Armando Monteiro, presidente da CNI, garante que 44 horas de trabalho semanal, que maravilha viver. E acrescenta: “na China e Coréia do Sul, trabalham muito mais do que 44 horas”

No mundo todo, desde a belíssima Constituição do México (1918), os trabalhadores acumulam conquistas, direitos, conseguem fugir da escravidão. Os dois famosos generais analfabetos, Pancho Villa e Emiliano Zapata, lutaram intensamente, foram vencedores, mas a seguir miseravel e covardemente assassinados por ordem do empresariado que se julgava prejudicado com o fim do trabalho escravo.

E as conquistas não pararam mais, qualquer que fosse a “ideologia” que dominasse o Poder. Direita, centro, esquerda, mais radicais ou menos radicais, não eliminavam o que os trabalhadores haviam obtido.

Mussolini que passou de Socialista, (como era o seu jornal) a fascista, ao chegar ao Poder em 1922 (a famosa ”marcha sobre Roma”), aumentou os direitos e melhorou as condições de trabalho em geral. Mais tarde passou a fantoche e servo de Hitler, acabou pendurado num varal de secar roupa, isso já é outra história.

Os mais diversos países foram concedendo facilidades maiores aos trabalhadores, naturalmente com a velocidade das conquistas sendo regulada pela participação e a consciência do próprio trabalhador. Na França o processo correu mais rápido (com exceções, claro), porque o francês na grande maioria, VOTA NOS SEUS DIREITOS E NÃO EM PESSOAS QUE SE DIZEM SEUS REPRESENTANTES.

Até mesmo na Alemanha pré-nazista, a notável Constituição de Weimar (1931, mas durou pouquíssimo) reconheceu o que Hitler logo desconheceu: os trabalhadores não eram escravos. A não ser nas terríveis minas subterrâneas da Inglaterra (Grã-Bretanha) onde morria um trabalhador quase que de hora em hora.

(Bernard Shaw (Fabiano) líder sindical antes de teatrólogo famoso, foi afastado do cargo por um motivo: se recusava a “negociar” com os mineiros redução de salários e aumento na jornada de trabalho. E dizia: “Com o que ganham não conseguem viver e morrem longe da família, como vou pedir a eles que aceitem remuneração menor?”).

Essas conquistas só chegaram ao Brasil, a partir de 1932, com Lindolfo Collor, Ministro do Trabalho. Colocam as inovações como concessões de Getulio Vargas, mas ele era ainda Chefe do Governo Provisório, como foi o Marechal Deodoro no amanhecer de 15 de novembro, e Castelo Branco não quis ser em 1º de abril de 1964.

Por que Deodoro e Vargas aceitaram e Castelo Branco não quis ficar com esse título “provisório”? É que Castelo Branco foi se encontrar com Juscelino no apartamento do deputado Joaquim Ramos, (irmão de Nereu) e disse a ele: “Presidente, se eu ficar como PROVISÓRIO, não terei força para fazer o regime democrático que pretendo fazer, serei superado. Preciso que o senhor concorde que eu seja ELEITO PELO CONGRESSO”.

Juscelino não tinha opção, todos ficaram surpreendidos quando ele recomendou que o Congresso ELEGESSE Castelo PRESIDENTE. Foi “eleito” no dia 9, logo depois cassou o próprio JK, aumentou o mandato, a ditadura se prolongou, acabou com as eleições diretas, OS TRABALHADORES NÃO TIVERAM a menor conquista com ele.

NÃO SE PODE DIALOGAR COM DITADORES, DIGAM O QUE DISSEREM, GARANTAM O QUE GARANTIREM, SEJAM DE CENTRO, ESQUERDA OU DIREITA. Castelo não tinha procedência, consequência, ou consciência, apenas o EGO DITATORIAL COLOSSAL. Se julgava intelectual, só porque foi Adido Militar na França.

Esse senhor Armando Monteiro, é presidente da Confederação Nacional da Indústria, entra ano, sai ano. Deputado, deixa a CNI, se “elege novamente”, entrega a vaga ao suplente, volta a presidir a CNI.

Se fosse nos EUA, assumiria a CNI, perderia o mandato de deputado, pois qualquer cidadão só pode exercer o CARGO PARA O QUAL FOI (ou FOR) eleito. Lógico, pode ocupar outro cargo, renunciando ao que já existe. (Está aí a senadora Hillary Clinton, tinha ainda 4 anos e meio no Senado, para ser Secretaria de Estado, perdeu todo o mandato.

Mais grave ainda do que Armando Monteiro, é o senhor Paulo Skaf. Por vários motivos. 1- É presidente da Fiesp, que apesar de regional, sendo de São Paulo, tem maior Poder. 2- Pretende ser candidato a governador. 3- Entrou no Partido Socialista (PSB) e afirmou. “é apenas uma letrinha”. 4- Não ia se eleger mesmo (provavelmente nem candidato será), agora então deverá ser o quinto colocado, o número de candidatos será esse.

5- Que presidente da Fiesp é esse, que diz que o Socialismo, que divide o mundo, “é APENAS uma letrinha?”. Não precisa exibir toda a ignorância, ela já era conhecida.

Curiosamente, num dos países onde havia a maior exploração do trabalho, (Inglaterra) em 1780 surgiu a Revolução Industrial, que praticamente acabou com a escravidão. De tal maneira, que Marx acreditava que a transformação Socialista, (leiam: Soviética) aconteceria na Inglaterra, embora “torcesse” por sua amada Alemanha.

Por causa da Revolução Industrial, entre 1800 e 1860 só três países ainda mantinham a escravidão: EUA, Cuba e Brasil. Nesse ano, com Lincoln já eleito mas ainda não empossado, começou a guerra pela Libertação, que passou à História, como a Guerra de Secessão.

***

PS- Só que mesmo nos EUA em guerra civil terrível, todo o Norte já estava libertado, emancipado e enriquecido.  O Sul, preconceituoso, burro e reacionário, recusava libertar os escravos, “se fizermos isso, iremos à falência”. O presidente da CNI deve ser dessa época.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *