Ao iniciar as negociaes, delatores da JBS j tinham cooptado dois procuradores

Resultado de imagem para ngelo goulart procurador

Angelo Villela foi um dos procuradores cooptados

Wlter Nunes
Folha

Um dos delatores da JBS disse Folha, sob a condio de anonimato, que gravou conversa com integrante da Procuradoria-Geral da Repblica no incio das negociaes de delao premiada dos executivos da companhia. Segundo ele, o dilogo foi apagado aps as negociaes avanarem. O delator no revelou a identidade do procurador grampeado. O executivo justificou a gravao dizendo que os delatores da JBS desconfiavam da honestidade dos procuradores.

A suspeita teria aumentado depois que o advogado Willer Tomaz, contratado pela companhia, entregou informaes sigilosas da Operao Bullish, que investigava uma empresa do grupo, repassadas por ngelo Goulart, membro da fora-tarefa do Ministrio Pblico Federal. A dvida s se dissipou, segundo o delator, quando os procuradores passaram a investigar Goulart.

O procurador-geral da Repblica, Rodrigo Janot, afirmou na segunda (4) que analisa a resciso da delao dos executivos da JBS por conta da omisso de informaes sobre crimes. Disse que o ex-procurador Marcelo Miller, que foi da fora-tarefa da Lava Jato, pode ter ajudado a JBS quando ainda fazia parte do Ministrio Pblico. Miller pediu demisso da Procuradoria e se associou ao escritrio Trench, Rossi e Watanabe, contratado pela JBS.

O delator disse que nunca omitiu Procuradoria nada sobre Marcelo Miller.

OUTRA GRAVAO – A Folha apurou que a JBS tambm se preocupa com gravaes que seus executivos fizeram envolvendo advogados da empresa. Elas teriam sido apagadas e posteriormente recuperadas em gravador que foi entregue pelos delatores para exame de peritos da Polcia Federal.

Recentemente a JBS contratou um escritrio de So Paulo para adotar medidas para que o contedo das conversas envolvendo os advogados da empresa no fizesse parte da investigao e nem viesse a pblico, evocando o princpio da inviolabilidade da relao cliente e advogado.

NOTA DA J&F – A assessoria de imprensa do grupo J&F, controlador do frigorfico JBS, divulgou nota em que diz que sua defesa considera precipitada a interpretao da Procuradoria-Geral da Repblica sobre os novos udios de conversas dos delatores do grupo empresarial.

“A defesa dos executivos da J&F junto ao Ministrio Pblico Federal informa que a interpretao precipitada dada ao material entregue pelos prprios executivos Procuradoria-Geral da Repblica ser rapidamente esclarecida, assim que a gravao for melhor examinada”, diz a nota, acrescentando:

“ verdade que ao longo do processo de deciso que levou ao acordo de colaborao, diversos profissionais foram ouvidos -mas em momento algum houve qualquer tipo de contaminao que possa comprometer o ato de boa f dos colaboradores.”

O advogado Marcelo Miller no quis se pronunciar sobre o teor das acusaes.

###
NOTA DA REDAO DO BLOG
Como se v, a JBS tinha razo em suspeitar dos procuradores, porque dois deles, Marcelo Miller e Angelo Villela, j tinham sido cooptados pela defesa da empresa. Se a empresa conseguiu subornar procuradores para ajud-la na delao, claro que o governo Temer poderia cooptar outros para atrapalhar, porque estamos diante de uma briga de cachorros grandes, como se diz popularmente. (C.N.)

3 thoughts on “Ao iniciar as negociaes, delatores da JBS j tinham cooptado dois procuradores

  1. Do site do Globo de hoje:
    Gilmar diz que Janot armou para atingir o Supremo
    Para o ministro do STF, caso mostra falta de escrpulo e tudo que vier do procurador agora ser suspeito 13
    ===============
    Depois a ministra Carmen Lcia fica ofendida com a falta de respeito aos ministros do STF. Onde est a honorabilidade do Gilmar diante dessas declaraes?
    Pimenta nos dos outros refresco…

  2. A nota da redao foi bem eloquente. Realmente Janot deu toda munio, mesmo que de festim, para que os defensores incondicionais de Temer se manifestem. No h a menor sombra de dvida de que ao primeiro sinal de moralidade no Executivo e Legislativo, Gilmar Mendes, Lewandowsky e outros, simplesmente despencam do STF.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.