Apesar de ter antecipado ações da PF contra governadores, Zambelli nega conhecimento prévio de operações

A auxiliar informal de Bolsonaro cantou a pedra com antencedência

Renato Machado
Folha

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) negou nesta terça-feira, dia 26, que tivesse informações prévias sobre operações da Polícia Federal contra governos estaduais, como a lançada nesta manhã no Rio de Janeiro. Em suas redes sociais, Zambelli foi cobrada pela parlamentar Talíria Petrone (PSOL-RJ) sobre ter falado em entrevista sobre a ocorrência de “operações” nos próximos meses.

“Se eu tivesse informações privilegiadas e relações promíscuas com a PF, a operação de hoje seria chamada de “Estrume” e não “Placebo”. Está aí sua explicação, defensora de maconheiro”, respondeu a deputada.

CONTROVÉRSIA – Na noite de segunda-feira, em entrevista à Rádio Gaúcha, a deputada disse ter conhecimento de que havia investigações contra governadores estavam em andamento, por conta dos gastos para combater a Covid-19, e que em breve operações seriam lançadas.

“A gente já teve algumas operações da Polícia Federal que estavam ali, na agulha, para sair, mas não saíam. E a gente deve ter nos próximos meses, o que a gente vai chamar, talvez de ‘Covidão’ ou de…não sei qual vai ser o nome que eles vão dar. Mas já tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal”, disse Zambelli.

Com um pouco mais de cuidado, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também deu a entender que poderia ter conhecimento prévio de novas ações da Polícia Federal. Na noite desta segunda-feira, o parlamentar divulgou o vídeo de uma ação de busca e apreensão em Fortaleza, quando sugeriu que outras poderiam acontecer.

MAIS OPERAÇÕES – “Os que achavam que se aproveitariam da pandemia para roubar e ficar impunes se enganaram. E acredito que tenha muito mais operação para vir aí. O que vocês acham?”, postou Eduardo Bolsonaro, em suas redes sociais.

Na manhã desta terça-feira, a Polícia Federal realizou a operação Placebo, no Rio de Janeiro, para apurar indícios de desvios de recursos públicos destinados para o combate à pandemia do novo coronavírus. Estão sendo feitas buscas em 12 locais, entre eles o Palácio Laranjeira, residência oficial do governador Wilson Witzel.

CONHECIMENTO PRÉVIO – Em entrevista à CNN, Zambelli disse que “não seria burra” de falar sobre operações da Polícia Federal, se tivesse conhecimento antecipado. E que sua fala no dia anterior foi uma “força de expressão”, por saber que a corrupção é endêmica no país.

“Eu não sabia, eu não tinha conhecimento. Falei como cidadã, como deputada, como alguém que observa o que está acontecendo no nosso país, que sabe que corrupção é endêmica no nosso país”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É evidente que Zambelli tinha conhecimento das operações, a exemplo dos filhos de Bolsonaro. A deputada inclusive quis demonstrar isso na entrevista, transparecendo a sua “intimidade” com o governo, falando inclusive na primeira pessoa do plural. Há anos que o seu vínculo com a Associação de Delegados, desde quando era líder do movimento Nas Ruas é conhecido, evidenciado pela sua participação em eventos, vídeos e homenagens. Se Zambelli não sabia das operações previamente, conforme tenta convencer, está se tornando uma ótima vidente. E nessa ninguém acredita. (Marcelo Copelli)

12 thoughts on “Apesar de ter antecipado ações da PF contra governadores, Zambelli nega conhecimento prévio de operações

  1. Guerra de quadrilha.

    A quadrilha bolsonarete quer a derrubada da quadrilha Witzel.

    O mais hilário é que a Globo também quer a queda da quadrilha Witzel!

    Isso porque a Globo, que apoia a esquerda identitária, que também quer a queda da quadrilha do Witzel, trabalham constantemente para manter a polarização Bolsonaro x Lula; Lulismo x Bolsonarismo, até 2022.

    Globo (identitários) e Bolsonaro trabalhando juntos!

    Quem diria!

  2. Fico imaginando esta senhora de “porta voz de governo”. Nossa, que coisa mais embaralhada!
    Alguém com tamanha dificuldade de se “espremer”,quando fala, tem de usar um tradutor, mesmo que em portugues. Acho que é por ter de falar coisas “com poucas verdades”. Para mentir e passar convicção, é preciso muito preparo físico e muito controle emocional.
    Não localizei entrevista á Rádio gtaucha no dia 25.05, mas tentarei confirmar e copiar.
    Recomendo, aos interessados de todos os lados, ouvir na íntegra a entreista de hoje, 26.05, cujo link está abaixo. https://soundcloud.com/radiogaucha/carla-zambelli-25052020
    Se ouvir, o faça com vontade de proteger a verdade. E tire as suas conclusões.
    Eu acredito que política é razão e não paixão!
    Fallavena

  3. Quem fala demais dá bom dia a cavalo.

    Agora se esquiva para tentar consertar a burrice que fez, independentemente de ter conseguido ter o acesso à informação.

    Daqui por diante será assim, para o inimigo a covardia, para os amigos tudo.

  4. “É evidente que Zambelli tinha conhecimento das operações, a exemplo dos filhos de Bolsonaro” … vejam o nível do comentário. Também, o que esperar de um veículo que se atrasou mais de uma semana para noticiar o escândalo Cowitzel, senão esse tipo de ilação?

    Há mais de uma semana, vários comentaristas alertou os editores da TI, sobre os desdobramentos das ações da PF no Rio de Janeiro … num claro indício de que todos eles tinha conhecimento das operações … a depender dessa gente … prendam Zambelli e esqueçam o Cowitzel.

    O jornalista Augusto Nunes também comentou sobre a operação contra o governador Witzel, decerto ele também foi informado.

  5. Isso já era segredo de Polichinelo.
    Todo mundo sabia e até comentava que o Secretário da Saúde foi exonerado e depois assumiu outra Secretaria, a dos Notáveis, só para ganhar foro privilegiado. Era amigo do rei.
    Também já havia gente presa.

    O que espantou foi a rapidez das ações, Num passe de mágica a PF chegou no Governador.
    Vamos aguardar.

  6. Qualquer pessoa minimamente informada já sabia que a PGR estava com inquéritos em andamento contra algumas autoridades públicas Estaduais. Isso vem sendo publicado na imprensa há algum tempo, já.
    Essa imprensa só quer tumultuar o ambiente de quem apóia o governo.
    A PF sem Moro está livre das amarras que impediam o prosseguimento de ações contra a corrupção no alto escalão. Sem a blindagem de Moro/Valeixo, a PF segue cumprindo exemplarmente suas atribuições.
    Parabéns Polícia Federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *