Ao contrário do que se alardeia, o crescimento da economia não será tão forte

Resultado de imagem para economia chargesVicente Nunes
Correio Braziliense

Ainda que o governo tente mostrar otimismo, o crescimento da economia deste ano não será tão forte como muitos propagandeiam. E mesmo que o Produto Interno Bruto (PIB) avance os 3% projetados pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tal expansão não será suficiente para impulsionar o mercado de trabalho. Na avaliação de empresários, a criação de vagas será muito gradual. Eles estimam que, ao fim do processo de regularização do emprego, três em cada 10 demitidos durante o pior momento da recessão continuarão engrossando o exército de desocupados.

A visão nada otimista sobre o mercado de trabalho foi passada por um grupo de empresários em conversas com investidores estrangeiros.

QUADRO ENXUTO – A justificativa é a de que as empresas aprenderam a conviver com um quadro mais enxuto de pessoal. Durante o período de queda do PIB, de contração do consumo, tiveram que aumentar a eficiência. Também houve absorção de tecnologia. Hoje, produz-se mais com menos. Assim, mesmo que a economia ganhe tração, não será preciso inchar muito a folha de salários. A prioridade será ampliar as margens de lucro.

Os empresários reconhecem que, durante os governos de Lula e de Dilma Rousseff, exageraram na contratação de mão de obra. Instalou-se no mercado o temor de falta de profissionais. As empresas estavam oferecendo salários elevadíssimos sem qualquer critério. Não se avaliava corretamente a capacidade dos contratados. Mas, como o PIB estava deslanchado e o caixa, cheio, a ineficiência acabava encoberta pelo faturamento cada vez maior. Quando a recessão chegou com tudo, as companhias perceberam que tinham errado em muitas escolhas.

DESEMPREGO ALTO – “Portanto, não veremos grandes contratações. O governo fala na criação de pelo menos 2,5 milhões de empregos em 2018, dos quais 1 milhão com carteira assinada. Acho esses números exagerados. Não há como haver tantas vagas”, diz um industrial. “Além de estarmos com grande capacidade ociosa, podemos crescer sem precisar aumentar o quadro de pessoal”, acrescenta. Para ele, os empresários aprenderam a lição. “Ninguém mais vai abarrotar as empresas de gente, sobretudo porque é muito caro demitir”, frisa. “Todos serão mais parcimoniosos nas contratações.”

Diante das declarações dos empresários, os investidores não esconderam uma certa angústia em relação aos rumos da economia. Havia uma quase certeza de que a recuperação da atividade seria mais rápida, depois de um tombo superior a 7% entre 2015 e 2016.

ERROS DE DILMA – Historicamente, o Brasil sempre cresceu de forma robusta depois de períodos recessivos. Desta vez, porém, o quadro está sendo totalmente diferente. A destruição provocada pelas estripulias de Dilma Rousseff na economia foi profunda demais. Na melhor das hipóteses, o PIB voltará aos níveis de 2014 somente em 2020.

Para piorar, dizem empresários e investidores, há as eleições presidenciais no meio do caminho. A sete meses do pleito, não se tem a menor ideia de quem sairá vencedor das urnas. A aposta é grande para que um candidato reformista consiga cativar a maioria dos eleitores. Contudo, nenhum dos candidatos que vestem o figurino do mercado — Geraldo Alckmin (governador de São Paulo), Henrique Meirelles e Rodrigo Maia (presidente da Câmara dos Deputados) — empolga. O que acalma os ânimos dos donos do dinheiro é a perspectiva de Lula ficar fora da disputa pelo Palácio do Planalto.

14 thoughts on “Ao contrário do que se alardeia, o crescimento da economia não será tão forte

  1. Fora o fato de que para se propagandear emprego pleno, incentivava-se a contratação para os trabalhadores ficarem parados no parque fabril.
    Presenciei este fato na área naval; mas sei que nas refinarias em construção foi a mesma coisa.
    O Meirelles tinha que ter vindo como ministro da fazenda como Lula sugeriu e a Dilma preferiu o Mantega.
    Mas se ela fizesse isso, o Meirelles teria dado um “freio de arrumação” na economia e a dilmanta não faria o “carnaval” que fez e 2014, seria do ‘cumpanheiro’, nos braços do povo e então…
    O PT poderia aprofundar a bolivarianização do Brasil o que nos levaria de qualquer modo a um “desastre”.

  2. Talvez muito pior do que o que vivemos atualmente, pois apesar dos pesares, temos a Graça de Deus de ter a inflação sob contrôle.
    E os empresários estão mais do que certos; tem que se ter quadro enxuto e bem treinado, para podermos competir internacionalmente.

  3. Artigo enxuto, verdadeiro, bem feito.

    Não há como projetar qualquer crescimento com esta quantidade de desempregados e de inadimplentes!

    Falácias, sofismas, mentiras torpes.

    Temer tenta enganar, como fazia a sua antecessora, se não manipulando os números, afirmando o que não vai acontecer.

    Enquanto não existir um plano que coloque no mercado esses mais de 13 milhões de desesperados, que estão sendo conduzidos obrigatoriamente para o crime, o Brasil continuará estagnado, patinando, sem condições de sair do atoleiro que os péssimos motoristas que teve o colocaram nesta situação!

    Lula, Dilma, Temer, compraram a Carteira de Habilitação, então o desastre, milhares de mortos pela falta de recursos à saúde e segurança, milhões à procura de trabalho, milhares morrendo de doenças e falta de leito nos hospitais.

    Não adianta esses ministros de merda de Temer virem para a frente dos holofotes e vomitarem otimismo porque dá ânsia de vômito vendo a sujeira que botam boca a fora!

    E com essas malditas eleições, ainda por cima, o país irá para o ferro velho, pois a sua carroceria enferrujará, eletrônicos deixarão de funcionar, os pneus sofrerão abaulamento, e internamente o veículo será deteriorado.

    Mas, os motoristas criminosos, que mataram e roubaram essas vidas, querem voltar a dirigir, sem carteira, sem condições, oferecendo muito dinheiro pelo documento.

    Pois devem ser atropelados e vítimas de acidentes, tomara!

  4. Já tivemos o segundo parque naval do mundo em produção e na década de noventa, embora nossa eficiência ainda fosse menor do que a japonesa, tínhamos preço competitivo, pelos salários mais baixos; mas por não haver política de estado para este segmento, tudo foi para o ‘brejo’.

  5. O país vai crescer menos de 3% e o pior será o aumento dos juros americanos. O aumento dos juros americanos poderá fazer o país elevar a SELIC a 8%. O país só vai melhorar com o ajuste fiscal em cima dos salários milionários do Judiciário e Legislativo, além de diminuir o número de estatais para diminuir a corrupção.

    • Caro Virgulio,

      -Por isso existem os “brasiguaios”!
      -E se o Morales não tivesse expulsado os brasileiros da fronteira, hoje também existiriam os “bolivieiros”.

      -Um amigo meu está muito bem de vida: Fechou a pequena empresa dele aqui, no Distrito Federal, e montou outra no Paraguai. Ele disse que lá ele trabalha para ele.

      -Todos nós sabemos que QUEM TRABALHA NO BRASIL, NÃO TRABALHA PARA SI, nem para a própria família.

  6. -Pois é: Tantos “especialistas” em economia passaram os últimos trinta anos estudando como administrar melhor os nossos recursos, todos eles “donos da razão” com doutorados, mestrados e especializações no mundo desenvolvido (teve até professor universitário, vejam só) e… até agora, nenhum deles conseguiu fazer o país decolar rumo ao desenvolvimento.

    -Quando muito, conseguiram fazer a nossa economia efetuar o chamado “voo de galinha” ou o “nado do peixe-boi”: sobe um pouco para não morrer afogado e… mergulha de novo! Sobe um pouco para não morrer afogado e… mergulha de novo!

    -Mas Bolsonaro não pode ser presidente porque não entende de “economia”. Quem entende são os últimos presidentes e ministros da fazenda que nos enfiaram nesta enrascada que já dura quase cinquenta anos e que não tem data para acabar!

    Abraços.

  7. Não deixe que a política radical de Marielle seja explorada ou apagada, como o Fantástico tentou fazer no último domingo.

    Por Gleen Greenwald

    A Globo pôde ver que a reação ao assassinato de Marielle vinha crescendo e se fortalecendo, indo em direções que deixam as elites brasileiras profundamente desconfortáveis. A cobertura que vimos ontem no Fantástico foi a tentativa da Globo de retomar o controle da narrativa. Houve partes da reportagem do Fantástico que foram genuinamente informativas e jornalisticamente impecáveis…O programa fez jus à trajetória notável e inspiradora da vida de Marielle.

    Mas Marielle era, antes de tudo, uma pessoa política: uma radical, no melhor e mais nobre sentido da palavra. .. O que faz de seu caso tão jornalisticamente relevante é sua política, que por sua vez produziu os motivos políticos para que alguém a quisesse morta.

    Em última análise, o que o Fantástico realmente buscava se tornou cristalino no fim de sua cobertura… Esse crime está apontando um dedo não para os traficantes de drogas ou criminosos comuns – a narrativa favorita da Globo – mas às forças utilizadas pelas elites do país para impor seus interesses e assegurar seus privilégios.

    É por isso que o Fantástico investiu pesado nas emoções humanas nesta reportagem e ignoraram os aspectos políticos assustadores da vida de Marielle…. Fantástico explorou a imagem de Marielle para obter apoio à uma política que ela detestava: a “intervenção” militar de Michel Temer no Rio de Janeiro.

    Depois de 45 minutos construindo tristeza e raiva pelo assassinato, o Fantástico canalizou esses sentimentos de forma manipulativa e exploradora, subvertendo as causas políticas de Marielle.

    Imediatamente em seguida aos segmentos homenageando Marielle veio um sobre o assassinato horrível de uma criança no complexo do Alemão, indo em seguida para um repórter em Brasília que informou que o presidente estava naquele momento em uma reunião com ministros em busca de mais recursos para a intervenção.

    Foi nesse momento que ficou clara a agenda odiosa e ameaçadora do Fantástico. Não se tratou somente de eliminar o riso de que a morte de Marielle galvanizasse apoio para a causa política à que ela dedicou sua vida. Foi ainda pior: exploraram a morte de Marielle para fortalecer tudo que ela lutou contra.

    https://goo.gl/k6ADzt

    • -EU PERCEBO que algumas pessoas querem colocar a MARIELLE COMO BANDIDA para que a ideia de colocar bandido na cadeia para que os cidadãos possam sair às ruas seja abandonada.

      -Prender traficantes e ladrões e combater o crime organizado é ser um inquisidor e ir contra os ideais da “Santa Marielle”…
      -E isso, além de ser um “crime”, também é um pecado!

  8. Caro Virgílio.

    Às vezes tenho a impressão que apenas DOIS MAGISTRADOS trabalham neste país: o Moro e o Gilmar Mendes.
    -Um trabalhando para prender e o outro trabalhando para soltar! E só.

  9. Deve está entrando pouca verba do governo!
    E os administradores são tão tapados que limitam o acesso dos internautas!
    -Ora, como veremos as publicidades se não podemos abrir a página?
    -Como alguém pensará em anunciar em uma página que proíbe que as pessoas tenham acesso?

  10. Destruir é fácil, difícil é construir. O governo do PT, Lula, Dilma e aliados, destruíram o país.levando-o a uma enorme crise. Empresas tiveram que demitir funcionários, outras fecharam as portas. Para gerar empregos, primeiro as empresas tem que se recuperar e abrirem novas empresas. Isso leva tempo. Considerando-se o buraco que o Brasil foi enfiado, qualquer melhoria, por menor que seja é importante, como a diminuição da taxa SELIC, a inflação baixa e tendência da melhoria do PIB.
    Sem entrar o mérito da corrupção que o governo do Temer está envolvido: em dois anos conseguiram dar os primeiros passos para tirar o país da crise, mesmo sofrendo pressão de todos os lados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *