Apertem os cintos, a testemunha da Lava Jato sumiu

Careca entregou Anastasia e Cunha, depois desapareceu

Carlos Newton

Causa espanto e preocupação o desaparecimento de uma das principais testemunhas dos processos da operação Lava Jato, o agente federal Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca, que atuava como entregador de propinas para o doleiro Alberto Yousseff.

Segundo o jornalista Lauro Jardim, titular da mais importante coluna da Veja, o sumiço de Careca está intrigando seus colegas da Polícia Federal, que já informaram ao Supremo Tribunal Federal que o agente foi procurado em 20 de abril para um interrogatório sobre acusações contra o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, e o senador Antonio Anastasia (PSDB-RJ), mas não conseguiram localizá-lo.

Lauro Jardim explica que, ao contrário dos empreiteiros libertados na semana passada, o agente federal não teve de usar tornozeleira eletrônica, porque foi libertado com o vencimento do mandado de prisão temporária expedido contra ele.

PRECISA SE EXPLICAR

É importantíssimo este novo depoimento do agente federal, porque suas declarações anteriores são altamente contraditórias. Ele disse, por exemplo, que foi a Belo Horizonte entregar propina a um homem que ele não conhecia e nem lembra mais o nome, mas depois identificou como sendo Antonio Anastasia, que à época era vice-governador de Minas, porque teria visto uma foto dele no jornal, vejam só que história mal contada.

O depoimento sobre Eduardo Cunha também é estranhíssimo. Careca disse que entregou dinheiro na casa do deputado federal, mas não soube dizer quem recebeu a propina. Descreveu uma mansão amarela no condomínio Novo Leblon, no Recreio dos Bandeirantes, mas a residência não pertence a Cunha, mas ao advogado Francisco José Reis, que é muito ligado ao deputado Jorge Picciani, presidente do PMDB estadual.

Detalhe importante: em seus depoimentos, Yousseff garantiu que jamais mandou entregar dinheiro a Cunha, Picciani ou Anastasia. Isto é, um dos dois está mentindo – o doleiro ou seu entregador de propinas.

O PRAZO TERMINA HOJE

Bem, hoje é o Dia D. Se o agente Jayme Careca não aparecer esta segunda-feira na 13ª Vara Federal de Curitiba, para prestar novo depoimento e esclarecer essas contradições, o juiz Sérgio Moro certamente decretará a prisão preventiva dele, se é que a testemunha ainda está no Brasil ou se é que ainda não foi transformada em arquivo morto, digamos assim. E la nave va, sempre enlouquecidamente.

3 thoughts on “Apertem os cintos, a testemunha da Lava Jato sumiu

  1. Parece meio óbvio que o agente foi pago para envolver Eduardo Cunha nas investigações, como forma de intimidação pelo PT. Por essa razão o depoimento dele é contraditório com o de Youssef e isso também ajuda a explicar o sumiço: pegou a grana e se mandou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *