Aras expressa compromisso com força tarefa e convida procuradores da Lava Jato a retomarem cargos

Breno Pires
Estadão

Indicado para a Procuradoria-Geral da República, Augusto Aras convida procuradores que deixaram a equipe da Lava Jato no órgão recentemente a reassumirem seus cargos. A “debandada” ocorreu em protesto contra a atuação da atual procuradora-geral, Raquel Dodge. Dos seis procuradores que pediram demissão apontando “grave incompatibilidade de entendimento” em relação a Dodge, cinco foram convidados por Aras a voltar.

Apenas a procuradora Raquel Branquinho, que era chefe do grupo da Lava Jato na PGR, não será chamada. Ela era o braço-direito de Dodge na área criminal. Segundo aliados de Aras, a iniciativa tem dois objetivos: demonstrar apoio à continuidade da Lava Jato, apesar das críticas que ele já fez aos métodos da operação, e ao diálogo interno. Uma parcela significativa do Ministério Público Federal reclama do isolamento de Dodge na cúpula da instituição.

SUGESTÃO – A ideia de manter os nomes do grupo da Lava Jato da PGR partiu da procuradora Thaméa Danelon, ex-coordenadora da operação em São Paulo e primeira convidada de Aras para integrar a equipe que atua na área penal. Maria Clara Noleto, Luana Vargas, Alessandro Oliveira, Hebert Mesquita e Victor Riccely são os nomes convidados.

A iniciativa motivou elogios do coordenador da força tarefa da Lava Jato no Paraná, o procurador Deltan Dallagnol, que havia criticado a indicação de Aras por não ter respeitado a lista tríplice da categoria. Em mensagem enviada a colegas em uma rede interna, Deltan afirmou que “é hora de trabalhar pelo MPF” e “é importante o trabalho conjunto para continuar expandindo as investigações”.

BANDEIRA BRANCA – A bandeira branca foi estendida também pelo ex-chefe da Cooperação Internacional da PGR, Vladimir Aras, primo do indicado por Bolsonaro. Vladimir concorreu à lista tríplice e não ficou entre os três primeiros. Ele disse que a escolha do presidente foi feita dentro da Constituição e que não vê motivos para mobilização contra a indicação.

2 thoughts on “Aras expressa compromisso com força tarefa e convida procuradores da Lava Jato a retomarem cargos

  1. “Risco Bolsonaro” entra no radar de investidores financeiros

    Preocupação cresce enquanto aguardam o avanço da agenda de reformas e o aquecimento da atividade

    Por Flávia Furlan e Talita Moreira, Valor — São Paulo

    06/09/2019 14h42 Atualizado há uma semana

    PT/FS/Bloomberg

    Investidores e executivos de instituições financeiras começam a levar em conta o “risco Bolsonaro” na decisão de aplicar dinheiro no Brasil, além do baixo crescimento. Enquanto aguardam o avanço da agenda de reformas e o aquecimento da atividade, observam com certa dose de preocupação as declarações públicas do presidente, o posicionamento em relação a temas mundiais relevantes, como a questão ambiental, e os embates com mandatários de outros países.

    Para esses executivos, o “ruído político” tem roubado a atenção de uma agenda econômica que, embora a passos lentos, tem avançado. Sobram elogios principalmente à atuação do Banco Central (BC) para modernizar o sistema financeiro nacional, permitindo o desenvolvimento de “fintechs”, e para a estabilização da moeda.

    No entanto, essas fontes lamentam, reservadamente, que a “névoa” provocada pelas declarações polêmicas ofuscam essas melhorias.

    “Comitês de investimento e conselhos de administração de grandes fundos estão cada vez mais resistentes a alocar no Brasil por causa do que chamam de ‘retrocesso civilizatório'”, diz um executivo que fez recentemente uma rodada global para a atração de investimentos. “Essa percepção se intensificou com os episódios da Amazônia e o caso da esposa do [presidente francês, Emmanuel] Macron.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *