Arthur Virgílio chama prévia de “fraude” e desiste de concorrer com Alckmin

Virgílio se diz enojado com a desfaçatez de Alckmin

Thais Bilenky
Folha

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, afirmou à Folha que não vai mais concorrer com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, nas prévias para a escolha do candidato do PSDB à Presidência. “Participar de uma fraude, eu não vou, não. Vou dar uma explicação bem clara ao país dos porquês. Por mais que eu soubesse que eu poderia [disputar], seria uma coisa menor. Porque não estou aqui para criar constrangimentos para o Geraldo”, disse.

Com a desistência, Virgílio encurta o caminho do paulista para a disputa presidencial. O partido se preparava para realizar as prévias em março. Alckmin deverá se desincompatibilizar do Palácio dos Bandeirantes em 7 de abril para começar oficialmente a campanha pelo país. Aliados de Alckmin se mostraram aliviados com a decisão do manauara.

“DESFAÇATEZ” – Virgílio fez duras críticas ao agora virtual candidato tucano. “Conheci um dos homens públicos menos sinceros e mais capazes para a desfaçatez e fingimento em 40 anos de vida pública”, disse. Nos últimos meses, o prefeito de Manaus vinha reclamando da forma como o PSDB e Alckmin, em particular, conduziram o processo, primeiro, de sucessão de Aécio Neves na presidência do partido e, depois, da definição da candidatura presidencial.

Para Virgílio, decisões de cúpula sem ouvir a militância deterioraram a vida partidária e minaram a credibilidade do PSDB.”Eles [caciques tucanos] pensam ainda que são melhores, como se fossem de certa elite política brasileira, algo que colocaram na cabeça e não querer tirar”, criticou. “Mas tenho clara noção de como se sente o eleitor brasileiro e como ele vê os partidos e o meu partido, em particular. Além dos defeitos tradicionais que os demais acumulam, o PSDB traiu a esperança dos 51 milhões que votaram em Aécio [em 2014].”

DESIGUALDADES – “É preciso abrir a discussão sobre desigualdades regionais, sobre o partido, hoje condenado e execrado pela população. Eles não entendem isso, assim como não entendem de Amazônia, uma região de importância simbólica para o mundo inteiro”, atacou. Além de criticar Alckmin por acumular a presidência do PSDB com a pré-candidatura, o prefeito manaura defendia a realização de uma série de debates em vários Estados do país para preparar o partido para as prévias.

Nesta sexta-feira, dia 23,  porém, o PSDB anunciou que a eleição interna seria realizada no dia 18 de março com um debate entre os pré-candidatos no dia 14, realizado na sede do partido, em Brasília, transmitido pela internet. O prazo para inscrição dos pré-candidatos vai até o dia 5 de março. Não há nenhum tucano com envergadura que tenha se colocado até agora.

“É muita pretensão você achar que exaure a discussão de um projeto para o Brasil com um debate. Geraldo assumiu todo o seu lado de mediocridade, o lado de uma pessoa limitada, que até as piadas que conta são meio jeca”, afirmou Virgílio.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – O descontentamento de Virgílio, filiado ao partido desde 1989, entrou em ebulição. O manauara já tinha apontado Alckmin como o “coveiro do PSDB” e “barco furado” em razão dos baixos índices de intenções de voto do rival. Além disso, o amazonense já tinha reclamado o fato de o partido indicar apenas Alckmin aos institutos de pesquisa. Queria que fossem realizados dez debates ao longo as prévias e dizia que seria leviano dizer que o País inteiro seria “debatido em um único encontro”. Antes de jogar a toalha, ainda mandou recado para os eleitores, “não posso recomendar para o povo brasileiro uma pessoa com o perfil dele”. (M.C.)

3 thoughts on “Arthur Virgílio chama prévia de “fraude” e desiste de concorrer com Alckmin

  1. Um parentesco que se torna incômodo

    O dono da construtora Triunfo, principal alvo nas investigações que deflagraram a Operação Integração, é o empresário Luiz Fernando Wolff de Carvalho. Ele é primo-irmão da advogada Rosângela Wolff Moro, esposa do juiz Sérgio Moro, que acatou os pedidos de prisão e de buscas e apreensão feitas pelo Ministério Público Federal.

    O empresário é apontado como um dos articuladores de esquemas de superfaturamento e de distribuição de propinas oriundas do sistema de pedágio rodoviários e que, direta ou indiretamente, mantinha ligações com o operador Tacla Durán, foragido na Espanha. Outros indícios apontam ligações de Durán com o advogado Carlos Zucolotto, padrinho de casamento de Moro e ex-sócio de Rosângela, que se apresentava como “facilitador” de contatos com o juiz.

    Quando surgiram os primeiros rumores sobre estas ligações, Rosângela Moro preferiu encerrar a página que mantinha no Facebook.

    https://goo.gl/1FkToh

    • Você quer dizer que Moro é culpado por associação dos malfeitos de seus familiares, ou culpado de não espionar a própria família?
      Não lembro de nenhum petista desempenhando esse nobre papel de dedo-duro que é cobrado de Moro.

      Porque você não contesta que os aposentados brasileiros perderam dinheiro na era Lula, quando o discurso oficial é que todo mundo ficou rico?

  2. Esse negócio de primárias do PSDB foi transformado numa palhaçada sem graça, desde que Serra forçou a barra em 2012 pra ser candidato depois de encerradas as inscrições, fez os principais concorrentes desistirem sob pressão, e mesmo assim, quase não conseguiu a maioria absoluta dentro do partido.
    Se o que vale é a vontade dos chefões do partido, primárias pra quê?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *