Aprenda a ter um belíssimo Ano Novo, seguindo aquela receita poética de Drummond

Uma foto insólita de Drummond, na sala de seu apartamento

Paulo Peres
Poemas & Canções

O bacharel em farmácia, funcionário público, escritor e poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) é um dos mestres da poesia brasileira. O significado principal do poema “Receita de Ano Novo” está em olhar para dentro de si mesmo e sentir-se, realmente, apto para ganhar uma belíssima passagem de ano.

RECEITA DE ANO NOVO
Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

3 thoughts on “Aprenda a ter um belíssimo Ano Novo, seguindo aquela receita poética de Drummond

  1. 1) Licença… o poeta e profeta Gil nos fala de 2222…

    2) Expresso 2222
    Gilberto Gil

    Começou a circular o Expresso 2222
    Que parte direto de Bonsucesso pra depois
    Começou a circular o Expresso 2222
    Da Central do Brasil
    Que parte direto de Bonsucesso
    Pra depois do ano 2000

    Dizem que tem muita gente de agora
    Se adiantando, partindo pra lá
    Pra 2001 e 2 e tempo afora
    Até onde essa estrada do tempo vai dar
    Do tempo vai dar
    Do tempo vai dar, menina
    Do tempo vai

    Segundo quem já andou no Expresso
    Lá pelo ano 2000 fica a tal
    Estação final do percurso-vida
    Na terra-mãe concebida
    De vento, de fogo, de água e sal
    De água e sal, de água e sal
    Ô, menina, de água e sal

    Começou a circular o Expresso 2222
    Que parte direto de Bonsucesso pra depois
    Começou a circular o Expresso 2222
    Da Central do Brasil
    Que parte direto de Bonsucesso
    Pra depois do ano 2000

    Dizem que parece o bonde do morro
    Do Corcovado daqui
    Só que não se pega e entra e senta e anda
    O trilho é feito um brilho que não tem fim
    Oi, que não tem fim
    Que não tem fim
    Ô, menina, que não tem fim

    Nunca se chega no Cristo concreto
    De matéria ou qualquer coisa real
    Depois de 2001 e 2 e tempo afora
    O Cristo é como quem foi visto subindo ao céu
    Oi subindo ao céu
    Num véu de nuvem brilhante subindo ao céu

    Começou a circular o Expresso 2222
    Que parte direto de Bonsucesso pra depois
    Começou a circular o Expresso 2222
    Da Central do Brasil
    Que parte direto de Bonsucesso
    Pra depois do ano 2000

    3) Pedimos autorização para simples transcrição literária-poética desta bela canção, sem fins lucrativos…

    4) Feliz 2022 para todos (as).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *