Ao pedir a prisão de Loures, o procurador também incriminou Temer diretamente

Resultado de imagem para rodrigo janot charges

Com habilidade, Janot deu um xeque-mate em Temer

Fausto Macedo, Fabio Serapião e Julia Affonso
Estadão

O criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira declarou neste sábado, dia 3, que o procurador-geral da República Rodrigo Janot age movido por ‘nítido viés politico’. Mariz ficou indignado com afirmação do chefe do Ministério Público Federal de que o ex-deputado e ex-assessor do presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha loures, é ‘um verdadeiro longa manus de Temer’, ou seja, executor de crime ordenado pelo presidente.

“Dizer que o Sr. Rocha Loures é longa manus do presidente constitui mais uma assertiva do procurador-geral desprovida de qualquer apoio nos fatos e, portanto,  é uma afirmação fruto do seu desejo de pura e simplesmente acusar o presidente da República dentro de um quadro meramente ficcional”, declarou Mariz.

O criminalista, que se reuniu na tarde deste sábado com o presidente para definir a estratégia de defesa, disse que o procurador-geral ‘tenta impressionar a opinião pública com uma afirmação que apresenta-se não como uma declaração jurídica,  mas com nítido viés político’.

Segundo o defensor do presidente,  Janot não poderia proceder assim ‘porque o procurador é o fiscal do cumprimento da lei que tem o compromisso com a verdade dos fatos e com o ideal da Justiça’.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O advogado de Temer é especialista no “jus sperniandi”. O ilustre causídico pode espernear à vontade, mas não conseguirá enganar ninguém. O procurador-chefe Janot jamais disse que Rocha Loures representava o presidente Temer. Ele apenas repetiu o que o próprio Temer afirmou na conversa sigilosa com o empresário Joesley Batista, no subsolo do Palácio Jaburu. Temer nomeou (sem publicação em Diário Oficial…) Loures para se entender com Joesley. Quanto à expressão “longa manus de Temer”, é apenas uma denominação elegante. Em tradução simultânea, significaria “é o cúmplice de Temer. Ou seja, ao pedir a prisão de Loures, o procurador também incriminou Temer diretamente. (C.N.)

5 thoughts on “Ao pedir a prisão de Loures, o procurador também incriminou Temer diretamente

  1. Empurrar as reformas da previdência tirando dos velhinhos e velhinhas, mas a ter uma aposentadoria da JBS em 500.000 por semana é fácil – desde que coloque nos rabos dos outros – não é Temer? Temer teria que se preso primeiro que Lula.

  2. Ele disse que não sai, mas se a justiça determinar, não adianta, ele cometeu crime e ainda foi gravado, o caso dele não tem defesa, só se tivermos uma justiça dúbia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *