Ao invés de um Feliz Ano Novo, um alerta. O fim de um ciclo de 20 anos de avanços.

Cristovam Buarque

O ano de 2012 terminou com o país apresentando seu menor índice de desemprego da história, os turistas brasileiros gastando US$ 20 bilhões no exterior, a desigualdade diminuindo, e o salário médio do trabalhador subindo. Quase tudo permitiria fazer do primeiro artigo do ano um momento de celebração. Mas, em vez de um tradicional Feliz Ano Novo, é mais correto alertar para os riscos adiante.

A inflação mostra sinais de sair do controle. A taxa seria ainda maior se não fossem as medidas artificiais de controle de preços. Cabe alertar que a inflação sobre os bens de consumo das camadas mais pobres, em quase 8% em 2012, reduz substancialmente os resultados do Bolsa Família e os aumentos no salário mínimo.

O reduzido desempenho do PIB tem características estruturais que dificilmente serão superadas de maneira estável, se a economia não for capaz de fazer duas inflexões. Primeira, mudar a exagerada preferência pelo consumo, que sacrifica a poupança. O Brasil consumidor de hoje inibe a taxa de crescimento no futuro, por falta de poupança.

Esta falta de poupança está vinculada não apenas à preferência pelo consumo, mas também à falta de oportunidades de investimento nos setores mais dinâmicos da economia moderna. Por isso, a segunda inflexão é desenvolver capacidade de inovação para a economia brasileira oferecer oportunidades aos setores de produtos de alta tecnologia, o que exige uma revolução educacional ainda não iniciada, nem mesmo anunciada em 2012.

###
GASTOS PÚBLICOS

É necessário alertar para o aumento nos gastos públicos, que seguirão pressionando, ainda mais, o risco de elevação da inflação.

Como se não bastassem os alertas sobre a economia, o Brasil precisa ver outros riscos adiante.

O ano começa com enfrentamento entre os Poderes: o Poder Executivo demonstra cada vez mais seu poder hegemônico, desrespeitando o Congresso Nacional que, subserviente, aceita aprovar tudo que o governo determina e acumula 3.060 vetos presidenciais sem votação; o STF tomando medidas que se contrapõem à vontade do Congresso, que por incompetência, inapetência ou descuido para legislar de forma clara dá à Justiça o poder e a obrigação de interpretar a Constituição, legislando porque os congressistas não legislam.

Não por nossa vontade, poderemos enfrentar a perda de mercados externos dos nossos produtos, majoritariamente primários, pela crise econômica mundial ou por fenômenos naturais, cobrando um alto preço na estabilidade monetária, no crescimento da economia e mesmo na sustentabilidade e na eficiência dos programas sociais.

O ano de 2012 faz parte de um ciclo de 20 anos de contínuo avanço, mas é preciso alertar que os pilares desse período estão a se esgotar. Por isso, ao lado da celebração do ano que terminou, precisamos alertar para o futuro que começa em 2013.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *