Até a arte está desmoralizada com aquele homem nu no Masp e a criança perto

Resultado de imagem para homem nu no masp

A menina foi instada a se aproximar do homem nu 

Jorge Béja

O que é arte não é ridículo nem constrangedor. O que é ridículo e constrangedor não é arte. Num espaço público, famoso e muito frequentado, como é o Museu de Arte de São Paulo (Masp), a plateia de visitantes entra e dá de cara com um homem nu deitado no chão, braços abertos e imóvel. O que existe de artístico nisso? A obra do Criador é que não é. Os corpos humanos são os mesmos e igualíssimos na forma e na anatomia, desde a criação. Esta, sim, arte divina e transcendental. E cada um de nós é um seu exemplar que não precisa ficar exposto, porque curiosidade também não é. Sim, exposto e também protegido.

Quando a criança nasce, o primeiro gesto é cobrir o bebê. E até no ventre materno o bebê está protegido, porque coberto pela placenta. E eis que surge uma criança de 4 ou 5 anos de idade. Engatinhando, a criança chega perto do corpo e o toca. Foi o que aconteceu na terça-feira (26/9), na estreia de um chamado “Panorama de arte Brasileira” no Masp.

PROPÕE REFLEXÃO – Segundo seus idealizadores, a Bienal aborda “a arte no país e propõe reflexão sobre a identidade brasileira”. Pronto, o vídeo do corpo nu estendido no chão e a criança nele tocando circula na internet e começou a polêmica. Uns, achando nada de mais. Outros, desaprovando. Ouvidas, falaram as chamadas autoridades. E parece que a promotoria pública da Infância e Adolescência de São Paulo vai investigar o caso, administrativamente, como declarou nesta segunda-feira (2/11) o desembargador doutor Malheiros, do Tribunal de Justiça de São Paulo. O MP quer saber se houve violação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Nada de puritanismo. Nada de conservadorismo nem de escrúpulo, nem de austeridade em excesso, embora uma boa dosagem de ambas (escrúpulo e austeridade) é sempre bem-vinda e não faça mal a ninguém. A questão diz respeito à arte e à defesa do pudor, dos adultos e das crianças.

QUAL IDENTIDADE? – Que “reflexão sobre a identidade brasileira” pode produzir a exposição pública de um homem nu e imóvel deitado no chão?. Talvez a reflexão sobre a consequência da violência urbana que, diariamente e há anos, causa muitas mortes cujos corpos são levados para os Institutos Médicos Legais e lá ficam assim, como ficou exposto o corpo daquele homem no chão do Masp:  completamente nu, para que os exames cadavéricos sejam feitos pelos médicos legistas. Igualzinho, igualzinho.

Quem já viu o que se passa nos necrotérios oficiais pode confirmar a comparação aqui feita. Dizer que isso é arte, que é artístico, não é mesmo. Todas as artes são belas. Nunca fúnebres e macabras… Imitar um cadáver não é arte.  Os que foram ver não saíram de lá e levaram para casa leveza, satisfação, encantamento, mas destruição, tristeza, comoção… Não cura. Faz até adoecer. Tudo isso sem cogitar sobre o aspecto do ultraje ao sentimento coletivo de pudor e que o Código Penal Brasileiro considera crime e condena.

É CRIME – Se uma pessoa é pega urinando escondida num canto de rua, mesmo sem iluminação, ainda que vestida, e sem nada exposta, vem a policia e o leva para a delegacia. O crime? Ato obsceno (Código Penal, artigo 233). Se assim é — e é assim — o que dizer, então, de um espaço público, aberto ao público de todas as idades, e repleto de público e que põe à mostra um homem nu deitado no chão? E ainda uma criança de tenra idade vai até o corpo e o toca. Que passou na cabecinha da criança? Não. Não é para concordar, e sim repudiar.

A iniciativa privada e os que se intitulam artistas, podem até abrir um espaço particular, ou um palco, cercado de cuidados, seguranças e avisos, para nele serem exibidas, ao vivo, com homens e mulheres de carne e osso, as 100 melhores posições do “Kama Sutra”. Vai quem quer. Mas quem for lá precisa ser pessoa adulta, todos maiores de 18 anos de idade. Não podem entrar criança nem adolescente. É impróprio para menores. E livre para os chamados adultos. Adultos, de pouco ou nenhum pudor consigo próprio.

OS RESPONSÁVEIS – O mais grave que aconteceu no Masp foi aquela criança engatinhando até chegar perto do homem nu e tocá-lo. É preciso identificar os culpados e responsáveis. Porque “é dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório e constrangedor”, como dispõe o artigo 18 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Perdão pedimos à sua majestade, àquela criança que não foi protegida. E é imaginável como você, da Eternidade, deve estar sofrendo, grande Gonzaguinha, que tanto cantou “Eu fico com a pureza da resposta das crianças, é a vida é bonita e é bonita”, trecho da música que você compôs intitulada “O que é, o que é?”.

56 thoughts on “Até a arte está desmoralizada com aquele homem nu no Masp e a criança perto

  1. Vamos deixar de hipocrisia. O artista tem o direito de se expor e se defender. Por outro lado, todos têm o direito de criticar. E os crimes hediondos, elaborados com uma engenharia difícil de compreender, como os roubos públicos, a proteção aos criminosos, a proteção aos bancos que nos roubam, a falta de ação dos políticos nos interesses do povo, a imprensa não tem interesse em denunciar. Porque, na maioria das vezes, está de conluio com os bandidos.

      • Se você está preocupado, é bom vigiar seus filhos, pois tem muita porcariada para ver na tv, internet, celular, zap zap, na rua, maus exemplos em casa mesmo. É bom colocar em uma redoma, talvez longe até dos pais.

    • Antes do direito, o artista tem o dever de saber as leis que regem o ambiente publico onde estará apresentando sua obra…

      Veja bem,. fosse minha filha a criança tocando um estranho, com ou sem roupa, num museu, teria sido descaso meu…
      Fosse na minha casa o artista estranho, eu fuzilava. pelo desrespeito dele…

      Ambiente publico tem regras, a sociedade brasileira ainda tem pudor, e a
      putaria imposta nas mídias formadoras de opinião ainda não está incutida na totalidade da população brasileira…

      Sem hipocrisia eu digo, faltou alguém com fibra na hora pra impedir essa palhaçada obscena da aproximação de uma criança a um corpo estranho nu, em público, acontecer…

      Quer brincar de morto no Masp? Há um necrotério, fica a menos de 100 metros de distancia, no Hospital Matarazzo…

      Só soube deste caso lendo este post.
      Fiz muita arte, muita intervenção na Paulista, inclusive no MASP.
      Éramos alunos do IADÊ, houve vez que interferimos com Dadaismo na Paulista, da Consolação ao MASP, carregando televisores, vassouras, ate montamos uma cama de molas com colchão e lençóis e deitamos um aluno bem no meio do cruzamento da Paulista com Rua Augusta, em pleno meio-dia, isso em 1981.

      Ninguém manifestou-se contra, e olha que era hora do almoço numa Avenida Paulista.

      Esse evento no MASP, as crianças lá, e ninguém fez nada? Nem os pais?
      Era a filha do pelado?
      Fazia parte da tal “instalação”?

      A desmoralização do brasileiro sendo testada….

  2. Dr. Béja, chegoe sua hora de impetrar com uma ação na Justiça. Seria das mais dignas que o senhor fará feito na vida. Chegou a vez, o senhor tem autoridade moral.

    • Denuncie esta cambada de imundos. Encurrale-os na Justiça com todo o saber que Deu lhe deu. Faça os pagarem pela vida dessa criança. Faça isso em nome do Berbardo e de tantos outros que o senhor justamente tem defendido.

      • Francisco, qualquer providência em nome da coletividade, junto à Justiça, só pode ser tomada junto à Justiça de São Paulo, onde ocorreu o fato. A Justiça do Rio é incompetente “ratione locci” (em razão do lugar). Incompetência territorial. Agora, se essa gente vem aqui para o Rio fazer a mesma coisa, vou sair em campo com a ajuda do colega João Amaury Belem, que certamente estará ao meu lado para tudo. E tudo farei em memória, em agradecimento e devoção ao menino Bernardo Uglione Boldrini que se não tivesse sido imolado aos 11 de idade lá no RG Sul (ele morava em Três Passos) estaria hoje com 15 anos completados dia 6 de Setembro passado. Hoje está no Reino dos Espíritos. Na Eternidade. Intercedendo a Deus por nós. E nos dando aquilo que lhe foi negado: amor.

  3. A Tribuna precisava abordar a fatídica exposição de “artes” do tal quuermuseum.

    Pois além de publicar um artigo a respeito, o seu autor é o dr.Béja, uma pessoa altamente capaz de escrever um texto referente aos excessos cometidos ou desrespeito praticado ou porque se trata mesmo de arte, afora as suas implicações jurídicas.

    A meu ver, se a arte é qualquer coisa, então nada vale, nada presta, nada tem de valor, e me refiro a esta exposição, e não sobre a arte em si.

    Creio que afrontar os princípios e valores familiares e colocar a fé alheia em termos desrespeitosos, certamente não poderia ter sido liberada a sua exposição, pois não se trata de liberdade de expressão ou coisa que o valha, mas pornografia, zoofilia, pedofilia.

    A foto que mostra um canalha nu, um indivíduo narcista, um criminoso, sabendo que a sua nudez será vista por crianças e, neste caso, uma delas tocando-o é repugnante, merecendo este inescrupuloso ir para a cadeia ou se houvesse pais que amassem os seus filhos uma boa surra no infame,que também seria arte, a arte de ensinar o porco imundo a respeitar os filhos dos outros!

    O desclassificado e cuspidor-mor do congresso, aquele parlamentar vagabundo com nome de jipe, teve chiliques e trololós quando esta exposição obscena foi cancelada, e acusando seus pares de censores, nazistas, ignorantes.

    Certamente o deputado-jipe queria ser um dos participantes deste “museu”, fazendo sexo com o homem e cuspindo nos frequentadores, entendendo que seria um artista em pleno apogeu!

    A verdade é que esta gentalha tem como objetivo acabar com a família, último baluarte contra a licenciosidade, a libertinagem, tentando substituir a liberdade de expressão e artística por comportamentos deletérios, aviltantes, agressivos, deploráveis e deprimentes, mediante cenas chocantes e cenas decadentes.

    Tá bem, trata-se do ser humano, mas existem momentos e locais próprios para este festival indecente, devasso, imoral, de loas à obscenidade e até mesmo à pornografia.

    Um inquérito se faz necessário, e responsabilizar e punir, se as investigações indicarem condenação, as mentes deturpadas que organizaram este maldito evento e com dinheiro público!

  4. Eles querem contagiar com suas doenças mentais.
    São bichos imundos!
    Sem querer ofender os bichos.
    Afinal? Qual é o problema desses caras?
    Pra que isso meu Deus?
    Atenciosamente.

  5. Sao uns canalhas.Como a investida politica deles fracassou com o excesso de corrupcao,agora estao atacando no front da familia e da moral.O objetivo he o de sempre,destruir a sociedade para se apoderar do poder e nao sair mais.E pensar q tem gente q se presta para essa manipulacao.Se acham moderninhos,pra frente,liberais.Coitadas das criancas dessas familias pervertidas.

  6. PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR: Para a esquerdalha imunda que defende, idolatra e diz que enxerga “arte” nesse ensaio de pedofilia, uma única pergunta que já foi formulada pelo ex-deputado Roberto Jefferson: “Eu queria ver a reação da esquerda se o Bolsonaro deitasse pelado e uma criança ficasse apalpando ele. Seria o ‘fim dos tempos’ pra esquerda”.
    E aí? Continuaria sendo “arte” para a canalhada metida a intelectual? Ou Bolsonaro seria pedófilo?

  7. Como vai, Jorge Béja? Outrora, a arte falava por si própria e levava a reflexões profundas que varam e continuam singrando os séculos. Hoje o que se reputa arte, precisa de uma rubrica, como você apontou, para se justificar. A verdade é que com ou sem a tal rubrica, meu inconformismo se dirige à pobreza cultural que rodeia a sociedade. Veja-se o DJ, por exemplo. Esses caras fazem turnês mundiais e diz-se deles que eles “tocam”. Pensar-se-ia: piano? Violoncelo? ? Fagote. Não. Vitrola é o que tocam… Claro que o viés que envolve crianças é abjeto, merece reprimenda severa. Por fim, a prova de que não somos “retrógados” ou “conservadores” reside no fato de que a boa e verdadeira arte ainda tem muito espaço em nosso mundo e jamais deixará de tê-lo. Cordiais saudações!

    • Saudades, Luiz Fernando.
      Eles ainda dizem que dão “concerto”!!!!
      O Nelson Freire, o Fernando Feghali, Magda Tagliaferro, Jacques Klein dão e deram concertos de verdade.
      Um fato.
      Muitos anos e anos atrás eu estava na casa do Tom Jobim. Quando terminei de tocar uma sonata de Mozart no piano dele ele bateu palma e disse:

      “muito bem tocada, com sentimento e notas limpas”.

      Fiquei tão pequenininho que, acanhado, perguntei: “Tom, o que você acha dessas músicas que estão tocando agora?

      — Música? Isso não é música. Isso é aporrilhola. É barulho.

  8. Não há dúvida de que uma grande parte da responsabilidade pela morte do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo cabe ao Judiciário, na figura da juíza Janaina Cassol Machado. Ela decretou uma prisão absolutamente desnecessária, cujo único objetivo discernível era abater moralmente e humilhar. Uma prisão decretada antes de que o preso tivesse sequer sido convocado a prestar esclarecimentos! A prisão foi revogada, mas a juíza manteve o reitor incomunicável, a despeito de um claro diagnóstico de depressão. Estava impedido de entrar no campus e, fora advogados e médicos, só podia falar com seu irmão, o jornalista Júlio Cancellier. Quando concedeu que ele retomasse algumas atividades acadêmicas, foi introduzindo uma nova humilhação: sua presença na universidade seria estritamente cronometrada, duas horas e meia, como se fosse um elemento tóxico ou radioativo.

    Em suma: um exemplo perfeito da prepotência, da insensibilidade e do autoritarismo que, infelizmente, grassam no Judiciário brasileiro. Pergunto: uma vez que esse evidente abuso de poder levou a consequências tão trágicas, haverá algum tipo de punição à juíza?

    Mas há uma cota de responsabilidade importante que cabe à mídia. Ela é a cúmplice ativa dos processos de pré-julgamento e assassinato moral promovidos pelo Judiciário. Ainda hoje, ao noticiar a morte do reitor, a Folha de S. Paulo escreve que ele integrava um grupo “suspeito de desviar R$ 80 milhões em recursos que deveriam ser investidos em programas de Educação à Distância”.

    Há duas inverdades na frase. Era o projeto totalizava R$ 80 milhões; o valor que se suspeita que tenha sido desviado é alto, mas não chega a 0,5% desse montante. E, mais importante, a acusação que pesava contra o Cau não era de participar do desvio, que teria ocorrido antes de sua gestão, mas de estar “obstruindo as investigações” (acusação que ele negava).

    A mídia reproduz, de forma leviana, informações imprecisas ou mesmo falsas, embarca alegremente na culpabilização antecipada dos denunciados e, quando concede espaço para o contraditório, é apenas de forma burocrática e limitada. O Judiciário pode preparar os archotes, mas quem risca o fósforo para o linchamento moral é a mídia.

    Ao noticiar desta maneira a morte do reitor, a Folha trabalha para esvaziar o sentido de denúncia contra a arbitrariedade que Cau buscou imprimir ao sacrifício de sua própria vida.

    Luiz Felipe Miguel.

    • Se suicidar é algo muito tipico de quem tem vergonha na cara. Mesmo sendo inocente não suporta a dor da vergonha exposta. Infelizmente, esse não é o caso de pelo menos 99% dos politicos corruptos. Como é que eles vão perder algo que nunca tiveram. Aliás alguns deles acham que podem chegar até os 140 anos. NUNCA VÃO SE SUICIDAR!

    • O vagabundo apareceu de novo! O reitor foi preso por obstrução a justiça e se suicidou é porque se achava culpado. Se ele era inocente, poderia, como muitos, processar o estado. O resto é explicação de mortadela petista que mais uma vez tenta explicar o inexplicável. Se os vagabundos trabalhassem e não roubassem, nada disto teria acontecido.

  9. A arte está tão extrapolada que todos pensam que é arte, o sujeito faz uma apresentação bestial e acha que é arte, o pior que coloca uma criança para participar desta porcaria, deveria ser preso por atentado ao pudor.

  10. Aliás, rola pela internet que quem incentivou a criança a ir lá e apalpar o “defunto vivo”, autor de tão grotesca obra, foi a própria mãe da criança, uma petista doente de carteirinha. É o que rola.

  11. Toda essa podridão que jorra no país em todos os sentidos, formas e conteúdos tem nome e endereço. Eles estão tocando terror para continuarem mandando, mamando e desmandando nesse imenso prostíbulo a céu aberto que virou o país. O dinheiro “fornecido” pelas Estatais desapareceu, então roubar, tocar terror , violência, invadir propriedades públicas e privadas é chamado de estado de direito ! Desmoralização e destruição da Família como centro da Formação Humana, jogando pais contra filhos e vice-versa, ideologia de gêneros,imoralidades sendo chamadas de Arte, roubar , traficar e consumir drogas e ter vida fácil é “empoderamento” , “ostentação” e por aí vai ! O ‘pai dos pobres é ladrão” , mas, empoderou seus cúmplices, eles mandam e desmandam nas comunidades, ameaçam a integridade física, moral e existencial em nome de “conflitos raciais”, passando por cima das leis e do direitos de ir e vir do cidadão, isso eles chamam de “estado de direito” , e a mídia telenovelística ensina que roubar e traficar é legal, quem for contra é “racista,homofóbico e de direita” , e tome discursos de sacudir irmão contra irmão em nome da perpetuação dessa canalha “esquerdopata criminosa de lesa-pátria” que quer o fim da Família para tomar o poder mais rápido e implantar a “República Lulobolivariana Corrupta Cleptômana” , e chamam tudo isso de “estado de direito democrático” onde só existe um lado, o do mal, quem for contra é pichado em todos os lugares por essa canalha que em nome do “estado de direito corrupto” devorou os Cofres Públicos e todas as Instituições do Brasil que se omitem e procrastinam nas punições devidas dessa quadrilha que desde 2003 tomou conta e destruiu o Brasil e seu povo. Isso que vemos é fruto dessa hecatombe moral implantada pelos “bolivarianos criminosos de lesa-pátria” !!!!!! O que esperar de uma Nação que passou quase 20 anos de sua vida comandada por corruptos e ladrões do dinheiro público, que despudoradamente e impunemente viram que nos “infringentes do mensalão” que lhes diminuíram as penas e os deixaram livres para continuarem seus crimes estava o grande sinal de que os fins justificam os meios e se locupletarem por inteiro do Tesouro Nacional era uma questão de tempo, deu no que deu, lembram-se daqueles “discursos longos sobre os infringentes” que liberou geral os mesmos criminosos de hoje no processo do mensalão ???? Eles fazem tudo isso porque os “infringentes” só estão esperando os processos lhes chegarem as mãos para que todos sejam perdoados e continuem a destruir a Nação Brasileira por inteira, TRISTE TRÓPICOS !!!!!

  12. Caro Dr. Béja,

    Parabéns pelo artigo, o qual retrata com propriedade a que ponto chegam certos “cultores da cultura”[?]…

    Não bastasse o doutrinamento ideológico impresso aos adolescentes nas escolas, o caso em questão explicita que até crianças são vítimas da relativização moral exacerbada de uma pretensa “arte”, que nada dignifica (ao contrário, apequena e aniquila) a situação existencial humana.

    Grato por sua análise.

    Cordialmente,
    Christian.

  13. Considerar que tudo é possivel, desde que seja rotulado como arte, sem dúvida, é um tanto quanto desprovido de arte. O quanto isso afetou a criança, se é que afetou, não dá para saber, mas a arte que não é contemplável, não faz sentido, a não ser para o artista. A sociedade tem dado grande peso a crimes sexuais, tanto que o “estupro”, que antes era a consumação do ato sexual mediante coação, agora pode ser várias coisas. Com este clima, esta performance veio em um momento delicado e com toda certeza poderá trazer alguma consequência negativa para seus responsáveis. Já está acontecendo.

  14. Vou pedir uma grana pra lei Ruanet!!
    Quero fazer uma belíssima apresentação defecando no chão do teatro.
    Tudo muito bem iluminado e com uma ótima “sonoplastia”…
    Depois, findo o primeiro “ato”, chamarei o distinto público para INTERAGIR GRUPALMENTE (eles gostam muito destas palavras)
    e degustar a “obra” ainda quente pela emoção da minha “performance”.
    Acho que vou ganhar essa verba fácil, fácil!
    Afinal, esta nojeira também deve ser arte pra estes idiotas
    que acham que basta colocar a palavra “ARTE” na frente, que tudo fica permissível!
    Peço desde já desculpas a todos os participantes da Tribuna da internet por ter encontrado um exemplo tão esdrúxulo pra fazer um paralelo com tremenda imbecilidade e nojeira que temos que suportar.
    Sorry!
    Atenciosamente.

  15. Parabéns Dr. Jorge Béja, seus comentários são sempre lúcidos e corajosos.

    Absolutamente lamentável a cena ocorrida no museu. Fica obvio perceber que trata de uma estratégia de esquerda para tornar a pedofilia algo normal e aceitável.

  16. É verdade. Muito barulho por pouca coisa. A criança não deve nem estar lembrando do episódio, mas os críticos continuam se envenenando à toa. Não teve abuso nenhum. Muitos dos preconceituosos que aqui criticam não cuidam não são exemplos nem para seus próprios filhos, a maioria omissos, quanto mais para os filhos dos outros. Além do mais, todos permitem que suas crianças vejam coisas piores, como joguinhos violentos, facebook, zap zap, alcoolismo em casa, uso de drogas, não as educam em casa, que o diga as professoras que são agredidas em sala de aula.

  17. Li que a mãe daquela inocente criança é uma petista de carteirinha. Está explicado, ou preciso desenhar?
    E o pai? Onde está o pai dessa criança.
    Parabéns, Dr. Jorge Béja. Seu texto é límpido e cristalino.

  18. Uma aberração! Forçar uma menina a tocar um homem nu virou sinonimo de arte moderna, é isso? Tudo tem limite. Esse cara pelado merecia uma surra.
    “A vontade que eu tenho é ir lá e arrancar essa gente de lá. E tem os babacas daqui q defendem .Crianca estimulada a tocar no homem nu .ARTE” Alexandre Frota.

  19. Pessoas com mais de sessenta anos tem dificuldade em perceber ao que estão expostas as crianças de hoje.
    Com o advento da internet, tudo, absolutamente tudo está ao alcance, cabe aos pais educá-los.
    Índios andam nús, meus filhos deveriam ser proibidos de ver Natgeo?

    • Nas tribos amazônicas onde nunca existiu internet e todos vivem integralmente pelados, apareça por la vestindo roupa e sapato, que voce parecerá uma alegoria, no mínimo, e ao passar irão todos rir nas suas costas…

      Tudo depende de educação.
      Não é educado transgredir os valores sociais por motivos narcisistas de alguns depravados completamente sem criatividade, apelando para a ignorância…
      De longe, mas muito longe da arte que apresentaria a meus filhos…

      Se o intento era transgredir os valores usando crianças, tava bom de levar o artista, pelado, imóvel, pra um pátio interno da FEBEM.

      • Queria tanto aparecer…
        Na FEBEM, os verdadeiros artistas elevariam o nivel da performance, fazendo o artista desaparecer!

        … não sobrava nem a unha…

  20. Da pra perceber uma coisa quando você ouve uma pessoa defender essa ” arte ” . Eu não sei se é mau caratismo ou canalhice, mas eles sempre criam um eufemismo ou novo nome para pedofilia, abandonando o termo desgastado e tentando emplacar algo como amor intergeracional . E ainda tem alguns que dizem que a pedofilia e algo relativamente comum e que há farto material comprovando que esse comportamento é uma característica humana e que só é condenada pelo moralismo irracional burguês e cristão. Esse país tá uma m….

  21. E o pior, um monte de mentecaptos olhando o “espetáculo” horrendo e nem um, umzinho sequer que destoa desse monte de vermes para pegar um tripês daqueles ou mesmo uma cadeira e começar a sentar porrada no ator-maníaco, quebrar os cornos desde as canelas até as fuças
    Depois, com a sobra, sentar o pau também nã mãe da criança.., uma senhora depravada e que não tem qualquer tipo de caráter.
    Aliás, lá na Matrix, já era, ficaria sem a guarda da criança…e puxava uma cana brava
    Mais aqui no Tucanistão é tudo “moderninho””

  22. Esses defensores da “arte” moderna, que acham isso “normal”, certamente querem esconder os chifres da cabeça. Enquanto estão achando lindo e fantástico essa “arte” contemporânea de apalpar homem pelado, as suas esposas também estão fazendo o mesmo fora de casa e, então, enganam a si próprios achando que o que as esposas estavam fazendo era “apreciar arte”!! ha ha ha ha ha ha ha

  23. Tão lamentável quanto aquela ridícula performance do cara pelado foi a quantidade de comentários hidrófobos postados por essa turba de furiosos que assaltou este blog.
    Até a excrescência do Alexandre Frota foi citado como se ele pudesse ser mencionado como exemplo de alguma coisa.
    É um retrato ao vivo e a cores do atraso mental do povo brasileiro.
    Aquela vã tentativa de mostrar uma obra de arte foi realizada em um espaço fechado e foi vista só por meia duzia de desocupados que houveram por bem gastar seu tempo com aquela imbecilidade.
    Ninguém foi obrigado a presenciar nada que não quisesse.
    Ainda estamos numa democracia e a censura já foi abolida há mais de trinta anos.
    A repercussão dada pelos nossos reacionários de plantão foi desproporcional à mediocridade do ato.
    Enfim,os dois lados se merecem e fazem parte de dois segmentos de nossa sociedade.
    É lamentável!

    • Muito lindo e profundo comentário. Desde que a criança seja a filha dos outros, né? Com a filha da gente,o discurso politicamente correto muda. Só um cego ingênuo não vê que isso começa longe e quando percebemos já está influenciando negativamente as NOSSAS crianças. A NOSSA vida.

  24. Pelo jeito, nada mais evidente, é urgente a necessidade de união das pessoas de bem.
    Acima dá para ver a idéia dos comunistas.
    Moral do País é para ser destruída por cães.
    Mourão está demorando!

  25. Em um país onde o conceito de arte pode ser: caminhar agachado em fila indiana com o dedo introduzido no ânus do sujeito da frente, formando um círculo com várias pessoas; ou sair nu em espaço público arrastando um tijolo amarrado por um barbante ao pênis; ou reunir 25 mulheres para urinar publicamente de pé molhando a própria roupa e o chão onde pisam; ou defecar na fotografia de um adversário político como forma de protesto; ou expor obras explicitas sobre zoofilia, além de incitação á pedofilia e ridicularização de imagens religiosas, ou constranger uma criança a tocar um homem nu, dentre tantas outras “manifestações estéticas” oriundas do marxismo cultural, não é necessário realizar nenhum desdobramento intelectual para descobrir afinal onde eles pretender chegar: no fundo do mais profundo fundo do poço.
    É realmente uma pena que o ECA se pareça com a cacofonia de seu próprio significado.

  26. Dr. Bejá, muito obrigado por seu texto. Lendo os comentários , fico perplexo em ler as motivações que levam a defender a tal “arte”.

    • Prezado leitor Ricardo Lima.
      Não necessariamente neste ordem hierárquica, as 7 artes universais não são a Música, a Dança, a Pintura, a Escultura, a Literatura, o Teatro e o Cinema?

  27. O ministro Alexandre de Moraes assinou hoje duas decisões que têm tudo a ver com este e o anterior artigo aqui publicados na Tribuna da Internet.

    Uma decisão nega o habeas-corpus que a Defensoria Pública da União havia impetrado no STF para tirar dos presídio federais de segurança máxima os chefes do narcotráfico ( só do Rio são 55 ) e levá-los de volta aos presídios de seus Estados. No caso, aqui no Rio, o Complexo de Gericinó ( Bangu ).

    Outra decisão concedeu liminar no habeas-corpus impetrado pelo curador da Exposição que ocorreu no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP) para garantir que o curador fique em silêncio e seja acompanhado de advogado no depoimento que prestará hoje na CPI da pedofilia, convocado que foi pelo senador Magno Malta.

    Observação: considero exagerado chamar o curador para depor na referida CPI. Contra ele não há acusação, ao que se saiba, da prática ou tolerância da prática de pedofilia. Penso, contudo, que o tal sujeito deveria comparecer e dar explicações. Afinal tem ele hoje um palco com plateia cheia para justificar a arte que ele considera expondo um homem nu deitado no chão. Ele deveria também explicar aos senadores a presença no recinto daquela menina de 4 ou 5 anos que foi filmada e fotografada, conforme ilustra este artigo) engatinhando até chegar no corpo do homem nu e tocá-lo. É uma explicação que ele deveria dar à CPI. Certamente será inquirido sobre isso, porque foi por causa disso que o curador foi chamado. Agora, ficar calado, pega muito mal para ele. Deixa entender que ele tem culpa e tem medo e/ou tem responsabilidade pelo que aconteceu. E quem fica diante da autoridade e fica em silêncio deixa péssima impressão. Neste caso o silêncio é reconhecimento de culpa. Quem cala consente.

  28. Um parente próximo, com muitos prêmios no Museu de Belas Artes (RJ) acharia lindo, a maldade está em quem vê. Pura arte, muita hipocrisia .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *