Até quando Ciro Gomes continuará a ser vítima descartável do lulopetismo?

Resultado de imagem para ciro gomes derrotado

O tempo vai passando e Ciro continua empacado

Francisco Cavalcanti

Com mais de doze milhões de votos recebido nestas eleições, o paulista que se criou no Ceará Ciro Gomes é, inegavelmente, um cidadão brasileiro preparado para exercer qualquer cargo público, inclusive de presidente da República. Tem currículo político testado nas urnas. Capital eleitoral de prefeito municipal a governador de Estado, mandatos de deputado estadual e federal, além de duas passagens em Ministérios da República.

Intelectualmente preparado, conhecedor dos problemas  nacionais e com longa vida pública sem ser citado em ilícitos, uma qualidade que não deveria ser mérito, mas diante da situação que se evidência hoje, ser político ou gestor público ficha limpa é excepcional qualificação.

SEMPRE MANIPULADO – Porém, ao que ser observa, Ciro é sempre manipulado pelo “mui amigo” Luiz Inácio Lula da Silva, que já lhe passou sucessivas rasteiras. São traições que começaram a acorrer a partir do momento em que Ciro aceitou a ser ministro do primeiro governo Lula, 2002/2006.

Foram adversários na campanha eleitoral de 2002, época em que Ciro afirmou que o PT não tem projeto nacional de governo e Lula é incompetente. Tinha respeitável patrimônio eleitoral, em torno de 20% dos votos válidos conquistados nas urnas, mas vacilou quando decidiu apoiar o adversário Lula no segundo turno.

GRANDES TRAIÇÕES – Lula sempre demostrou ser mais sagaz do que pensava Ciro. Com habilidade, Lula o convidou para ser ministro no governo federal e lhe prometeu apoio para ser candidato ao governo de São Paulo, induzindo-o a transferir domicílio eleitoral do Ceará para São Paulo, mas depois deixou Ciro falando sozinho.

Nessas eleições de 2018, engendrou tremenda articulação político-partidária contra a candidatura de Ciro no Nordeste , reduto eleitoral e o candidato do PDT somente venceu no Ceará. Do presídio, Lula articulou a traição contra Ciro em benefício do seu candidato Fernando Haddad, tornando-o vitorioso no Nordeste.

FIDELIDADE – Essa última traição de Lula tirou Ciro Gomes do segundo turno de 2018. Era o único candidato que tinha possibilidade de ameaçar a estabilidade eleitoral de Jair Bolsonaro em segundo turno.

Por ser uma continuada vítima, estranha-se hoje o porquê de Ciro Gomes permanecer fiel ao petista, mesmo dizendo ter “compromisso ” com a Democracia. Haddad já afirmou – “se eleito, vou trazer de volta o governo Lula “. Isso não é nada democrático, segundo o seu programa de governo.

Então, não haverá espaço para quem já está acostumado a ser traído e permanecer na goteira. Petista é sempre petista e obedece aos dogmas pragmáticos de Lula. Ciro será sempre uma vítima descartável no lulopetismo.

40 thoughts on “Até quando Ciro Gomes continuará a ser vítima descartável do lulopetismo?

    • Precisa-se discutir esse tópicos:

      -Pesquisas forjadas e urnas fraudadas.

      -Com a delação e as provas de Palocci que a campanha dos vermelhos foram pagas com dinheiro de ditaduras do exterior tem que cassar imediatamente o registro do Partido dos Trambiques !!!

      – 39 processos de justiça contra Malddad.

      – Dívida gigantesca referente à uma propriedade de luxo de Malddad para com o estado de São Paulo.

  1. Ciro Gomes é um pilantra completo! É um dos maiores lixos que a política brasileira já produziu! É um típico coronel nordestino que adora ter uma imensidão de eleitores no cabresto!

    É um malandro que muda de opiniões dia após dia, conforme a direção dos ventos. Sua palavra vale menos do que uma moeda de 5 centavos.

    Ocorre que todo malandro acaba levando rasteira de outro malandro ainda mais esperto. Lula fez isso com ele, e foi muito engraçado!

    A parte honesta, trabalhadora e inteligente do Brasil deseja a vitória de Bolsonaro. Porque sabe que um país comandado por malandros não vai a lugar algum. Os anos de governo da quadrilha lulopetista deixaram isso bem claro!

    • Vamos ver se desta vez, as agências de pesquisa pagam menos vexame. São só dois, acho que assim fica mais fácil para eles. Pelo visto, o dinheiro fala mais alto que a vergonha, pelo menos, no Brasil, dominado pela esquerda por tantos anos. Segundo o Datafolha 58% pata 42%, subida vertiginosa de Haddad.

        • Esses são os votos válidos, que sempre somam 100%. No geral, que saiu ontem aqui na TI, Bolsonaro tinha 49% e Haddad, 36%. Nesse caso, a soma dá 85, e os 15% restantes devem ser os indecisos, votos nulo e em branco, ou que não quiseram declarar o voto.

  2. Evidentemente que o autor é eleitor de Ciro. Este persegue a presidência a bastante tempo e nunca dependeu de Lula como dependeu da própria língua para se eleger.Truculento, mal educado, brigão. Basta achar que que esta fora do alcance das câmeras e ele se mostra como é de fato. Se isso é estar preparado para ser presidente, pode até ser, mas de seu país do meu nunca. Este sim, está mais ao feitio de um segundo Collor.

  3. Ainda que Ciro fosse corrupto, e ele não é, seu maior pecado foi qualquer simpatia que pudesse nutrir por Lula, o pior canalha da história desse malfadado país. Ciro é honesto, alfabetizado, culto, corajoso e inteligente. Foi, de longe, o melhor prefeito que Fortaleza já teve. Quem simpatiza com Bolsonaro e Haddad é um idiota total.

  4. Ciro é carta fora do baralho. Pelas suas grosserias ele deve ser esquecido. Se falta assunto, que tal falar da tonga da mironga do kabuletê.

  5. Sul-Sudeste nunca deixarão um coroné, “da mais alta estirpe”, governar o país. Tiro Gomes é estúpido. Abundam agressões verbais, físicas e coações a pessoas, inclusive mulheres e senhoras (vide vídeo no posto de saúde no Ceará). Ontem mesmo quando uma jornalista pergunto se estava magoada com lula respondeu coronelmente: “Eu trabalho cum pulítica, mulhé!” Um fofo.

  6. O “grande” administrador do clã de Sobral e sua passagem pela Transnordestina:
    “Ciro chegou à presidência da concessionária Transnordestina Logística em 3 de fevereiro de 2015, com a promessa de destravar o projeto de 1.753 quilômetros de extensão e acelerar a conclusão da ferrovia que, depois de nove anos de obras, tinha alcançado apenas 518 quilômetros de trilhos. O orçamento de R$ 4,5 bilhões havia crescido para R$ 7,5 bilhões e o cronograma de entrega, antes previsto para 2010, não tinha mais data.

    Durante todo o ano de 2015, Ciro entregou um total de 81 quilômetros de trilhos, o equivalente a 4% do projeto. A Transnordestina terminava aquele ano com 599 quilômetros de traçado, sem avançar. Em 2016, conforme balanços da CSN e da ANTT, a EVOLUÇÃO FOI ZERO.

    Também houve demissões no empreendimento durante a gestão do pedetista. Em fevereiro de 2015, quando Ciro chegou à empresa, havia 5.356 trabalhadores mobilizados na ferrovia, conforme balanço auditado pela Delloite. O contingente chegou a subir para 6.401 funcionários dois meses depois, mas despencaria nos meses seguintes. Em maio de 2016, quando Ciro deixou a empresa, a Transnordestina tinha 1.261 empregados, 4.095 pessoas A MENOS.”
    Fonte: Terra e Estadao.

  7. Escrevi várias vezes sobre Ciro, principalmente quanto à sua infidelidade política.

    Só essa questão, e Brizola jamais o aceitaria para ser o candidato pelo PDT ao Planalto.
    Dito isso, louvemos aqueles que são fiéis às suas agremiações, tanto no poder quanto fora dele.

    Ciro ainda encarna a velha política, seus maus hábitos, a sua fisiologia, seus graves defeitos, principalmente quanto à honra e dignidade postas de lado pelo objetivo a ser conquistado.

    Mesmo sabendo que Lula é um ladrão, que está preso, que o PT é uma organização criminosa, a vaidade de Ciro quis que ele mesmo se elegesse como o representante das esquerdas, então tentou um acordo justamente com um mentiroso, mau caráter, inescrupuloso e chefe de quadrilha, o tal de lula.

    Ora, Ciro quis compor uma chapa onde ele seria o candidato de bandidos, de ladrões, de exploradores, mentirosos, enganadores …

    Em nenhum momento pensou no mal que representaria, pois o poder é maior do que as virtudes, no seu entender, logo, em razão da velha política e porque o povo está acostumado com essas uniões partidárias abjetas e deploráveis, Ciro continuaria a tradição.

    Não deu certo o seu plano.
    Lula, ladrão, lhe passou a perna, tirou-lhe a escada, e ocasionou a sua queda inevitavelmente.

    Pior:
    Declarou o seu apoio ao PT, ao Haddad, mesmo tendo sido traído, ludibriado, enganado por quem agora pede votos.

    Não se aceita mais este tipo de união entre partidos, esse “esquecimento” do ofendido em troca de apoio político, ainda mais partindo de um criminoso!

    Ciro errou muito, e feio!

    Desde a sua estratégia em unir as esquerdas, até quando fora da disputa declarou-se em favor da organização criminosa, o PT!

    Evidente que a sua esperança é Haddad vencer e ser convidado para um ministério, que aceitaria imediatamente o convite.
    Mas, o petista vai perder, e Ciro terá o seu ostracismo político merecidamente.

    E que não se consolide a ideia do presidente do PDT, Lupi, de manter a candidatura de Ciro para 2022, pois será outro erro clamoroso desse partido que tem história e tradição, e não falhas gritantes no seu modo de atuar, que deixariam Brizola de cabelos em pé e se revirando no túmulo em alta rotação!

    O PDT precisa ter um candidato à altura da sua importância para o Trabalhismo, e não alguém distante do seu estatuto e filosofia, muito menos a aproximação com máfias da política na busca de êxito para seu objetivo.

    • Ótimo comentário, amigo Chicão.

      Ciro Gomes é mais um figura emblemática da velha e imunda política brasileira, semelhante a Renan Calheiros ou a José Sarney.

      Mas Ciro se diferencia pela grosseria que exala a todo momento, distribuindo coices verbais por onde passa.

      E chega a distribuir uns e outros tapas reais nalguns que lhe questionam. Porém a “velha imprensa” finge que não vê.

      Comete também equívocos políticos gigantescos, constantemente, mas volta atrás sempre, baixando a cabeça para quem manda mais. É o que tem feito sempre perante o criminoso condenado em segunda instância, o Lula.

      O Brasil torce para que esse mau elemento suma de vez da política.

      • Ele prometeu sair da política se Bolsonaro ganhar. Vamos ver se a imprensa cobra. Mas como palavra de coroné é igual nota de 3…

      • Isac, meu caro,

        Alegro-me que estejas concordando comigo, sinal de que o meu pensamento com relação a Ciro Gomes é procedente.

        O camaleônico Ciro precisa levar uma esfrega do PT, apesar de que de nada adiantou ser humilhado pelo Lula, um criminoso!

        Essa história de forças progressivas, democráticas, populares, pura conversa fiada pois, se fosse de verdade, o povo não estaria nessa situação!

        Os caras não querem é largar o osso, que roem há décadas impunemente.

        A vitória de Bolsonaro será uma ruptura gravíssima no sistema, então a luta desesperada e uniões inescrupulosas para que esse poder não saia das mãos dessa esquerda ladra, incompetente, desonesta e demagoga.

        Ora, o maior inimigo do PDT na história desse partido, e desde que era o velho PTB, foi o PT, no RS!

        Collares, pedetista de primeira viagem, foi humilhado, execrado, criticado, enlameado quando no governo pela organização criminosa!

        Fizeram até uma CPI contra Collares para destitui-lo do Palácio Piratini.

        FHC foi simplesmente destroçado pelo PT antes, durante e depois de ter sido presidente da República.

        Pois esses dois fatos de suma importância, deveriam ter sido levados em conta pelo Lupi, ao se declarar aliado do PT no governo de Dilma e, agora, apoiando mais uma vez a quadrilha, os ladrões, os bandidos!

        Portanto, a escolha de Ciro foi muito ruim para a tradição Trabalhista, afastando o partido da sua história, de suas construções, da sua representatividade junto ao povo!

        Lupi sempre errou na sua estratégia, de levar o PDT para patamares mais elevados, perdendo vários parlamentares de renome e de boa conduta.

        Unir-se ao PT, do sapo barbudo, matou Brizola duplamente, e enquanto permanecer na presidência do partido, Lupi fará desaparecer o Trabalhismo e a agremiação que foi um marco na história do Brasil!

        Outro abraço, Isac.

    • Bom comentário.
      A tendência do PDT é de ir morrendo lentamente. Seu propósito era servir de veículo para a liderança de Brizola. Como Brizola faleceu sem ter chegado à presidência e sem deixar herdeiros políticos dignos de nota, para que serve o PDT hoje? Ciro foi a última esperança do partido que, ficando desprovido de esperanças presidenciais, não terá como se manter relevante na vida política.

      • Prezado Meira,

        Os homens constroem e também destroem.

        Brizola foi um dos artífices do PTB, criado por Vargas, que lhe deu sequência Jango e o notabilizou Brizola.

        A educação sempre foi a bandeira do PTB, a ponto que Brizola quando governador ergueu mais de seis mil escolas no RS!

        Com a ditadura teve de se exilar do Brasil.

        Ao voltar com a Anistia, e porque lhe tiraram a sigla PTB, fundou o PDT.

        Eleito governador do Rio, tratou de criar, junto com Darcy Ribeiro, os famosos CIEPS, uma revolução no Ensino Fundamental.

        O povo não o elegeu para presidente do Brasil, mas o gaúcho deixou um legado incomparável de interesse e amor pela Pátria e, maior ainda, pelo povo!

        Lupi, por mais boa vontade que tivesse, jamais seria um Brizola, nem de perto.

        Errou clamorosamente quando jogou o PDT nos braços do PT, a título de sobrevivência política (sic), sendo o pecado mortal do seu presidente não ter exigido de Dilma a construção dos CIEPS, o Ensino em Tempo Integral, em troca do apoio político.

        Mesmo com a derrocada do PT quando flagrado no mensalão e petrolão, o PDT defendia Dilma e o PT.

        Perdeu bons quadros com essas decisões estapafúrdias.

        Ao arregimentar Ciro, mais uma vez Lupi erra, e feio.

        Perde as eleições e, Ciro, vaidoso, de olho numa vaga ministerial ou de uma diretoria de estatal, dá o seu apoio ao PT, que lançara o seu partido na lama, que o desgraçara pelos crimes de Lula e de sua quadrilha!

        O futuro do PDT pode ser uma incógnita, porém, se continuar com Ciro, o destino será um partido nanico, sem qualquer influência no Congresso e junto ao povo.

        Abraços.

  8. Ciro Gomes não é vitima.

    PT só faz isso com ele por que ele aceita e permite para em troca receber alguns cargos para ele e sua turma.

    Governo Lula

    Ministro da Integração Nacional durante o projeto de transposição do rio São Francisco no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.[3][4][5]
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Ciro_Gomes

    Governo Dilma

    Ex-governador Ciro Gomes assume Transnordestina
    05/02/2015 – Valor Econômico
    http://memoria75b.blogspot.com/2015/02/ex-governador-ciro-gomes-assume.html

  9. Na mãos de vigaristas profissionais, Ciro é o trouxa.

    nas mãos de Ciro Esperto, o povinho idiota é touxa.

    Lula manipula com o ” coroné”, que é valente com os coitadinhos!

    É o poste e o cachoo pulguento.

    Quem é o candidato de Katia Abril não pode ser gente boa.

    Fallavena

  10. Os brasileiros vão dar ao Bolsonaro, o respaldo popular através do voto.
    Tem que ser assim para nocautear de vez os “terroristas vermelhos” e ele, poder fazer o que tem que ser feito como ele bem tem declarado.
    “Vamos diminuir o estado para reduzir ao máximo a zero se for possível a corrupção”
    Desaparelhando o estado, já teremos grande salto econômico e moral.

  11. Ciro Gomes é um sem direção política, por isso nunca conseguiu decolar além do seu Ceará. O que é uma pena, pois se ele tivesse um acompanhamento profissional que o ajudasse emocionalmente poderia vir a ser um grande quadro.

    • Alguém imagina Cirinho Paz e Amor?
      Muito “difice”…
      Mas elle merece tudo q lhe acontece todas as vezes q se faz candidato capacho do pt!
      Eu acho é pouco!
      Que não volte nunca mais!

  12. Dois parágrafos foram suficientes para mim. Aliás, um pedaço de uma frase já seria: “preparado para exercer qualquer cargo público, inclusive de presidente da República”.

    Pelamordedeus! Como pode um esquizofrênico ser qualificado para ser presidente? No caso de sê-lo, quem governaria: Dr.Ciro ou Mr.Gomes?

  13. O canga Ciro é como aquelas promessas que aparecem todo ano nos campeonatos que aqui se disputam. Marcam dezenas, centenas de gols , são os novos Pelés, os novos Neymares. E aí dão o passo definitivo, migram para um grande centro e a promessa vira decepção, o guri não aguenta o peso da camisa. E é assim que acontece com o canga Ciro, o cara não deslancha, fica só na promessa. Talvez ele voltando lá para aonde começou consiga retomar a carreira.

  14. O maior atestado de ingenuidade política do Ciro foi aceitar promessas de Lula de apoiá-lo numa disputa ao governo de São Paulo, como se isso fosse viável. Os paulistas, tão bairristas como costumam ser, aceitariam um candidato imposto de fora, vindo só para se candidatar ao governo do estado? Ciro pode ter nascido em Pindamonhangaba, mas sua carreira política foi no Ceará. Certamente houve muitos políticos em São Paulo que nasceram em outros estados, só que na maioria dos casos foram pessoas que tiveram uma longa vivência em terras paulistas, como foram os casos do próprio Lula, do Jânio, da Erundina, do Fernando Henrique.

  15. “Fraude nas urnas: por dinheiro e soberba, TSE fecha olhos para risco à democracia
    Gazeta do Povo – por Fernando Martins
     
    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e muita gente que entende do assunto asseguram que não há motivo para acreditar em fraude nas urnas eletrônicas. Ainda assim, cada vez mais brasileiros desconfiam do resultado das votações. E essa crença, apesar de ser infundada, é uma ameaça à democracia porque abala a credibilidade do processo eleitoral. O TSE e a cúpula do Judiciário brasileiro poderiam resolver o descrédito popular, mas estão fechando os olhos para a existência desse fato. Aparentemente, por dois motivos: não querem gastar dinheiro para resolver a questão e demonstram uma autoconfiança sobre seus sistemas de segurança que beira a soberba.

    A solução para o impasse é simples: imprimir os votos em papel para posterior verificação caso haja questionamentos sobre supostas fraudes na contagem eletrônica de votos. Porém, isso é caro. O investimento necessário seria de R$ 2 bilhões, segundo estimativa do próprio TSE. Mas é o preço a pagar para evitar a descrença da população (ou de parte dela) nas eleições.

    Considerando que a Justiça Eleitoral tem um orçamento anual de quase R$ 9 bilhões e costuma gastar muito dinheiro com propagandas “educativas” que não servem para muita coisa, investir num sistema desses é algo a ser considerado. Pelo menos no médio prazo.

    Brasil teve voto impresso para auditagem em 2002. E teria em 2018…

    Tecnicamente, é possível fazer. O país já teve voto impresso para auditagem da votação eletrônica nas eleições de 2002, quando 6% dos eleitores votaram na urna e também tiveram seus votos impressos.

    Aliás, esse sistema seria implantado em 2018, ao menos parcialmente. Aprovada em 2015, a Lei n.º 13.165 obrigou a impressão dos votos para posterior recontagem em caso de necessidade. O TSE, apesar de ser contra a lei, já estava se preparando para colocar em funcionamento o novo modelo de votação em 5% das seções eleitorais. Não seria implantado em todas as 23 mil seções eleitorais do país justamente porque o valor a ser investido era alto demais. Mas a cada eleição mais urnas passariam a ter impressão do voto.

    STF suspendeu a impressão do voto às vésperas da eleição

    Aí é que entra na história o Supremo Tribunal Federal (STF). Em julho deste ano, às vésperas da eleição, portanto, o plenário do Supremo suspendeu a impressão do voto. O argumento majoritário foi de que haveria risco de violação do sigilo da votação – uma garantia constitucional.

    Durante a sessão da Corte, houve até mesmo ironias sobre as suspeitas de fraudes nas urnas. O ministro Gilmar Mendes chegou a dizer que acreditar nessa “lenda urbana” é o mesmo que crer que o homem não chegou à lua. Em outra ocasião, o ministro Dias Toffoli também foi sarcástico sobre o tema, afirmando haver gente que acredita em saci-pererê.

    Não havia sido a primeira vez que o STF se posicionou desse modo em relação a outras leis que também previam a impressão do voto para auditagem da votação.

    Problemas na impressão do voto em 2002 enterrou o modelo, em vez de servir para aprimorá-lo

    A rejeição da cúpula da Justiça ao voto impresso é uma decorrência dos problemas que ocorreram em 2002. Após aquela eleição, o TSE concluiu que o sistema de impressão tinha muitas falhas – dentre as quais o risco de o sigilo do voto ser violado. Isso porque várias impressoras travaram e os mesários tiveram de intervir para que o voto fosse depositado na urna – o que deveria ser feito automaticamente pelo maquinário. Nesse momento, eventualmente eles poderiam ver como foi a votação do eleitor.

    O sistema mostrou outras deficiências. O travamento da impressora criou longas filas para o eleitor e aumentou o número de urnas que quebraram e tiveram de ser substituídas. Também havia a questão do custo maior: de papel, transporte e para guardar os votos impressos com segurança.

    A Justiça Eleitoral poderia ter melhorado o sistema e o maquinário para evitar os problemas e os riscos de violação do segredo do voto. Mas optou por defender o sistema de votação exclusivamente eletrônica. Conseguiu convencer os parlamentares de que o voto eletrônico bastava. O Congresso mudou a lei e a obrigatoriedade da impressão dos votos caiu.

    Suspeitas sobre fraudes vêm crescendo embaladas por figurões da política

    O problema é que desde então políticos de esquerda e de direita só fazem crescer as suspeitas sobre as urnas eletrônicas – ainda que infundadas. Em 2014, a dúvida sobre a credibilidade do sistema tomou o país quando Aécio Neves (PSDB), derrotado por margem estreita por Dilma Rousseff (PT) na eleição presidencial, pediu investigação por suposta fraude nas urnas eletrônicas. Um ano depois, a auditoria do próprio PSDB concluiu que não houve nada de errado. Mas o estrago já estava feito.

    Nesse sentido, Jair Bolsonaro (PSL), quando afirma haver risco de fraude nas urnas eletrônicas, só está acentuando ainda mais uma desconfiança que já existia e que provavelmente vai continuar a existir se nada for feito.

    O primeiro turno deste ano também não contribuiu em nada para dar um crédito aos sistemas e ao planejamento da Justiça Eleitoral. Para o eleitor, foi um dos dias de eleição mais conturbados dos últimos tempos. Ocorreram longas filas de até três horas em vários locais de votação devido a falhas no sistema de biometria e à fusão de seções eleitorais (medida tomada pelo TSE para economizar dinheiro). A isso se somaram relatos de cidadãos que alegam que a urna encerrava a votação imediatamente após o eleitor digitar o número de seu candidato a presidente – antes, portanto, de ele confirmar esse nome.

    É provável que esses últimos incidentes tenham ocorrido por uma simples falha nas urnas, tal como a que ocorreu com a biometria. E que os votos tenham sido computados corretamente. Mas o fato é que esses depoimentos se espalharam pelas redes sociais como “prova” de que haveria fraude na votação. E muita gente está acreditando nessa versão.

    O TSE tem a obrigação de dar respostas rápidas a essas dúvidas, da mesma forma que rapidamente mostrou a farsa sobre o vídeo em que uma urna era automaticamente preenchida com o voto no 13 (Fernando Haddad) quando o eleitor digitava o número 1.

    Mas a questão é que o TSE tem se apegado quase que exclusivamente ao discurso técnico de autoproteção: alega que a urna eletrônica é segura, e pronto. Num país em que o eleitor está cada vez mais desconfiado de tudo e de todos, isso não é suficiente. É preciso algo mais. Pelo bem das eleições. Pelo bem da democracia.

  16. Ciro é petista enrustido, cuja missão é ser puxadinho do PT e, como tal, não tem compromisso com a democracia, mas com os objetivos de tomada do poder desejado pela esquerda.

  17. – Agradeço aqueles que participaram com suas opiniões sobre o texto.

    – Froes, lembra um amigo de nome Francisco Raimundo Oliveira e Silva. Froes é a rubrica dele.

    – Votei, conscientemente no Ciro Gomes Gomes, embora ele tenha dito muitas coisas inapropriadas durante a campanha, mas o candidato da maioria que comenta aqui, também disse.

    – Espero que não se repita a eleição de 1989 que deu Collor e Lula no segundo turno, um segundo turno sem escolha.Elegeram o Collor, e deu no que deu.Inclusive votei no Collor por achar que anular voto é antidemocrático.

    Abraço a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *