Associação de Jornalismo divulga nota de repúdio e denuncia assédio moral de Bolsonaro a jornalistas

Bolsonaro se irritou com as perguntas dos jornalistas sobre Flávio

Deu no Estadão

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou nota nesta sexta-feira, dia 20, em que protesta contra o tratamento dado pelo presidente Jair Bolsonaro a jornalistas na saída do Palácio da Alvorada. Para a entidade, as respostas exaltadas do presidente com ataques pessoais, caracterizam assédio moral aos profissionais.

Bolsonaro se irritou com as perguntas dos jornalistas e não respondeu várias das indagações. “Você tem uma cara de homossexual terrível, mas nem por isso eu te acuso de ser homossexual. Se bem que não é crime ser homossexual”, disse a um repórter quando questionado se Flávio teria cometido algum deslize.

“PARA TUA MÃE” – Com dedo em riste, o presidente mandou jornalistas “ficarem quietos” mais de uma vez. Um outro jornalista perguntou se ele teria o comprovante do empréstimo, de R$ 40 mil a Fabrício Queiroz que segundo o presidente, foi ele mesmo que fez. “Oh, rapaz, pergunte para a tua mãe o comprovante que ela deu ao teu pai, está certo?” foi a resposta de Bolsonaro.

Na nota, a Abraji diz que “foram mais de uma dezena de ocasiões ao longo do primeiro ano de mandato em que o presidente teve atitude semelhante. Os apoiadores do presidente que também o aguardam na porta do Alvorada costumam celebrar os ataques, acentuando o clima de intimidação contra os repórteres”.

“Atacar jornalistas como forma de evitar prestar informações de interesse público e receber aplausos de apoiadores é ação incompatível com o respeito ao trabalho da imprensa, fundamental para a democracia”, concluiu a entidade na nota.

 ###

ÍNTEGRA DA NOTA DA ABRAJI

Nesta sexta-feira (20.dez.2019), o presidente Jair Bolsonaro, ao ser abordado por jornalistas na saída do Palácio da Alvorada, assediou moralmente os profissionais, recusou-se a responder perguntas e disse que a imprensa deveria se calar.

Após fazer uma pergunta sobre a mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, um repórter recebeu a resposta do presidente: “Você pretende se casar comigo um dia? (…) Responde. Você não gosta de louro de olhos azuis?” Diante do silêncio do jornalista, Bolsonaro insistiu no assédio moral: “Não seja preconceituoso. Vou te processar por homofobia. Você é homofóbico”.

Outro jornalista perguntou ao presidente a respeito das investigações sobre seu filho, o deputado federal Flávio Bolsonaro. Também recebeu resposta agressiva e de tom sexista: “Você tem uma cara de homossexual terrível e nem por isso eu te acuso de ser homossexual”.

Foram mais de uma dezena de ocasiões ao longo do primeiro ano de mandato em que o presidente teve atitude semelhante. Os apoiadores do presidente que também o aguardam na porta do Alvorada costumam celebrar os ataques, acentuando o clima de intimidação contra os repórteres.

Embora desta vez os alvos tenham sido homens, as jornalistas são as mais visadas pelo presidente na hora de atacar os profissionais. Segundo relatos de repórteres, Bolsonaro visa determinadas mulheres para constranger frequentemente, sempre que as vê ou é abordado por elas.

Atacar jornalistas como forma de evitar prestar informações de interesse público e receber aplausos de apoiadores é ação incompatível com o respeito ao trabalho da imprensa, fundamental para a democracia.

Diretoria da Abraji, 20 de dezembro de 2020.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGBolsonaro perde a compostura quando questionam as atitudes dos seus filhos. Age como pai e não como presidente. E para evitar o confronto com as perguntas incômodas e não ter respostas satisfatórias, apela para ataques com o objetivo de constranger os profissionais de imprensa. (Marcelo Copelli)

15 thoughts on “Associação de Jornalismo divulga nota de repúdio e denuncia assédio moral de Bolsonaro a jornalistas

    • Tudo neste mundo é de livre arbítrio. O que não significa garantia de impunidade.
      No caso da ABRAJI, emitiu-se um texto pobre e inócuo. Além disso, esqueceram a conclusão, ou seja: “Até aí morreu o Neves.”.

      • Caro Marcos:

        Ataques ou argumentos Ad Hominem são o maior indicativo de que um antagonista encontra-se completamente sem resposta ou argumento satisfatório para determinado questionamento do seu interlocutor. Bolsonaro deve saber, lá no íntimo dele, dos rolos do Flavio que foram objeto do questionamento dos repórteres que ele xingou….

        Pensando, para os quadrúpedes passadores de pano do Johnny Bravo (ultimamente mais bravo do que nunca….kkkkkkk xD), era melhor continuar falando de Greta Thunberg e Paulo Freire, né não?

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk xD

    • Pano rápido, Renato!

      Os quadrúpedes acreditam nessa briguinha entre Bolsonaro e a Grobo:

      “Ainnnnn, que lindo!!! Meu Mito tá peitando a Grobo!!!”

  1. O mimimi encima dessa fala já deu o que tinha que dar, nem com muito contorcionismo da pra falar que o tal reporte é viado, mas mesmo que seja o que não vem ao caso, o Bolsonaro não o ofendeu porrrrra nenhuma, só fez uma metáfora, mas pelo visto a qualidade das penas anda muito ruim mesmo nem isso conseguem entender mais, já não se fazem bons jornalistas ha muito tempo.
    E o pior é jornal fazendo esse tipo de matéria pra encher os buracos da incompetência.

  2. A extrema imprensa tem que ser tratada no cacete, na ignorância. Esses jornalistinhas só querem provocar, não estão interessados em informar nada a ninguém. São um lixo.

  3. Só um mau pai defende os erros dos filhos.
    Meu voto foi contra o PT e tudo que ele representava de ruim/corrupção e mesmo com a “pulga atrás da orelha” dei meu voto para o Bolsonaro.
    PS:E não estou arrependido.

  4. Como vivemos no país do absurdo como o de punir um réu só depois de ser condenado em 4 instâncias, existe também por parte de muitos, condenar um suspeito, mesmo antes da primeira instância.

    Que país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *