As ideologias são vazias, tudo é complexo e incerto, mas não é proibido raciocinar a respeito

Charge do Laerte (Folha)

Eurípedes Alcântara
O Globo

Parece cada vez mais difícil para mais gente admitir que não sabe o bastante sobre alguma coisa a ponto de ter uma opinião. As conversas sobre qualquer assunto estão ficando insuportáveis pelo excesso de certezas absolutas, antes só permitidas aos muito jovens.

Certeza é um dos sintomas da imaturidade. Ser adulto é aprender a conviver com incertezas. “Não sou jovem o suficiente para saber tudo”, diz o sábio ditado ora atribuído ao poeta irlandês Oscar Wilde, ora ao primeiro-ministro britânico da Era Vitoriana Benjamin Disraeli.

SOCIEDADE IMATURA – Por essa régua, vivemos numa sociedade de imaturos, inseguros, buscando muletas para se apoiar. Esse ambiente favorece duas situações indesejáveis. A primeira é a tentação de delegar decisões da vida pessoal a uma ideologia, a um partido ou até a um governo. A segunda é o recolhimento ao conforto do pensamento binário simplório, com o consequente pavor da complexidade.

Delegar o destino a um ente imaginário coletivo provedor, todo-poderoso, é uma das superstições mais acalentadas atualmente. Assustador é essa ilusão ser cultivada por jovens, principalmente das grandes cidades do Ocidente.

Jovens americanos dos movimentos Antifa e Black Lives Matter, embora tenham recentemente começado a trocar sopapos entre si, costumam definir-se como socialistas ou mesmo comunistas.

À PROCURA DE LUZ – “Esses moços, pobre moços (…)/ Saibam que deixam o céu/ Por ser escuro/ E vão ao inferno/ À procura de luz” – dizem os versos de Lupicínio Rodrigues.

Acabei de ouvi-los na linda voz de Adriana Calcanhotto. É um convite lírico a pensar nas lutas dos jovens militantes. Uma lei histórica mostra que ninguém milita com o objetivo de continuar oprimido quando sua causa triunfar: o militante se imagina sempre dirigente na nova ordem. É uma lei incontrastável.

Quando o objetivo da luta é obter a igualdade plena entre todos, caso a insurreição triunfe, o militante logo se arvora a ser “mais igual” que os outros, na exata observação de George Orwell no livro “A Revolução dos Bichos”. Cuidado com o que pedem, pois podem conseguir e descobrirão muito tarde não ser o coletivismo igualitário o resultado, mas a ditadura.

MEDO DE PENSAR – A segunda situação indesejável trazida pelo excesso de certeza é o medo do pensamento complexo. O mundo real não é preto e branco. A complexidade é um fato da vida. O pensamento complexo é aberto à crítica, condição obrigatória a toda formulação merecedora de atenção. É atento à sua própria obsolescência, sensível ao novo, ao desconhecido, ao estranho.

Admitir a complexidade de certos assuntos e reconhecer não ter opinião válida sobre eles é uma opção adulta, madura, em qualquer idade. Viva a complexidade!

O pensamento complexo é sempre receptivo à incerteza, à contradição, à ambivalência. Como nos ensina o sábio francês Edgar Morin, são essas as qualidades de quem se propõe a escapar da arrogância e do dogmatismo.

TUDO É POLÍTICA – Essas reflexões, acredito, valem para oprimidos e opressores. O espírito do nosso tempo comanda que “tudo é política”. Essa é a premissa do livro mais recente de Paul Krugman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2008 e hoje o economista com maior influência sobre o governo do presidente americano, Joe Biden. O título do livro de Krugman em português é “Discutindo com zumbis: economia, política e a luta por um futuro melhor”.

Conheci Krugman quando ele ainda dava aulas no Massachusetts Institute of Technology (MIT) e era um zeloso fiscalista. Agora ele incentiva Biden a imprimir dólares para impedir a recessão contratada pela pandemia de Covid-19.

As certezas numéricas da juventude deram lugar à aventureira complexidade da política. Ele está certo? Não sei. Não conheço bastante a política monetária americana para dar uma opinião.

17 thoughts on “As ideologias são vazias, tudo é complexo e incerto, mas não é proibido raciocinar a respeito

  1. E por mencionar LUZ, ontem uma equipe de cientistas, liderada pelo físico francês, Clément Goyon, num loboratório em Livermore – EUA, durante um ensaio, teria ultrapassado a velocidade da luz. Ou seja: supostamente, atingido a velocidade Supraluminal.
    Se essa proeza se confirmasse, deixar-nos-ímos à rampa de embarque das ainda ficcionais passagens intergalácticas.
    Segura o cinto aí, Rue de Sablons!

    • 1) Verdade amigo, como dizia meu professor Buda: “tudo é impermanente”…

      2) Até o limite da velocidade da luz, mais adiante devem confirmar que existem coisas/fatos mais velozes…

      3) Voltando ao pensador Buda, ele dizia que a “coisa” mais rápida é o nosso pensamento…

      4) Em questão de segundos vou até a Lua e depois dou um pulo em Saturno. Passarei a noite em Júpiter que tem 10 luas, deve ser uma notada e tanta…

      5) o artigo do Eurípedes Alcântara é muito bom.

      • Perdão, meu amigo e professor, Rocha, perdão,

        Buda, mais antigo que Cristo, não podia saber tudo, pois ele existiu há tempos atrás.

        Não é o pensamento o que existe de mais rápido no universo, assim como a velocidade da luz.

        Na verdade, o que é muito mais rápido que essas velocidades seria a DIARRÉIA!

        Não dá tempo de pensar e nem de acender a luz!

        Abração.
        Saúde e paz.

          • Leão,

            Tudo se conecta neste planeta, esqueceste??!!

            Muitas pessoas até conseguiram fenômenos biológicos e estruturais orgânicos, que mais que tu queres?

            Exemplo:
            Conheço várias pessoas que o cérebro virou intestino e o intestino ficou sendo o gerador de ideais.
            Ou como explicar a merda do que dizem e pensam?

            Bom domingo, Leão.
            Curtindo a vida embaixo de uma sombra, o meu desejo para o Rei dos Animais.

  2. Rocha,

    Cometi um lapso por querer ser rápido:
    tira o “há” que coloquei antes de tempos atrás, por favor.
    O correto seria sem:
    … ele existiu tempo atrás …

    Obrigadão.
    Grato por compreenderes o teu amigo, que por mais que deseje, é um velho caminhão se arrastando indo para o ferro-velho.

  3. Como que gangues que lutam para se apropriarem dos cofres públicos poderão ter alguma ideologia, que não no sentido marxiano, como uma versão da realidade que a encoberta, assim como seus interesses escussos?

    Para termos alguma concepção da realidade devemos nos afastar a légua das certezas institucionais dos que fazem parte do Estado Clepto-patriminonialista e seus mitos condutopatas, como Lula e Bolsonaro.

    • Prezado Delcio Lima,

      Respondeste à tua própria indagação, se não reparaste:

      “Como que gangues que lutam para se apropriarem dos cofres públicos poderão ter alguma ideologia ….

      Lutam para se apropriarem dos cofres públicos (sic), logo, eis um objetivo, uma ideia fixa, uma ideologia que o poder público deve seguir à risca!

      Se, quem pertence a qualquer poder institucional não roubar, explorar e manipular, é expulso do grupo por conduta incondizente com a realidade existente há décadas no Brasil!

      A cleptoctacia é a ideologia nacional instituída e aprovada.

  4. O excesso de liberdades individuais leva a desigualdades monstruosas; o igualitarismo leva a ditaduras cruéis.

    “IGUALDADE, NÃO IGUALITARISMO
    No caminho do igualitarismo você não vai muito longe, mas revertê-lo é sempre mais difícil do que compreendê-lo.
    É preciso reconhecer que “a distribuição da riqueza, em correspondência com a complexidade, quantidade e qualidade do trabalho prestado, como a expressão concreta da equidade”.
    Devem ser criadas condições, por meio diferenciações de remunerações monetárias, para superar os efeitos nocivos do igualitarismo e realizar o princípio “de cada um de acordo com sua capacidade, cada um de acordo com seu trabalho”.
    Os subsídios aos produtos ou gratuidade ou outros subsídios que contemplem igualmente a todos, levam ao caminho do igualitarismo, quando o melhor é o subsídio planejado às pessoas, máxima que parte da igualdade e da justiça social.”

  5. Jesus, Buda, Einstein e tantos outros. Graças às mãozinhas dos seus adeptos sucedâneos, serão eternos visinários, detentores de uma sapiência, com prazo de validade atemporal.
    Sempre quando houve um deslize aqui ou acolá, surgirá do plantão um seguidor vogal, para fazer a devida correção de rumo e rearmonizá-lo, segundo os parâmetros preconizados.
    Para que existe uma graduação acadêmica chamada Teologia?
    Por que, ainda hoje, os Terraplanistas nunca desceram do mundo da lua, e continuam arregimentando sequazes?
    -Ah, é tosse gravada? Sim! Por gentileza, se for do Reberto Carlos, põe um disco no carrinho pra mim, e passa o “caitão”

  6. vivemos algo de que devemos fugir, como o diabo da cruz, as retroutopias. a volta a um paraíso socialista ou liberal que nunca existiram.

    Só a ruptura epistemológica,pode nos salvar.

    os grandes pensadores tê sido “adaptados ” às mais crueis pratica, como fazem com Jesus, que nunca teve onde encostar a cabeça e hoje serve para bilionar pilantras como Edir Macedo.

    Não sejamos inocentes inúteis das gangues que dominam a política nos países do quinto mundo, como somos.

  7. Achei que eu havia postado o meu comentário sobre o artigo em tela.
    Vejo que me enganei, e a memória começa a me trair.

    Bom, vamos à postagem referida:

    Há controvérsias, sobre as ideologias serem vazias, mas podemos raciocinar sobre elas.

    Eu afirmaria o contrário:
    As ideologias são tão intensas, que não se tem como raciocinar sobre elas.

    Se considerarmos as religiões como também ideologias, seriam elas que mais produzem fanáticos e radicais, logo, avessos ao pensamento lógico sobre a insanidade deste comportamento;
    Por mais que o desvio do comunismo de Marx tenha sido adulterado, o regime ainda possui adeptos no mundo inteiro, a ponto de haver quem o defenda até a morte;
    Da mesma forma, o capitalismo. Em nome da pretensa “liberdade”, mata através do dinheiro pobres e miseráveis, doentes e desempregados, e deixa bilhões de pessoas sem futuro porque sem utilidade para esta ideologia.

    Talvez a ideologia mais perniciosa que existe seja aquela do “Eu sozinho”, de se ser o dono da verdade, então fecha-se para o diálogo, para não mudar o seu jeito de pensar, de não querer ampliar suas ideias e concepções que idealiza.

    Discordo desta conclusão que as ideologias são vazias, pelo contrário.
    Elas têm o poder de nos fazer mergulhar de cabeça nas suas teses e filosofias, que prometem mundo melhores, mas justos e mais oportunos para todos, mesmo sendo todas, sem distinção, a legítima manipulação de corações e mentes da humanidade.

    Aliás, o articulista demonstrou a sua ideologia, que diz não ter.
    De não acreditar nesses movimentos, mas não dispensa tecer pensamentos a respeito, na tentativa de esvaziar as suas importâncias, onde a realidade prova exatamente o oposto!

    Talvez tenha esquecido da pior de todas, que foi o nazismo e, atualmente, o Estado Islâmico.
    Decorrentes do nazismo tivemos Stalin, Mao, Pol Pot, Fidel Castro, e vários outros sanguinários ditadores menos importantes, principalmente enquanto durou a Cortina de Ferro e, paralelamente, a Guerra Fria.

    Ou as guerras da Coréia e Vietnã não foram exatamente conflitos ideológicos?!
    Por acaso o Brasil não está vivendo, lamentavelmente, um combate entre ideologias?
    Que está nos prejudicando, separando, dividindo, enquanto temos o aumento da miséria, pobreza, desemprego, doenças, e um povo e Nação sem futuros?!

    As ideologias mais do que nunca estão mais fortes, mais sólidas, mais herméticas.

    Vou mais além:
    Qual seria a ideologia mais seguida, obedecida, reverenciada e enaltecida, existente no Brasil?!
    Que leva de roldão religiões e movimentos políticos, instituições e poderes nacionais?!
    A CORRUPÇÃO!!!

    Ou, por acaso, essa tradição, esse costume, essa forma de o País se movimentar, esse maneira de o povo seguir a sua vida, essas circunstâncias atuais não seriam uma ideologia seguida a ferro e fogo, que suplanta até mesmo a fé dos mais crentes, e dos políticos mais bem intencionados??!!

    Não, não, as ideologias estão mais firmes e fortes, enquanto o pensamento está cada vez mais frágil e carente de razão, de lógica, de sensatez e de confiança!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *