Apesar da conspiração da Globo, da CBF, dos patrocinadores, das intrigas do assessor de coudelaria, da arrogância e improvisação do Dunga, o Brasil está quase na final

O Caderno de Esportes da Folha, é enganado docemente pelo chamado “assessor de coudelaria”. Dá como fonte, sempre, isto: “Alguém que circula junto da seleção”. Ha!Ha!Ha! Ora, ele está praticamente proibido de entrar lá, e Ricardo Teixeira nem se fala. Portanto, não tem nem informação.

Há mais ou menos 1 ano e meio, a Globo queira derrubar Dunga, não servia aos interesses da Organização e não ganhava. Montaram então um programa “Bem, Amigos”, sem informação mas com o objetivo de retirar Dunga e colocar Muricy Ramalho. Só que a partir de um jogo em Brasília, a seleção começou a ganhar tudo, como demitir o treinador?

Muricy Ramalho, que estava no programa “Bem, Amigos”, acreditou em tudo, vibrava como novo treinador. Se preparou para o dia do grande evento ou acontecimento. Como nada acontecia, foi cobrar do Galvão Bueno. Este, que cumpria ordens, ficou contemporizando, que palavra, até que Muricy compreendeu que tudo era armação, e deu um telefonema ao mesmo tempo duro e amargo, se desligando de tudo.

Dunga, que viu e gravou o programa, alertado, foi rebuscar e não era nada difícil comprovar. De posse das informações, Dunga se concentrou em ganhar, tinha certeza de que “não se mexe em time que está ganhando”. No caso, não era no time e sim no treinador, mas o lugar-comum tinha toda razão de ser.

Ganhou a Copa das Confederações, venceu a Argentina em Rosario, (terra do Veron), o Uruguai também lá mesmo. Nas eliminatórias para a Copa, vinha mal, se recuperou, ficou classificado em primeiro lugar. Era a glória, e para um homem com a formação do Dunga, “que guarda ódio no freezer”, (royalties para Tancredo Neves), o futuro se desenhava maravilhosamente positivo.

A Organização Globo e a CBF continuavam esperando, acreditavam que ainda havia tempo para derrapagem. Só que o tempo-limite era a viagem para a África do Sul. Depois, como demitir um treinador em plena competição-maior, que é a Copa?

Antes da viagem veio a convocação dos 23 jogadores, a polêmica maior e inadiável. O país estava dividido, a CBF e a Organização, nem se fala. Antes dessa convocação, a grande pergunta: “E se Kaká se machucar?” Tinha sentido, vinha atuando pouco no Real Madri, um ano praticamente de inatividade.

Só que na hora de anunciar os nomes, a doença de Kaká passara de eventualidade para realidade. A pubalgia, chata, de cura lenta e dolorosa, não estava mais sozinha, surgiram dores nos músculos. Havia um clamor pela ida de Ronaldinho Gaúcho e Ganso, substitutos mais do que naturais.

Dunga não ligou para nada, levou 10 volantes, dos quais 8 dispensáveis, mas não fez concessões. Naquele momento, o treinador era absoluto e insubstituível. Dunga sabia disso e exerceu seu Poder, não apenas contra os jornalistas, mas principalmente atingindo e restringindo a força dos patrocinadores, que ao mesmo tempo fazem a fortuna da Globo e da CBF.

Ricardo Teixeira sabe que é poderoso mas ATINGÍVEL. Malandríssimo (escapou até da CPI que o indiciou), não queria ser visto por Dunga. A Organização, também poderosa, mas INATINGÍVEL, num gesto irresponsável, tentou derrubar Dunga, não conseguiu.

Estávamos em plena Copa, faltavam apenas 4 jogos, a seleção passara da primeira fase, só muita exigência dos patrocinadores levaria a Globo a esse haraquiri.

Antes da decisão definitiva, a Globo, entusiasta da pesquisa, fez uma interna. E como os resultados eram todos favoráveis a Dunga, levantou bandeira branca, anunciou oficial e ditatorialmente: “O episódio está encerrado, COMO SEMPRE TORCEREMOS PELA SELEÇÃO”. Era a confissão de que NÃO TORCIAM.

Depois desse “Adeus às Armas” da Globo, veio o primeiro jogo sem Kaká e Robinho. Como se previa, ou melhor, se sabia, não havia substitutos. Qualquer um que entrasse não passaria, como não passou, de remendo. A sorte: o adversário (?) dominado pela pretensão, a vaidade e a autoidolatria (leia-se, Cristiano Ronaldo), conseguiu um chatíssimo 0 a 0.

Esse resultado insuportável ressuscitou o insuperável assessor de coudelaria, que voltou a aparecer como informante sem informação. Mas espalhava para todos os lados: “O clima na concentração é impressionante, ninguém se dá com ninguém, todos querem a vaga do outro”. Como pode saber, se não vai à concentração?

***

PS – Apesar de tudo isso, a seleção do Brasil avança, altiva, impávida e altaneira. Foi facílimo, como tinha que ser. No gol de Robinho, ficou claro: Ramires tem lugar garantido.

PS2 – A Holanda nas quartas e Gana ou Uruguai, na semifinal, nem problema ou preocupação. Como já deixei claro, quero essa final com a Argentina, por dois motivos importantes.

PS3 – Em 80 anos de Copa, nunca houve um título disputado entre essas duas potências, que juntas já ganharam 7 mundiais.

PS4 – Em 1974, na Alemanha, no dia do enterro do presidente Perón, o Brasil derrotou a Argentina, mas não foi campeão.

PS5 – Em 1990, na Itália, a Argentina ganhou do Brasil por 1 a 0, (o famoso gol de Caniggia, num passe esticado de Maradona), mas não ganhou o título.

PS7 – Está na hora de serem finalistas.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *