As velhas e belas árvores que emocionavam o poeta Olavo Bilac

Resultado de imagem para olavo bilacPaulo Peres
Site Poemas & Canções

O jornalista e poeta carioca Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (1865-1918), no soneto “Velhas Árvores”, transforma o crescimento das árvores em uma emocionante lição de vida.

VELHAS ÁRVORES
Olavo Bilac

Olha estas velhas árvores, — mais belas,
Do que as árvores mais moças, mais amigas,
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas . . .

O homem, a fera e o inseto à sombra delas
Vivem livres de fomes e fadigas;
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E alegria das aves tagarelas . . .

Não choremos jamais a mocidade!
Envelheçamos rindo! envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem,

Na glória da alegria e da bondade
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem!

3 thoughts on “As velhas e belas árvores que emocionavam o poeta Olavo Bilac

  1. O poeta que entendia e falava com as estrelas nos deixou estas árvores que sabem envelhecer

    “Envelheçamos rindo! envelheçamos
    Como as árvores fortes envelhecem”

    Nos tempos do antigo curo ginasial decorávamos poesias e estas velhas árvores foi uma delas. Saibamos envelhecer como as árvores que ficam mais fortes e ainda dão sombra e consolo aos que padecem.

  2. Uma bela composição sobre a velhice, interpretada com alma por Mercedes Sosa )
    Años – Pablo Milanés

    El tiempo pasa nos vamos poniendo viejos
    Yo el amor no lo reflejo como ayer
    En cada conversación
    Cada beso cada abrazo
    Se impone siempre un pedazo de razón

    Vamos viviendo, viendo las horas
    Que van pasando las viejas discusiones
    Se van perdiendo entre las razones
    Porque años atrás tomar tú manos

    Robarte un beso
    Sin forzar el momento
    Hacía parte de una verdad

    Porque el tiempo pasa
    Nos vamos poniendo viejos
    Yo el amor
    No lo reflejo como ayer
    En cada conversación
    Cada beso cada abrazo
    Se impone siempre un pedazo de razón

    A todo dices que sí
    A nada digo que no
    Para poder construir
    Esta tremenda armonía
    Que pone viejo los corazones

    Porque el tiempo pasa
    Nos vamos poniendo viejos
    Yo el amor
    No lo reflejo como ayer
    En cada conversación
    Cada beso cada abrazo
    Se impone siempre un pedazo
    De temor

    Importante é saber viver cada fase da vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *