Aras cai na real e abre inquérito no STF contra Pazuello pelo caos em Manaus

Aras quer que autos sejam encaminhados à PF que deve investigar o caso

Renato Souza
Correio Braziliense

Quatro dias depois de dizer que não poderia processar o presidente nem os ministros, o procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu que o Supremo Tribunal Federal (STF) abra inquérito para apurar a conduta do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello diante do colapso da saúde em Manaus. A cidade registrou escassez de oxigênio e atualmente enfrenta dificuldades para alocar pacientes em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

No pedido enviado ao Supremo, Aras quer que o ministro Pazuello seja ouvido e que os autos sejam encaminhados à Polícia Federal, que deve investigar o caso. A decisão de Aras atende denúncia enviada a Procuradoria-Geral da República por partidos políticos.

OMISSÃO –  Eles acusam o ministro da Saúde e os auxiliares de se omitirem frente a crise na capital amazonense. Os autores do pedido alegam que Pazuello orientou a população a fazer uso de medicamentos sem eficácia científica comprovada contra a covid-19, e de não agir para evitar mortes.

De acordo com as acusações, o governo federal teria sido avisado com semanas de antecedência, pela empresa White Martins – que fornece o oxigênio para hospitais de Manaus, que os estoques do gás estavam acabando, frente a demanda crescente em razão do grande número de internações de pessoas infectadas por covid-19 na cidade. Anteriormente, Aras já havia solicitado investigação contra o governador do Amazonas, Wilson Lima e do atual e do ex-prefeito de Manaus.

ALERTA –  O Ministério da Saúde afirma que só foi informado sobre a falta de oxigênio em 8 de janeiro, mas que já havia um alerta desde o final de dezembro. No entanto, a entrega do oxigênio pelo governo federal só começou no dia 12. De acordo com a PGR, “após analisar as informações, apresentadas em ofício de quase 200 páginas, e atento à situação calamitosa de Manaus, o procurador-geral considerou necessária a abertura de inquérito para investigar os fatos”.

Augusto Aras foi criticado por colegas e acusado de se omitir por eventuais crimes do ministro da Saúde e do presidente Jair Bolsonaro diante da pandemia de coronavírus e da situação de Manaus. Ele é alvo de um pedido de senadores para que responda a um processo administrativo no Conselho Superior do Ministério Público Federal (MPF). A investigação solicitada pelo chefe do Ministério Público não envolve Bolsonaro.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A matéria não menciona um detalhe da maior importância. Nesta sexta-feira, o ministro Ricardo Lewandowski encaminhou ao procurador-geral uma notícia-crime contra o presidente da República e o ministro da Saúde, pelo caos na Saúde. Diante da obrigatoriedade do cumprimento da ordem do STF, Aras aproveitou uma outra ação e mandou investigar somente Pazuello, deixando Bolsonaro de fora. Ou seja, o procurador está cada vez mais desmoralizado, tenta posar de eficiente, mas não engana mais ninguém. Vamos aguardar o que fará Lewandowski, ao notar que está sendo embromado por Aras. (C.N.)

4 thoughts on “Aras cai na real e abre inquérito no STF contra Pazuello pelo caos em Manaus

  1. Quero saber qual vai ser a atitude do Pazuello já que Aras vai leva-lo para o sacrifício para salvar o Mito.

    Quantos dias Pazuello vai permanecer como Ministro Logístico deste governo?

  2. Será? Pelo fedor da carniça e pela voracidade dos urubus envolvidos, isso aponta para uma cilada de descarte. Bolsonaro já não está furioso com Pazuello? Demitir mais um membro das AAFF, nas quais o presidente se apoia tanto, não geraria mais desgaste junto aos militares?
    Então, o que tal usar o mariola, HARAS, para dar uma aparência de saída via judicial à demissão do ministro da saúde?

Deixe uma resposta para Jared Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *