Após prisão de Crivella, Bolsonaro deverá antecipar escolha de nova legenda para se filiar

Prisão de Crivella acabou por respingar em Bolsonaro e nos filhos

Ana Flor
G1

A prisão nesta terça-feira, dia 22, do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), acabou por impulsionar um movimento que estava em marcha no Palácio do Planalto: a escolha de um novo partido para o presidente Jair Bolsonaro, hoje sem legenda.

Assessores próximos a Bolsonaro afirmaram ao blog que o presidente já tinha a intenção de se filiar a uma nova legenda no próximo ano para não ter que fazer isso em 2022, ano das eleições presidenciais. Agora, Bolsonaro fala em definir a questão até março.

FLÁVIO E CARLUXO – Os temas estão relacionados porque os dois filhos do presidente da República com mandato pelo Rio – o vereador reeleito Carlos Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro – são filiados ao Republicanos, partido de Crivella. Ao escolher um partido, o presidente poderia levar os filhos para a nova legenda e até mesmo retomar o discurso de combate à corrupção de sua campanha de 2018, hoje abandonado.

De acordo com os auxiliares presidenciais, o plano de Bolsonaro é se filiar a uma legenda menor e levar consigo um grupo, hoje, estimado em 22 parlamentares. O detalhamento feito pelo Ministério Público e pela Polícia Civil do esquema de corrupção na prefeitura do Rio acabou por respingar em Bolsonaro e nos filhos. A família apoiou a campanha de Crivella, que não conseguiu se reeleger e foi derrotado por Eduardo Paes (DEM).

SEM PARTIDO – Bolsonaro se filiou ao PSL em 2018, já em pré-campanha presidencial, e deixou a sigla após conflitos com o presidente nacional da legenda, Luciano Bivar.

Desde então, o presidente e os filhos com mandato parlamentar tentam viabilizar a criação do Aliança Pelo Brasil. Em novembro de 2019, Bolsonaro participou do ato de lançamento da iniciativa, mas a coleta de assinaturas para a criação da legenda não prosperou.

Em agosto desse ano, durante transmissão em rede social, Jair Bolsonaro afirmou que poderia “voltar ao PSL”. E que tinha recebido convites de três partidos, incluindo o PTB de Roberto Jefferson – que era da coligação de Geraldo Alckmin (PSDB) em 2018, mas depois aderiu ao governo eleito.

NO PAPEL – “Não posso jogar as fichas apenas no Aliança, que, eu esperava, ia ficar pronto este ano. Acho que vai ser difícil ficar pronto, mas não pretendemos desistir dessa ideia. Vou conversar com o pessoal do PSL, apesar de ter saído”, afirmou Bolsonaro.

Na transmissão, Bolsonaro disse que, se optasse por voltar ao PSL e abandonar a criação do Aliança pelo Brasil, teria de dar explicações aos militantes que se envolveram no projeto. “Tem de mostrar para quem está acreditando [no Aliança pelo Brasil] o porquê da volta”, afirmou.

12 thoughts on “Após prisão de Crivella, Bolsonaro deverá antecipar escolha de nova legenda para se filiar

  1. Caged confirma que “pandemia Dilma” foi pior para os empregos que a covid

    Enquanto o Brasil já está com 227 mil vagas formais a mais que 2019, a “pandemia Dilma” nos custou 2,86 milhões de empregos.

    As contratações recordes em novembro fizeram o mercado superar as perdas de vagas formais durante a pandemia e o Brasil já tem 227 mil vagas formais criadas em 2020, segundo dados do Caged. A previsão no governo é que a alta continue em dezembro e o ano feche com algo em torno de 500 mil empregos criados.

    Em conversas reservadas, a equipe econômica lembra o quão grave foi a “pandemia Dilma”, entre 2015 e 2016, quando o Brasil perdeu 2,86 milhões de vagas formais. A informação é da Coluna Cláudio Humberto

  2. JB é um coitado. Completamente sem rumo. Em tudo hora corre para frente e em seguida é convencido que a direção está errada aí escolhe outra direção. Tudo é indefinido. Exceto a integridade fósseis filhos e sua candidatura em 2022.

  3. Bolsonaro insiste no negacionismo : BOLSONARO DIZ QUE MELHOR VACINA PARA COVID-19 É O VÍRUS, QUE JÁ MATOU MAIS DE 188 MIL NO PAÍS

    “Eu não uso, mas tudo bem”, disse Bolsonaro ao receber máscara de proteção de um apoiador que, assim como ele, estava com boca e nariz expostos

    © Getty Images

    24/12/20 06:11 ‧ HÁ 3 HORAS POR FOLHAPRESS

    POLÍTICA JAIR-BOLSONARO

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira (23) que a melhor vacina para a Covid-19 é o próprio coronavírus, que já matou mais de 188 mil pessoas no Brasil.

     Sem máscara, o presidente cumprimentou apoiadores que, em sua maioria, estavam igualmente sem proteção e se aglomeraram para fotos em São Francisco do Sul (SC), onde ele descansa desde o fim de semana.

    Leia Também: ‘Não vou entrar no mérito’, diz Bolsonaro sobre prisão de Crivella

    Em transmissão ao vivo em sua rede social, Bolsonaro aparece se aproximando de um homem que lhe entrega uma máscara de presente e recomenda que o presidente faça a higienização do item.

    Leia Também: Média móvel de mortes por covid-19 no Brasil fica em 777 nesta quarta-feira

    “Eu não uso, mas tudo bem”, disse Bolsonaro ao receber o item de proteção do apoiador que, assim como ele, estava com boca e nariz expostos.

    “Eu tive a melhor vacina, foi o vírus”, seguiu o presidente. “Sem efeito colateral”, afirmou.

    O Brasil registrou 963 mortes pela Covid-19 e 55.799 casos da doença na terça-feira (22). Com isso, o país chegou a 188.285 óbitos e a 7.320.020 de pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

    Em Santa Catarina, o governo local registrou 468.403 casos e 4.836 mortes na terça-feira. No município visitado pelo presidente foram 3.006 casos e 44 mortes. A população estimada do município, segundo o IBGE, é de 53.746 pessoas.

    Na terça-feira, Bolsonaro já havia provocado aglomerações na cidade. O ministro Fábio Faria (Comunicações) e o secretário Jorge Seif (Pesca), que acompanham o presidente na viagem, transmitiram em suas redes sociais a interação de Bolsonaro com pessoas amontoadas na praia. Horas depois, o chefe do Executivo cumprimentou novamente pessoas que se espremiam nas grades para chegar perto do presidente.

    Desde o início da pandemia, Bolsonaro e integrantes do governo e de sua base ideológica têm relativizado não só o vírus como também o uso de máscaras.

    O presidente também se tornou a principal voz de um movimento contrário à vacinação no país. Ele já disse mais de uma vez que não tomará a vacina e quis impor a obrigatoriedade de um termo de responsabilidade para quem aceitar ser imunizado.

    https://www.noticiasaominuto.com.br/brasil/1762921/bolsonaro-diz-que-melhor-vacina-para-covid-19-e-o-virus-que-ja-matou-mais-de-188-mil-no-pais?utm_medium=email&utm_source=&utm_campaign=morning

    • ESTUDO DA FIOCRUZ REFORÇA QUE REINFECÇÃO POR COVID-19 É POSSÍVEL E PODE SER GRAVE

      BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – 24/12/2020

      O estudo foi feito no Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS/Fiocruz) a partir do sequenciamento de genótipos do novo coronavírus

      © Shutterstock

      24/12/20 05:08 ‧ HÁ 5 HORAS POR ESTADAO CONTEÚDO

      BRASIL COVID-19

      Casos assintomáticos e mesmo brandos de covid-19 não oferecem imunização contra a doença, segundo um novo estudo da Fiocruz divulgado nesta quarta-feira. Publicado na Social Science Research Network, o trabalho reforça a ideia de que a reinfecção pelo SarsCov2 é possível e pode resultar em um quadro grave da doença. Ou seja, a população está ainda mais vulnerável à pandemia do que se imaginava.

       Leia Também: Brasil tem 7,36 milhões de casos de covid-19 e 189.220 mil mortes

  4. Até hoje não consegui entender como é que o Pinóquio não conseguiu emplacar o partido dele. Conta com mais de um milhão de seguidores e não consegue 500 mil assinaturas para viabilizar o partido “deles”? Entenda este homem, convence a galera mas ão consegue que eles se filiem ao sonho do partido dos sonhos do Pinóquio. As amizades do Pinóquio são mesmo muito bizarras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *