Apoio de Mourão é muito importante para Sergio Moro e abre o caminho para a terceira via

Mourão e  Sergio Moro vêm trocando mensagens há cerca de um mês

Pedro do Coutto

Em reportagem publicada na edição de ontem de O Globo, Gabriel Mascarenhas revela que Sergio Moro, candidato à Presidência da República, tem mantido conversações com o general Hamilton Mourão, que poderá apoiá-lo nas urnas em outubro de 2022. O vice-presidente da República avalia também ser candidato ao Senado ou ao governo do Rio de Janeiro nas próximas eleições. Mas o seu apoio é essencial à candidatura de Moro na medida em que não só significa uma ponte entre o ex-juiz e a cisão bolsonarista, como também fortalece sensivelmente a sua afinidade com a classe média que se encontra no momento muito mais ao lado de Bolsonaro do que de Lula da Silva.

Sergio Moro terá que escolher um candidato a vice em sua chapa, mas esse é outro assunto. O que no panorama atual se descortina é que finalmente Moro representa a abertura da estrada política da terceira via que vem sendo reivindicada por todos os candidatos que se distanciam tanto de Lula quanto de Bolsonaro. São muitos, entretanto apenas quatro nomes têm possibilidade de tentar a terceira opção.

POSSÍVEIS NOMES – Bruno Góes, Julia Lindner e Jussara Soares, O Globo, relacionam os nomes possíveis: João Doria, Ciro Gomes, Simone Tebet e Rodrigo Pacheco. A lista é maior, mas analisando-se bem as possibilidade chega-se à conclusão que apenas essas quatro alternativas existem no rumo da terceira via. Mas é incerta essa via para todos os quatro, mais provável é que ela seja ocupada  por Moro, conforme as pesquisas apontam. Tanto que, como vimos no artigo de ontem, Ciro Gomes começou a atacar Sérgio Moro.

Simonete Tabet tem condições de decolar e fazer uma importante campanha. Ela demonstrou na CPI da Pandemia uma firmeza e lucidez extraordinárias, uma disposição de acertar. Sua imagem ficou valorizada. Mas o funil é estreito e dependerá do desempenho dos próprios candidatos durante a campanha eleitoral. Nomes como o ex-ministro Mandetta, Alessandro Vieira, Luiz Felipe D’ávila e André Janones são, a meu ver, figuras fora de cogitação. Não irão decolar.

O quadro passou a ter novos caracteres, sobretudo a partir do momento em que Mourão confirma o seu apoio a Moro. Há uma luta pela terceira via e essa só pode se estabelecer se Bolsonaro perder densidade eleitoral no decorrer da campanha. Retirar votos de Lula é muito difícil a essa altura dos acontecimentos.

A IMPORTÂNCIA DE SER ALFREDO – Ontem, dei boas gargalhadas quando li a crônica de Ruy Castro, Folha de S. Paulo, focalizando o caso de uma família dona de um coelho que desejava embarcá-lo no mesmo compartimento onde viajam cães e gatos. Havia um veto e queriam jogar o coelho para o porão de carga. A confusão se estabeleceu e o coelho de nome Alfredo acabou viajando com a família conforme estava desejando.

Da importância de ser Alfredo foi um título que bolei para ilustrar a crônica com a qual Ruy Castro nos brindou. Verifiquei uma certa semelhança entre a luta dos donos do coelho para embarcá-lo e os candidatos que tentam embarcar na terceira via para o próximo ano. Alfredo embarcou, mas os postulantes ao Planalto pela terceira via poderão ficar apenas na intenção. A democracia é assim.  Alfredo deve ter chegado ao seu objetivo. Já o embarque para a terceira via com destino para Brasília dependerá do caminho das urnas.

12 thoughts on “Apoio de Mourão é muito importante para Sergio Moro e abre o caminho para a terceira via

    • Moro já é o nosso presidente!

      Quem resistirá votar em quem prendeu o maior sem vergonha do país, levando onze caminhões cheios de coisas que pertenciam ao estado?

      Quem resistirá?

      Até os petistas que conheço votarão em Moro pois sabem que Luiz Inácio não tem moral para se candidatar, quanto mais ser eleito.

      Votarão no apedeuta e no genocida, apenas os corruptos e os incautos.

      Moro será o novo Vargas, ou seja, não mais será esquecido pois encarnou os anseios do povo brasileiro.

      Os dois outros abutres que comam das carniças que eles mesmos produziram em suas infernais roubalheiras de triplex, sítio, rachadinhas, obras no exterior com dinheiro do BNDES e outras falcatruas.

  1. Fenomenal a parábola de Rui Castro sobre o episódio do coelho no aeroporto de Guarulhos. Gênio
    Quem será o coelho da Terceira Via, que no raiar de 2022 aparecerá empatado em 20% nas pesquisas junto só Bolsonaro?

  2. O desejo já manifesto pelo vice- presidente general Mourão, é a disputa ao cargo de governador do Rio de Janeiro. O atual governador Cláudio de Castro não é bom de voto e não tem carisma suficiente para subir ao Pódio.
    Bolsonaro descartou o general até indelicadamente, para ser seu vice novamente e ainda pediu para Mourão providenciar um para quedas reserva, jargão de paraquedista para dizer que o general deverá cantar em outra freguesia.
    É o que Mourão, muito bem assessorado e bom estrategista político e militar está fazendo ao conversar com o candidato Sérgio Moro.
    Bolsonaro muito arrependido, de ter anulado Mourão no seu governo, colocando toda a experiência e conhecimento do vice sobre a Amazônia para escanteio, com inveja do protagonismo e a competência do general, o ” mito” já avalia chamar Mourão para conversar e insinuar um apoio do governo, leia-se máquina pública para a campanha dele a governador, com a condição de sair do guarda chuva da Terceira Via, que pode na virada do ano, se transformar em Primeira Via.
    Para corroborar esses enunciados, Bolsonaro discursou na solenidade de filiação ao PL do mensaleiro Valdemar Costa Neto, atacando violentamente o candidato Sérgio Moro, que está causando um stress daqueles, em Bolsonaro e em Ciro Gomes, o cearense ataca Miro todos os dias, dando ainda mais palco para a subida de Moro nas pesquisas.
    O correto, caro candidato Ciro é se fingir de morto como faz espertamente o candidato Lula, por outros motivos é Claro: está no topo da tabela.

  3. Muito se especula também, que o vice, general Mourão, tem um Plano B. Trata-se de concorrer a única vaga ao Senado pelo Rio de Janeiro. Não vejo nenhuma vantagem para o general, que tem vocação para as atividades executivas e o Senado é uma casa das Leis. Por outro lado, Bolsonaro já se comprometeu com a candidatura a reeleição do hoje senador Romário.
    Acho que será difícil para o ex- atleta conseguir o segundo mandato de oito anos. Não está com aquele encanto todo e sua atuação no Senado tem sido bem abaixo da média.
    Mourão venceria essa disputa até com certa facilidade, pela exposição positiva amealhada no cargo de vice.
    Seu perfil político é ocupar o Palácio Laranjeiras e tentar elevar o Estado do Rio de Janeiro ao protagonismo que ele tanto merece, o qual os ex governadores, a partir de Marcelo Alencar, o casal Garotinho, Sérgio Cabral e Pezão falharam bisonhamente.

  4. Em se tratando de possíveis nomes para concorrer a presidência em 2022, creio que os pretendentes João Dória, Simone Tebet, Rodrigo Pacheco, Luiz Mandetta, Ciro Gomes estão fazendo figuração, sem nenhuma chance no pleito. Simone e Ciro são bons candidatos, mas ainda não empolgaram o eleitor contribuinte.
    Se a eleição fosse ainda esse ano, a polarização se daria entre três candidatos: Lula, Bolsonaro e Moro.
    Pelo andar da carruagem e dos apoios na mídia e no Empresariado, o candidato Sérgio Moro vem agregando forças, que podem torná-lo imbatível. Não é a toa, que vem sofrendo ataques violentos de Bolsonaro e de Ciro, na tentativa dos dois, de estancar sua trajetória ascendente junto ao eleitorado do topo do Poder.
    Essa carta do baralho presidencial colocou fogo na disputa e isso democraticamente é bom para o país. Pelo menos ninguém sofre de tédio.
    A polarização Bolsonaro versos Lula estava sendo muito ruim para o país. Moro chegou para embaralhar o jogo, dando mais opção para eleitor, escolher aquele que poderá representar a sociedade rumo ao progresso e a garantia dos Direitos Sociais, além de lutar pelas Liberdades democráticas, o respeito as Instituições e principalmente manter os recursos da Saúde e da Educação sem nenhuma forma de contigenciamento.
    Vamos aguardar os próximos capítulos da novela presidencial.

  5. Sendo bem claro nas minhas colocações: o Presidente Bolsonaro, embora, às vezes, truculento, é autêntico, não escamoteia os problemas, ao contrário, revela-os e os enfrenta, buscando a melhor solução para o País.
    Todas as demais opções, podem ser mais “sociáveis”, mais políticos, mas, sem dúvida, vão comportar-se para contemporizar as dificuldades, empurrá-las para debaixo do tapete.
    Por isso, questiono se é isso que nós, brasileiros, queremos?
    Para finalizar, é impressionante como alguns formadores de opinião parecem estar acometidos por amnésia seletiva relacionada ao candidato Moro e utilizam um malabarismo verbal, querendo viabilizá-lo como opção da 3ª via.
    O Presidente continua sendo a melhor opção para o Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *