As dúvidas de Sócrates sobre a existência de Deus e a reencarnação perduram até hoje, 2,5 mil anos depois.

Carlos Newton

Já falamos aqui sobre oito dos avatares que criaram as principais religiões, com doutrinas muito semelhantes e praticamente os mesmos ensinamentos – Krishna, Lao Tsé, Moisés, Buda, Confúcio, Sócrates, Jesus Cristo e Maomé.

Sócrates tinha dúvidas…

Entre esses oito doutrinadores,  os registros mais precisos que existem são de Sócrates, embora ele tenha nascido muito antes de Jesus (400 anos) ou Maomé (1.100 anos). Esse legado nos foi transmitido por dois de seus discípulos em Atenas: Platão e Xenofonte.

Os ensinamentos de Sócrates, ministrados quatro séculos antes do nascimento de Jesus Cristo, perduram até hoje e influenciam não somente o Cristianismo, em suas diferentes segmentações, mas também outras religiões, como o Espiritismo, que nitidamente é baseado nos pensamentos do mestre ateniense.

Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Allan Kardec destacou que a doutrina cristã “foi pressentida muitos séculos antes de Jesus e dos essênios, tendo por principais precursores Sócrates e Platão”, e analisou em profundidade os ensinamentos dos mestres gregos em relação à espiritualidade.

Antes de Sócrates e Platão, grandes pensadores já haviam concluído haver uma nítida separação entre corpo e alma (espírito). Muitas religiões acreditavam em reencarnação, outras pregavam a transmigração das almas ou metempsicose, segundo a qual o homem poderia reencarnar  também em animais.

Sócrates tinha dúvidas. Aos juízes que o condenaram à morte, disse ele: “De duas uma: ou a morte é uma destruição absoluta, ou é passagem da alma para outro lugar. Se tudo tem de extinguir-se, a morte será como uma dessas raras noites que passamos sem sonho e sem nenhuma consciência de nós mesmos. Todavia, se a morte é apenas uma mudança de morada, a passagem para o lugar onde os mortos têm de se reunir, que felicidade a de encontrarmos lá aqueles a quem conhecemos! O meu maior prazer seria examinar de perto os habitantes dessa outra morada e distinguir lá, como aqui, os que são dignos  e os que se julgam tais e não o são. Mas é tempo de nos separarmos, eu para morrer, vós para viverdes”.

###
CORPO E ALMA

Na prisão, em diálogos com os discípulos, dizia Sócrates: “O corpo conserva bem impressos os vestígios dos cuidados de que foi objeto e dos acidentes que sofreu. Dá-se o mesmo com a alma. Quando despida do corpo, ela guarda, evidentes, os traços do seu caráter, de suas afeições e as marcas que lhe deixaram todos os atos de sua vida. Assim, a maior desgraça que pode acontecer ao homem é ir para o outro mundo com a alma carregado de crimes. Vês, Cálicles, que nem tu, nem Pólux, nem Górgias podereis provar que devamos levar outra vida que nos seja útil quando estejamos do outro lado. De tantas opiniões diversas, a única que permanece inabalável é a de que mais vale receber do que cometer uma injustiça e que, acima de tudo, devemos cuidar, não de parecer, mas de ser homem de bem”.

Passados quase 2,5 mil anos, a humanidade continua com as mesmas dúvidas que atormentavam Sócrates e seus discípulos, a respeito da existência de Deus e da possibilidade de reencarnação. Na verdade, só sabemos que nada sabemos, podemos dizer assim, parafraseando o mais famoso ensinamento do grande mestre ateniense.

AMANHÃ:
Acreditar em Deus pode até ser um erro,
mas é um grande alento para bilhões de pessoas

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “As dúvidas de Sócrates sobre a existência de Deus e a reencarnação perduram até hoje, 2,5 mil anos depois.

  1. Essa dúvida foi completamente extirpada com a publicação de Denizard RIvail de o Evangelho Segundo o Espiritismo, em que ele cita o próprio Platão em sua passagem memorável concitando seus discípulos na prisão a compreenderem (e não duvidarem) sobre a vida pós desencarne.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *