Após 529 mil alunos zerarem o Enem, página de Dilma faz piada

 Deu no Yahoo

Dilma Rousseff é, sem dúvida, uma presidente conectada. Fora seus afazeres que condizem com seu cargo, a petista é bem conhecida por sua atuação em redes sociais — por mais que por trás de suas páginas no Facebook, Instagram ou Twitter esteja uma equipe. Na última terça-feira (13), porém, uma postagem causou polêmica nas redes.

Logo após o anúncio de que as notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) terem sido colocadas no ar, a página oficial da presidente utilizou um meme com o apresentador Jimmy Fallon para brincar com o sentimento de apreensão dos candidatos. Com os dizeres “Aquele momento em que você vê sua nota boa no Enem”, o vídeo trazia o momento em Nicole Kidman fala ao apresentador que ficaria com ele.

As reações à postagem foram as mais diversas, mas o timing realmente não foi dos melhores. O site no qual era possível ver as notas estava instável e ficou algumas horas fora do ar, voltando a normalizar de noite. Nos comentários, muitas críticas ao meme utilizado. “Aquele momento em que eu tento entrar no site e não dá #fail”, comentou uma usuária.

Além do erro de tempo, usuários reclamaram bastante da postura “brincalhona” adotada pela página enquanto o Enem vem sendo alvos de muitas críticas. Em entrevista ao comentar o exame, Cid Gomes, ministro da Educação, salientou os 529 mil alunos que zeraram a redação e afirmou que “no Brasil se lê muito pouco”. Para alguns, a página errou ao fazer piada com o assunto.

17 thoughts on “Após 529 mil alunos zerarem o Enem, página de Dilma faz piada

  1. Deu no Reinaldo Azevedo:

    P E T R A L H A
    “Bondoso,justo,petista,pessoa que enfrenta o preconceito de cabeça erguida,generoso,altruísta,politizado,determinado,militante,guerreiro,bravo,de esquerda,perseverante,otimista,humilde,virtuoso,opinativo,altivo,honrado,digno,confiante,crível.”

    Não pensem que se trata de uma piada — até é, mas involuntária. Essa é uma página do Facebook que pertence ao próprio PT. O partido decidiu mudar o sentido da minha criação, incorporado o “petralha” como coisa positiva.

    Como bem notou a minha mulher, nem os companheiros tiveram a coragem de acrescentar o adjetivo “honesto” à lista de qualidades de um “petralha”…

    Por Reinaldo Azevedo

  2. A PÁTRIA EDUCADORA DESGOVERNADA PELA PRESIDENTE QUE NÃO DIZ COISA COM COISA TEM UM MINISTRO DA EDUCAÇÃO MAL-EDUCADO, 13 MILHÕES DE ANALFABETOS E DE 500 MIL ESTUDANTES NOTA ZERO EM REDAÇÃO…

    AN.

  3. Com o Cid Gomes na Educação e o Aldo Rebelo na Ciência e Tecnologia, em breve vamos virar uma enorme e policromática Uganda, sob a Regência da czarina Dilma Amim Dadá Youssef .

  4. O meio milhão de zeros na prova de Redação do Enem retrata fidedignamente o nível do ensino brasileiro!
    Não é somente culpa do estudante, evidente, mas de professores desmotivados, famílias que não se importam com as notas dos filhos na escola, e esta aberração que não há mais repetência, que o aluno segue adiante, mesmo que aos trancos e barrancos, além de já podermos acrescentar os males da Internet neste conjunto de causas deste fiasco!
    Resultado:
    Na hora H, a realidade dessa omissão por conta do descaso com a Educação, em nível nacional.
    O problema é que as autoridades não têm interesse em melhorar as condições do Ensino Fundamental, que se tem essa denominação pomposa é porque simplesmente é decisivo como base para se galgar o Médio e se tentar o Universitário.
    Ora, sem alicerce, como sustentar as paredes?
    Diante de qualquer ventania, elas vêm abaixo.
    Pois esta má preparação já sentimos nos profissionais liberais de hoje, principalmente aqueles que precisam usar o idioma português na sua profissão, os advogados, por exemplo, publicitários, jornalistas … que observamos textos sem criatividade, crônicas sem sentido e ações que, se os Juízes fossem mais exigentes, elas seriam devolvidas!
    Não sei, mas pelo andar da carroça voltaremos em seguida à mímica, aos grunhidos, aos sinais de fumaça, o tambor, diante da falta de comunicação, de não se saber escrever e exprimir o pensamento, afora fugir do tema determinado, salientando a total incompreensão do aluno quanto à essência da redação solicitada.
    E, o mais grave:
    Tratam-se de alunos com o Ensino Médio, que buscam vagas nas Universidades, de onde se conclui que as faculdades técnicas não serão aquelas que darão aos seus estudantes um melhor preparo do vocabulário, que continuarão carentes no idioma, dificultando a própria profissão quando necessitarem apresentar projetos relacionados à especialidade.
    Alguém sabe o que diz a presidente Dilma quando discursa?
    E seu antecessor?
    Se, as mais altas autoridades brasileiras são exemplos clássicos de mau uso do idioma e, mesmo assim, conseguiram o poder, decididamente o estudo se torna questionável, seguido de falsos e péssimos cantores que ganham milhões, e de jogadores de futebol, que conquistaram o estrelato e fortuna igualmente com pouca instrução, salvo honrosas exceções.
    Complementa esse desdém com a Educação e Ensino, os parlamentares, que também não possuem estudos na sua maioria absoluta, e se tornam ricos, independentes de sequer saberem interpretar a lei que eles mesmos legislam, mas ganham nababescos salários.
    O jovem percebendo que existem atalhos para a glória e dinheiro, trata de primeiramente correr o risco, e com auxílio dos pais, que normalmente consideram seus filhos um Pavarotti ou Messi, então a explosão de conjuntos de pagode e escolinhas de futebol.
    Resultado:
    Faculdades de História, Geografia, Matemática, Letras … vazias e, as redações, alvos de piadas, exatamente a forma como a Educação é vista pelo governo: desnecessária!

    • Caro Bendl,

      Belo comentário. Mas o pior está por vir pois se 500 mil zeraram a redação, pelo menos a metade dos inscritos devem ter tido uma nota, em redação, abaixo do mínimo aceitável. Ou seja: Metade dos inscritos são analfabetos funcionais e apesar disto tudo, estarão dentro de uma universidade, sem a menor condição de aprendizado e, serão os proficionais de amanhã.
      Tenho visto e muito, aqui na Tribuna, o pessoal malhando (metendo o pau) nos países desenvolvidos e exploradores dos terceiro-mundistas o que na verdade é uma verdade. Mas, agora pergunto: EUA, Alemaha, Japão e outros mais aprovariam em suas universidades alunos analfabetos? Claro que não, mas no Brasil, sim. E, esta é a grande diferença para forjar o futuro. Sem educação e conhecimento a vida acaba na próxima esquina.

  5. Dos 250 que gabaritaram, quantos seriam petistas e/ou simpatizantes? Avaliação de redação tem critério absolutamente subjetivo e uma banca examinadora indicada por cumpanheros é crível esperar por tudo que é tipo de trambique.

  6. Excelente texto, Bendl… Mas, porém, todavia, contudo, entretanto… trata-se de uma “tragédia” anunciada… algo inevitável e previsível… Por isso, deixo, novamente, o respectivo desabafo:
    Engodo! Encosto! Coisa ruim! Dilma, vá tomar no … Cid; também!

    Saudações, amigo!

    • Souzza,
      De fato, era inevitável que chegaríamos ao ponto de um aluno sequer fazer uma simples redação, e depois de ter cursado o Ensino Médio!
      Decepcionante, catastrófico, trágico.
      Um abraço, meu caro.

  7. Me lembrei outra vez , do Juca Chaves :
    ”Brasil, oh ! Pátria amada,… QUE PALHAÇADA !!! ”
    E o saudoso Chacrinha ?
    Com todo o respeito que devemos ao Palhaço profissional.
    Mas, profissional mesmo. No bom sentido.
    E como nos divertiam!. HONESTAMENTE.

  8. Renato, o teu comentário dá a entender que os 500 mil zeros em redação são o produto de uma “finesse” elite alfabetizada em línguas estrangeiras e nâo em português!
    Bem, talvez tenhas razão pois o Lullêz não é uma língua acadêmica e embora falada no Brasil, graças a Deus, ainda não é oficial.
    Mas o problema não são os 500 mil zeros e sim os três milhões de redações que estão abaixo do nível aceitável para alguém ser considerado alfabetizado.
    Tu és um daqueles que falam mal dos países ditos de primeiro mundo, que eles exploram os países pobres etc e tal. Mas te pergunto: Nos EUA, em geral na Europa, Japão, Coréia e agora na China e até mesmo na Rússia, tu acreditas que os estudantes analfabetos-funcionais seriam admitdos nas suas (deles) universidades? Claríssimo que não porque eles querem continuar países de primeiro mundo e os que ainda não são também querem chegar lá e isto só se consegue com muito estudo e excelente formação escolar. E, este não é o objetivo do teu governo, que quer manter o povo escravo dos bolsas qualquer coisa para se manter eternamente no poder.
    A pobreza só é boa para o PT e para as igrejas.

  9. Ei, ei, pessoal, o percentual de 8,5% de zeros não pode ser considerado um “número pequeno”, por favor!
    A nota é ZERO, e não somente baixa ou sofrível, ZERO, repito.
    A massa de alunos, mais de seiscentos mil, não pode ser diminuída pela estatística, que a reduz para menos de 10%, mas exaltada, e altamente comentada.
    E se somarmos quem tirou um e dois?
    Chegaremos a três, quatro milhões de jovens que mal sabem escrever, e no Ensino Médio?!
    Estou diante de dois comentaristas que prezo, possuem curso superior, enquanto que eu tenho somente o Médio e o terminei aos sessenta anos, portanto, há cinco, mas não posso aceitar com tranquilidade tanto o percentual quanto a quantidade de notas zero e ruins, em consequência, razão pela qual a minha crítica ao sistema como um todo, e não somente ao governo, que tem a sua parcela de culpa que, no entanto, não é o único responsável por este absurdo.
    A escola, as famílias, a Internet, o grupo social, o governo, todos devem ser criticados pelo descaso à Educação, cuja deficiência se reflete no vestibulando e de forma indiscutível, comprovando que precisamos nos unir e exigir mudanças e comprometimentos dos diretamente envolvidos no processo educacional, sob pena de não sabermos mais escrever em dez, quinze anos.
    A meu ver, a situação é grave e, respeitosamente, acredito que as estatísticas não devem mascarar a situação clamorosa do Ensino Brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *