklin Martins, ex-ministro da Comunicação Social, assinou em fevereiro com a EBC (Empresa Brasil de Comunicação) o maior contrato já firmado pela estatal com uma produtora em quase cinco anos de existência. Franklin, que foi um dos responsáveis pela criação da estatal em 2007, ainda tem influência política na EBC, vinculada à pasta da Comunicação Social. O atual diretor-presidente, Nelson Breve, contou com a indicação do ex-ministro.

      A BSB Serviços Cine Vídeo Ltda., da pernambucana Mônica Monteiro, 41, receberá R$ 2,39 milhões até outubro deste ano para produzir a série “Nova África”, veiculada pela TV Brasil. O programa prevê a produção de reportagens sobre a atualidade de países africanos. Cada um dos 26 episódios, de meia hora de duração, custará R$ 92 mil. A Cine Vídeo existe desde 2004, trabalhando com o setor privado. Seus trabalhos subcontratados pela União eram na área de publicidade. O negócio com a EBC é o primeiro contrato direto com o governo para produção de um programa de TV. O valor desse novo contrato representa mais que a soma de tudo que a Cine Vídeo recebeu, como subcontratada, do governo federal no segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2007-2010). O próprio Franklin vem trabalhando com a empresa da namorada, mas, segundo ele diz, em um projeto que não tem nada a ver com os programas para o “Nova África”.

      Mônica e o ex-ministro estão percorrendo países da África, na produção de uma série de entrevistas com presidentes do continente -que não têm relação com o “Nova África”. Franklin é o responsável pelas entrevistas. De Moçambique, por telefone, o ex-ministro negou irregularidade ou conflito de interesses na contratação da Cine Vídeo pela EBC. Franklin e Mônica estão juntos pelo menos desde meados de 2010, quando ainda era ministro. Na época, a Cine Vídeo era subcontratada por agências que tinham contrato com a secretaria do ex-ministro. Pouco depois do início da relação, a EBC lançou o edital de um concurso, em outubro de 2010, para a escolha da empresa que produziria a segunda temporada do “Nova África”. Franklin Martins só deixou o ministério em dezembro daquele ano, com o final do governo Lula.

      A Cine Vídeo ganhou, mas a empresa Baboon Produções, responsável pela primeira temporada do programa, apontou suspeita de favorecimento.Entre os problemas, o fato de a proposta da Cine Vídeo ter sido aberta antes da sessão de julgamento. De acordo com a EBC, isso aconteceu devido a uma goteira que molhou o envelope da empresa, obrigando a sua abertura. O departamento jurídico da estatal, então, decidiu sugerir, em março de 2011, a anulação do concurso, de forma a evitar “questionamentos que incidam sobre a parcialidade do resultado”. Cinco meses depois, em agosto passado, o edital foi relançado, e a BSB Cine Vídeo foi de novo a vencedora.

      Além da relação com Franklin, Mônica é amiga e foi sócia de Evanise Santos, namorada do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, acusado pela Procuradoria-Geral da República de ser o chefe do esquema do mensalão. Elas chegaram a ser sócias, entre 2008 e 2009, em uma empresa chamada Valore Moçambique Limitada.

      (grifos nossos)

      Comentário

      A ironia no caso é que a contratação da Baboon Filmes já foi motivo de polêmica em 2010, devido ao alto valor do contrato e a associação com expoentes da blogosfera governista. Confiram aqui o texto do Imprensa Marrom à época. Agora, derrotada pela “goteira companheira”, a empresa de Luiz Carlos Azenha denuncia “favorecimento”. Conte-nos mais, Azenha…

      • Para variar os fascistóides escondendo o que fazem com o dinheiro PÚBLICO. O contrato da Baboon foi retirado do Site a EBC. Esses caras se acham donos do país, do jornalismo, da imprensa e da idiotice, pois não adiante retirar, pois basta realimentar a internet ! Nos tempos do Stalin não havia isso, né?

  2. Apesar de tudo isso, de terem roubado tudo o que podiam e “last but not least” do 7×1, mais de 54 milhões de jumentos reelegeram esse lixo moral que está aí para desgovernar o país durante mais 4 longos anos.

  3. Os preços dos estádios puderam ser superfaturados à vontade graças a Lei Geral da Copa, relatada pelo cartola petista Vicente , Operação Perestroyka, Cândido, hoje sócio do presidente da CBF. Essa lei possibilitou que na Copa se usasse o RDC ( Regime Diferenciado de Contratações) que a Petrobras usa. Mesmo depois dos escândalos dos estádios, quem mais lutou para estender essa lei a todas as compras públicas foi o Zé Cuecão ! Como diz o Nassif: Assinado um Troll, com muito orgulho!

  4. Bem…
    Agora é só DOAR, digo, PRIVATIZAR e deixar na mão dos mesmos empresários que não quiseram tirar dos próprios bolsos na época da construção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *