As crises da vida e o caminho da realização do ser humano

01Leonardo Boff
O Tempo

Tudo o que vive é marcado por crises: crise do nascimento, da juventude, da escolha do parceiro, da escolha da profissão etc. Por fim, advém a grande crise da morte, quando passamos do tempo para a eternidade. O desafio posto a cada um não é como evitar as crises. Elas são inerentes a nossa condição humana. A questão é como as enfrentamos, que lições tiramos delas e como podemos crescer com elas. Por aí passa o caminho de nossa autorrealização e de nossa maturidade como seres humanos.

Toda situação é boa, cada lugar é excelente para nos medirmos e mergulharmos em nossa dimensão profunda, deixando emergir o arquétipo de base que carregamos (aquela tendência de fundo que sempre nos martela) e que quer se mostrar e fazer sua história. Cada um de nós está só. É a tarefa fundamental da existência. Mas, sendo fiel nesse caminhar, a pessoa já não está só. Construiu um centro pessoal a partir do qual pode se encontrar com todos os demais caminhantes. De solitário, faz-se solidário.

A geografia do mundo espiritual é diferente daquela do mundo físico. Nesta, os países se tocam pelos limites. Na outra, pelo centro. É a indiferença, a mediocridade, a ausência de paixão na busca de nosso eu profundo que nos distanciam de nosso centro, e assim perdemos as afinidades.

MELHOR SERVIÇO

Qual é o melhor serviço que posso prestar às pessoas? É ser eu mesmo como ser de relações e, por isso, sempre ligado aos outros.

A realização pessoal não consiste na quantificação de capacidades pessoais que podem ser efetivadas, mas na qualidade, no modo como fazemos bem aquilo que a vida nos cobra. A quantificação, a busca de títulos, de cursos sem fim, pode significar em muitas pessoas a fuga do encontro com a tarefa de sua vida: de se medir consigo mesmo. Foge no acúmulo do saber inócuo que mais ensoberbece e afasta dos outros do que nos amadurece para poder compreender melhor a nós mesmos e ao mundo.

A realização pessoal não é obra da razão, que discorre sobre tudo, mas do espírito, que é a capacidade de ser todo em tudo o que faz. Espiritualidade não é uma ciência ou uma técnica, mas um modo de ser inteiro em cada situação.

A primeira tarefa da realização pessoal é aceitar a nossa situação com seus limites e suas possibilidades. Em cada situação está tudo, não quantitativamente distendido, mas qualitativamente recolhido, como num centro. Entrar nesse centro de nós mesmos é encontrar os outros, todas as coisas e Deus.

O ÚLTIMO LIMITE

Outra tarefa imprescindível para a realização pessoal é saber conviver com o último limite, a morte. Quem dá sentido à morte dá sentido também à vida. Quem não vê sentido na morte também não descobre sentido na vida. Vamos morrendo lentamente, a prestações, porque, quando nascemos, começamos já a morrer, a nos desgastar e nos despedir da vida.

Essa despedida é um deixar para trás não apenas coisas e situações, mas sempre um pouco de nós mesmos. Temos que nos desapegar, nos empobrecer e nos esvaziar. Despojamo-nos de tudo, até de nós mesmos, no último momento da vida, na hora da morte, porque não fomos feitos para este mundo nem para nós mesmos, mas para o Grande Outro que deve encher nossa vida: Deus! Quem conseguir incorporar as negatividades, mesmo injustas, em seu próprio centro alcança o mais alto grau de hominização e de liberdade interior.

As negatividades e as crises pelas quais passamos nos dão esta lição: de nos despojarmos e nos prepararmos para a total plenitude em Deus.

2 thoughts on “As crises da vida e o caminho da realização do ser humano

  1. A. atual crise brasileira foi dolosamente planejada e dirigida.

    Pra que esses velhotes quereriam tanta grana? Nem toda a putaria do mundo, com overdose de viagra nas rapozas vetustas seria capaz de gastá-la…

    Sera que querem um tumulo melhor? Ou a ostentação herdada e historicamente marcada?

    A corrupçao e a burocracia hipertributada nao sao apenas mumias criogenicas envoltas em nitrogenio liquido, sao a realizaçao da imortalidade na carne, pois seguem bem vivas saqueando e maltratando o Brasil.

    Nao sao crises ciclicas, tampouco findaveis. Sao o resultado cultural, biologico e evolucionario do pendulo secular nacional. Entre ditaduras e democraturas na colonia-imperio-republica dos ladroes.

  2. Vai entender o L. Boff. Ele deveria ler o que escreve antes de ser um petista. O mundo está cheio deste tipo de cidadão(?) que fala uma coisa e faz outra totalmente diferente. “O que dá sentido a vida, dá sentido a morte” e, “Temos que nos desapegar, nos empobrecer e nos esvaziar.” Ele deveria começar explicando o mensalão e o petrolão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *