Apenas uma pantomima

Carlos Chagas

Conforme o Aurélio, pantomima significa logro. Embuste. Também é a arte da expressão por meio de gestos. Mímica, onde se prescinde da palavra.

Com todo o respeito à memória do dr. Ulysses Guimarães, foi o espetáculo encenado pelo PMDB, no sábado que passou. Por aclamação, Michel Temer viu-se reeleito presidente do partido. A imagem que ficou foi do parlamentar paulista de mãos dadas e  levantadas com José Sarney,  Romero Jucá, Waldir Raupp e outros, comemorando sabe-se lá o quê. Porque dividido o PMDB estava e continuou, apesar do registro de seu presidente sobre apresentar-se  unido. Deixaram de comparecer Roberto Requião, Pedro Simon, Luiz Henrique, Orestes Quércia, Jarbas Vasconcelos, André  Pucinelli e outros defensores   da candidatura própria à presidência da República.  Como apesar de prevista sua visita aos convencionais, Dilma Rousseff não  apareceu, a conclusão é de que continua tudo na mesma. O presidente Lula não quer Michel Temer como companheiro de chapa da candidata do PT e o PMDB aguarda melhores dias para definir-se. Talvez só na outra convenção, em junho.

Encolheu-se até o solitário presidente de honra do partido, Paes de Andrade, que havia anunciado a disposição de contestar a reeleição de Michel Temer, com base num discutido compromisso de fazer do deputado Eunício Oliveira o novo presidente.

Em suma, uma pantomima mesmo, muito diferente das antigas e já esquecidas reuniões dos tempos em que o então  MDB insurgia-se contra o regime militar e formava na primeira linha da resistência democrática.   A democracia foi restabelecida e a legenda murchou. Há quem preveja a perda da condição de  maior partido   nacional, nas eleições de outubro. Não vai ser fácil manter o  maior número de governadores, senadores e deputados.

Trinta anos depois

O PT comemora esta semana  trinta anos de existência. Durante as preliminares para sua fundação, discutiu-se com intensidade se deveria declarar-se uma legenda marxista. Foi por pouco que o rótulo deixou de ser adotado, mas entre as primeiras propostas estavam a decretação da moratória sobre a dívida externa, a estatização das indústrias de base, a participação dos trabalhadores no lucro das empresas, a limitação do  ensino particular, a taxação das grandes fortunas e a imediata distribuição da terra através de radical reforma agrária. Bem como a obrigação  de jamais o partido aliar-se a outras agremiações burguesas. O objetivo seria de disputar sozinho a conquista do poder.

Pois é. O PT está no poder, muita gente caiu fora, outro tanto foi mandado passear  e a pureza dos tempos antigos saiu pelo ralo. Nada mais burguês do que um companheiro de hoje, a começar pelo primeiro deles. Nunca o  empresariado viveu dias tão felizes, jamais a política econômica foi  neoliberal como agora, ao tempo em que raras vezes se tem visto tão poucas greves e manifestações sindicais. Nem mesmo o MST constitui exceção, apesar de suas excentricidades.

A conclusão será  uma de duas: ou  as propostas ideológicas de 1980 estavam erradas ou o PT sucumbiu às tentações da  burguesia.

Rompendo a barreira

Dois meses atrás, quando o governador Roberto Requião  admitiu a hipótese de candidatar-se à presidência da República, pelo PMDB, a mídia erigiu   em torno dele uma verdadeira cortina de silêncio. E não apenas a mídia, mas também as elites, os demais partidos,  as associações de classe e até os institutos de pesquisa eleitoral. Nem relacionavam seu nome como uma opção para os consultados.

As coisas começaram a mudar, menos pela crise que atropela o PMDB, mais pela reação que a presença do governador vem despertando nos diversos estados que percorre. A razão é simples: enquanto Dilma Rousseff, José Serra, Marina Silva e Ciro Gomes apresentam-se como candidatos, mas  sem planos ou programas de governo, Requião aparece com um elenco de postulados concretos. Promete a redução drástica da carga fiscal, a participação dos empregados  no lucro das empresas, a descentralização administrativa, o apoio à pequenas e  médias atividades industriais, comerciais e agrícolas, investimentos públicos  maciços na infra-estrutura rodoviária e ferroviária, além dos portos, e mais uma série de objetivos diretamente voltados para  quantos o ouvem.  Pelo  menos um serviço ele vem prestando ao processo sucessório: tira-lo da estratosfera. A prova é de que a mídia já começa a acompanhá-lo, cedendo à natureza das coisas.

Parece que não o conhecem

De uns dias para cá tem aparecido certos  disparates  em torno da sucessão presidencial. Ora se divulga a formação  da chapa Aécio Neves-Ciro Gomes, ora se fala na permanência de José Serra no governo de São Paulo. A impressão é de que os boateiros perderam a noção da realidade. Para o bem ou para o mal, quer dizer, quaisquer que sejam seus planos para o país, neoliberais ou progressistas, José Serra não deixará de ser candidato ao palácio do Planalto. Gostaria de ter Aécio Neves como seu vice, mas não será a ausência do  governador de Minas, na chapa,  que o fará voltar atrás. Da mesma forma, como supor Ciro Gomes atrelado aos tucanos, ele  que tem sido ferrenho adversário do PSDB, desde os tempos de Fernando Henrique?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *