As férias do Congresso e as bases partidárias

Congresso Nacional ficará 15 dias parado, em recesso

Carlos Chagas

Os quinze dias de férias do Congresso, de 1 a 15 de julho, servirão para deputados e senadores perceberem com mais intensidade o sentimento de suas bases com relação ao governo. Pelo jeito, muitos integrantes do bloco oficial voltarão balançados, senão descrentes das possibilidades de a presidente Dilma recuperar sua popularidade. Vai crescer, nas bancadas do PT, a tendência pela adoção de uma linha de independência diante do palácio do Planalto, em especial por conta da política econômica. Fatores como o desemprego, a inflação, a alta do custo de vida, dos impostos e das tarifas de serviços essenciais, mais a compressão salarial, pesam na balança para gerar a descrença da opinião pública com o governo.

O Lula foi dos primeiros a perceber a queda não apenas nos índices de aceitação do governo Dilma, como, também, a necessidade de os companheiros retomarem propostas hoje esquecidas pela maioria, como mais reformas sociais, participação dos empregados no lucro das empresas, estabilidade no emprego, cogestão e outros.

MÁS PERSPECTIVAS

Mais do que as pesquisas vale o contato direto com os eleitores e as perspectivas não são boas para os governistas. As eleições municipais do próximo ano consistirão no primeiro termômetro formal para se aferir as tendências populares. O partido que fizer mais prefeitos e vereadores, se obtiver números significativos, poderá posicionar-se para as eleições para o Congresso, dois anos depois.

Já as eleições presidenciais, na mesma data, dependerão de outros fatores, muito mais pessoais do que partidários. É cedo para projeções, mas se a escolha fosse esta semana o Lula seria o candidato do PT, disputando com Aécio Neves, do PSDB, atualmente tendo recuperado o espaço que punha Geraldo Alckmin nos seus calcanhares. No PMDB, Michel Temer surge como opção natural, mas Eduardo Cunha vem trabalhando. Ronaldo Caiado gostaria de disputar pelo DEM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *