Após demissão de Decotelli, Augusto Heleno diz que “cada ministro é responsável pelo seu currículo”

Heleno minimiza falha e chama críticos de ‘desinformados’

Ingrid Soares
Correio Braziliense

O general Augusto Heleno, ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), afirmou, por meio das redes sociais na noite desta terça-feira, dia 30, que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) checa a vida pregressa de ocupantes de cargos no governo, mas que cada ministro é responsável pelo seu currículo. Embora não tenha citado diretamente o ex-ministro da Educação Carlos Decotelli, a manifestação ocorreu horas depois do mesmo ter entregue a carta de demissão ao presidente Jair Bolsonaro.

“Aos desinformados: o GSI/ABIN examinam, sobre quem vai ocupar cargos no governo, antecedentes criminais, contas irregulares e pendentes, histórico de processos e vedações do controle interno. No caso de ministros, cada um é responsável pelo seu currículo”, afirmou, em sua conta no Twitter. Bolsonaro aceitou a demissão de Decotelli, exatamente no mesmo dia em que havia sido agendada a cerimônia de posse dele na pasta.


FRAUDES – Durante a passagem relâmpago de Decotelli como ministro, foram reveladas fraudes sobre os títulos descritos no currículo disponibilizado na plataforma Lattes. A situação, no entanto, ficou insustentável após a Fundação Getulio Vargas (FGV) informar que Decotelli não foi pesquisador ou professor efetivo da instituição, mas sim professor colaborador.

O mais cotado para comandar o cargo é o professor e reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Anderson Ribeiro Correia. Ele é ex-presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Foi integrante do Conselho Deliberativo e é atual pesquisador do CNPQ, nível 1B.

Atuou na equipe de transição entre os governos Temer e Bolsonaro, na área de educação. Também constam no páreo o nome do assessor especial do MEC, Sérgio Sant’Anna, aliado de Abraham Weintraub; o do secretário nacional de Alfabetização, Carlos Nadalim; o do secretário estadual de Educação do Paraná, Renato Feder, e Ilona Becskeházy.

21 thoughts on “Após demissão de Decotelli, Augusto Heleno diz que “cada ministro é responsável pelo seu currículo”

  1. “No caso de Ministros, cada um é responsável pelo seu currículo”, diz o General Heleno.

    Ué, é tão simples assim?
    Para os desavisados informo: existem alguns milhares de pessoas trabalhando naquela esplanada dos ministérios, nos três poderes, em Brasilia.

    Se uma empresa privada se comportasse assim com o topo da pirâmide de seus funcionários, não teriam vida longa. Iriam à falência em curto espaço de tempo. Mas na farra de Brasília TUDO VALE.

  2. Primeira fase: Ensino Superior. Depois de concluir a graduação, você pode fazer uma pós-graduação ou um MBA. Depois, vêm ainda as possibilidades de fazer mestrado, doutorado e pós-doutorado.

    Essa é a dica pra quem quiser concluir todas as fases em 10 minutinhos. Como o generaleco disse, cada um é responsável pelo que coloca no currículo.
    Como lá na ilha da fantasia ninguém, verifica porra nenhuma, é só mandar brasa!
    Aliás o que deve ter de gente que inventa graduações por lá, não deve estar no gibi. A falsidade ideológica não existe em brasília. Que beleza!!
    Diante dos absurdos que estamos vendo, o governo deveria requerer todos os currículos dos funcionários públicos e compará-los com o anterior. Pelo jeito, acho que 80% devem ter falsificação.
    Caso a pessoa tenha mentido, tem que ser demitida imediatamente.
    Inclusive os ministrecos que aí estão.
    Isso seria o correto, seria uma formar de acabar com esta sacanagem.
    Atenciosamente.

  3. Antes de conceder financiamento para compra de casa, o banco verifica a saúde financeira da pessoa responsável pelo empréstimo.
    O candidato a presidente Biden está na fase de escolha de uma vice. Cabe á sua equipe verificar a vida pregressa das possíveis candidatas.
    Daí estranhar a afirmação do senhor Heleno,de que caberia ao próprio candidado a tarefa de verificar o seu curriculo. Não está na hora de comprar um sítio e criar galináceos?

  4. Por essas e outras que este país JAMAIS irá se desenvolver!

    A ministra do STF, Rosa Weber, NEGOU Liminar para um jovem que está preso por furtar duas embalagens de shampoo a 10,00 cada uma!

    https://istoe.com.br/rosa-weber-nega-liminar-a-jovem-acusado-de-furtar-dois-xampus-de-r-10/

    Ladrões, tipo Lula, Dilma, Temer … que roubaram BILHÕES DE DÓLARES, encontram-se livres, leves e soltos!

    Dá para acreditar nessa “justiça” brasileira?!

    Eu apenas teria uma pergunta para fazer a Suas Excelências:
    Que critério utilizam para prender gatunos?
    Por valores roubados?
    Por mercadorias?

    Digamos:
    quem roubou até 100 mil reais, cana;
    quem roubou acima de 1 milhão de reais, prisão domiciliar;
    que roubou um país, liberdade?

    Depois quando fazem campanhas para fechar o Supremo, leio chiliques, piripaques, trililis, ataques de nervos … também com decisões desse tipo …

    • Bendl, boa a tarde!

      Até o caso chegar ao STF, passou por várias instâncias – observou isso?

      Segundo o pouco que informa a matéria, o jovem teria sido flagrado outra vezes. Portanto deve existir outros processos, e o rapaz respondia em liberdade.

      Então não reforce preconceito contra o STF, que, aliás, é quem mais aplica o princípio da insignificância – se você não sabe.

      • Sem dúvida que o fato de um jovem estar preso por furto de produtos de baixo valor é algo a se pensar.
        Mas a vocês que tanto acusam o STF de ativismo, teriam que também soltando nesse caso pratica a mesma Corte ativismo em soltar quemquer que fosse se não expressamente prevista a hipótese em lei – insignificância é uma construção doutrinária e jurisprudencial. Não está na lei.

        • Particularmente, eu não acho que o Estado age com justiça cerrando atrás das grandes tanto esse jovem preso por furto de bem de baixo valor como o olheiro do, a mula, o fogueteiro que trabalham para o tráfico, e mesmo os soldados do tráfico – é um desperdício de força de trabalho.

          Se o Estado possuísse uma política inclusiva, todos esses estariam aproveitados.

          Na minha opinião, o Estado mínimo deveria também ser de prisões mínimas, com educação, saúde, moradia, e oportunidades máximas

  5. Leão da Montanha, boa tarde,

    Deixei de lado as filigranas das leis que prenderam esse rapaz.
    Me detive que, mesmo sendo réu comum, pois deduzo não ser mais primário, o rigor que se abate sobre o jovem.

    Admito que pela sua ficha corrida na polícia – a reportagem diz isso – contenha outras detenções por furto, mas me vejo obrigado a comparar os crimes de Lula e de inúmeros parlamentares que se encontram livres, mesmo sendo reincidentes!

    Por outro lado, Leão, evidente que nada sei sobre Direito, mas entendo o que é injustiça, tendenciosidade e parcialidade.

    Eu não estaria protestando contra essa decisão do Supremo, se bandidos com muito mais periculosidade que esse rapaz estivessem presos, principalmente aqueles que roubaram o erário público.

    Quanto eu criticar as decisões da Alta Corte, Leão, na condição de cidadão brasileiro a Constituição me assegura a liberdade de expressão, até porque não ofendi a ministra. Eu apenas gostaria de saber os critérios utilizados para deixar preso um ladrão comum, porém os maiores – incomparavelmente maiores – estão livres!

    Independente de construções doutrinárias e jurisprudenciais, e se previstos nas hipóteses legais ou não, entendo que negar essa Liminar a esse rapaz foi algo demasiadamente enérgico, se comparado à flexibilidade que ladrões contumazes do país e do povo são contemplados, inclusive com a prisão domiciliares, inclusive adquiridas com dinheiro roubado!

    Agora, longe de mim a tua acusação de eu ser preconceituoso contra o STF, se fosse possível!
    Na verdade, constato o contrário:
    o Supremo que se mostra preconceituoso contra o pobre e miserável, mesmo sendo ele um delinquente!

    Ou quem infringe as leis vai preso ou libere-se todos dos presídios!

    • Caro Bendl, boa tarde!
      Não tome como grave quando falo de preconceito, pois não foi intenção dar esse tom. A ideia que quis passar foi de contradição movido pelo autoengano.

  6. Leão,

    Eu e tu somos macacos velhos em termos de poder dizer um ao outro o que pensamos.
    Respeitamo-nos, e isso basta.

    A meu ver, penso que definir justiça é muito simples:
    ou todos são punidos pelo mesmo crime ou teremos injustiças, assim como os beneplácitos da lei e suas elasticidades, todos devem aproveitar ou não teremos justiça.

    Nesse caso, do guri que está na cadeia, e ladrões que nos roubaram bilhões estão soltos, nada vai retificar o meu pensamento, Leão, por mais filosofia que exista ou aspectos legais que não me acolhem.

    E não acredito que eu esteja me contradizendo ou em autoengano, pois me fixo na questão pessoal e não legal, onde sobrepuja a lei a Justiça!

  7. DOUTOR EM MALFEITORIAS
    02/07/2020
    Faz sentido o reitor da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina, negar título de doutor ao ex-ministro Carlos Decotelli e o conceder a Lula. Condenado duas vezes, o petista se revelou doutor em corrupção e lavagem de dinheiro. E ainda tem mais sete processos pela frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *